Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

jornal

agenda cultural

A exposição chega a São Paulo depois de apresentada no Centro de Arte Contemporânea Winzavod, em Moscou. Integra o programa de parcerias externas do MAC USP, que busca cumprir sua missão de trazer a público diferentes aspectos da produção artística atual.

Em Monumentos Temporários, o corpo de Fyodor Pavlov Andreevich é um instrumento de investigação das relações humanas. Particularmente interessado nos desdobramentos do trabalho escravo na contemporaneidade, ele compõe um rol de performances que duram por sete horas. (São ações reais). Elas são levadas à cabo em paisagens especificamente escolhidas por seu significado simbólico para a situação brasileira - o coqueiro solitário, a praia com urubus, o mar revolto, a única árvore que resta numa terra arrasada resultado de um incêndio, avenidas conturbadas das metrópoles, o poste. Também são registradas e transformadas em objetos-performances: caixas que portam fotografias, ou em vídeos, que, para serem vistos, exigem certa dedicação por parte do interessado.

As imagens nos cutucam. São incômodas. Nos fazem encolher e tensionar. (O estrangeiro ousa apontar o dedo; franzimos o cenho). A iconografia de castigos físicos infligidos aos escravizados, ontem e hoje, que o artista registra, constitui um episódio que a história brasileira reluta em reconhecer. Reluta porque é racista e porque mascara esse racismo dentro de uma mítica da 'democracia racial'. Porque silencia diante do privilégio de uns e da luta de outros. "O privilégio cega porque a natureza do privilégio é cegar", afirma a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie.

O artista visual não é um antropólogo, tampouco um sociólogo; esse não é seu lugar. Sua atuação no mundo é da ordem da escuta e do diálogo. Entretanto, ele pode lançar mão de estratégias e procedimentos pertencentes a essas áreas do conhecimento científico - e não raro o faz. O performer, em particular - e historicamente, dado que a performance é uma arte radical desde sua origem -, usa seu corpo politicamente, coloca-o à prova, mais que frequentemente arrisca sua integridade física, com o objetivo de produzir situações nas quais o público acaba por refletir sobre seu modo de se relacionar com o outro.

Diante disso, numa chave que remete à pesquisa antropológica, Andreevich investiga o Outro, mantendo-se aberto e sendo ele mesmo modificado nesse processo. Ele está amarrado, pendurado, nu. Guarda o silêncio porque a reação alheia é o que interessa. Aguarda. A estratégia de "resistir à longa duração", como o artista se refere ao conceito que permeia a maior parte de suas performances, possui como objetivo último levar a uma transformação da subjetividade (não apenas dele próprio, também daqueles que presenciam sua ação). Para Andreevich, resistir ao risco - físico e psicológico, ao sofrimento e à dor - é ser honesto diante da experiência da performance, respeitá-la em sua integridade.

Sendo assim, os Monumentos Temporários são objetos que se constituem de meios diversos - a performance, a foto, o vídeo, a escultura (por que não?) - e não pretendem se fixar na paisagem. O objetivo desses objetos híbridos é existir dentro de um prazo de tempo determinado e apresentar-se como desdobramento resultante de um labor físico intenso. Como o artista afirma, "são estruturas que não se gravam em pedra, embora gozem de um sentido contínuo de momento". Se o monumento inscreve a memória na paisagem, os trabalhos de Andreevich produzem memórias da dor anônima e, principalmente, da persistência humana em permanecer em movimento.

Exposição “Monumentos Temporários”, de Fyodor Pavlov-Andreevich

acontece
de 02/04/2017
a 13/08/2017

abertura
01/04 às 11h

local

MAC USP Nova Sede
Avenida Pedro Álvares Cabral, 1301 São Paulo SP
11 2648.0254

fonte
MAC Comunicação
São Paulo

compartilhe


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada