Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Parodiando a fala do prefeito de São Paulo, que afirmou “Tudo tem limite!” ao se referir à presença de nus em obras de artes, Paulo Miyada cobra mais responsabilidade de um personagem público e afirma: “Há limites, senhor, há limites”.

how to quote

MIYADA, Paulo. Carta ao prefeito de São Paulo. Sobre o nu no MAM-SP. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.02, Vitruvius, out. 2017 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6714>.



O contexto

O prefeito paulistano João Doria, em vídeo publicado nesse último sábado, repete em tom paternalista, muitas e muitas vezes: "Tudo tem limite!", ao referir-se à suposta ilegalidade da performance ocorrida na abertura do 35° Panorama do MAM-SP.

A carta

Sim, caro prefeito, tudo tem limite, em especial a irresponsabilidade que você assume ao inflamar um debate sem conhecimento de causa e criminalizar uma expressão artística legítima. Veja, se os sentidos da arte são múltiplos e disputáveis e se todos os seres humanos têm direito à interpretação subjetiva das obras, não se pode nem se deve impedir a mais variada gama de leituras – sejam as vindas de especialistas, sejam as vindas de quem tem pouca ou nenhuma familiaridade com a área. Esse é um jogo aberto, no qual as instituições de arte exercem um trabalho contínuo de ampliação de acesso, informação, debate e questionamento. Agora, o prefeito da cidade ganha automaticamente o dever de se informar com profundidade e amparado por profissionais. Não se trata de um adolescente a desabafar nas redes sociais, ainda que existam (maus) exemplos nesse sentido.

O cerne de seu argumento está em dizer que a performance La Bête constitui uma “cena libidinosa, que estimula uma relação artificial condenada e absolutamente imprópria”. É isso que muita gente está dizendo, mas será que é verdade? Será que isso se sustenta, se você olhar a performance em seu contexto original e após ouvir a opinião dos especialistas? Diversos dos mais importantes museus e instituições de arte no país declararam seu apoio ao MAM-SP, dezenas ou centenas de profissionais da área têm feito o mesmo, será que não é sua obrigação duvidar da sua primeira impressão? Se uma ponte parecesse estar com suas fundações fragilizadas, você decidiria por interditá-la ou não sem ouvir diversos engenheiros? Se houvesse consenso na comunidade médica e científica sobre as melhores abordagens para a população drogadicta, você ignoraria isso por conta de uma opinião pessoal? Bom, melhor mudar de assunto.

Deixo aqui minha opinião profissional, como curador e pesquisador de arte contemporânea: não, a ação do artista Wagner Schwartz, não constitui cena libidinosa. Tratou-se de uma ação em recinto fechado, amplamente iluminada, cuja nudez fora informada aos visitantes, à vista de centenas de pessoas, na qual nenhum gesto erótico ou metáfora sexual foi planejado ou ocorrido. Para uma parte da performance, o corpo nu do artista havia sido treinado para dobrar-se de acordo com a interação do público que voluntariamente entrasse no perímetro designado para a ação. Como na obra de Lygia Clark que inspirou a performance, os participadores poderiam se surpreender com os limites e possibilidades de posicionamento da obra-corpo; o artista, em contrapartida, atuaria como corpo-obra, não esboçaria reações ou emoções, muito menos provocaria atitudes libidinosas.

Alguém poderia dizer que, mesmo sendo este o roteiro, o artista poderia ter intenções ocultas. Talvez, se a interação acontecesse em lugar isolado, escuro e fechado, mas nunca no contexto da exposição, cercado por inúmeros olhos, inclusive de profissionais responsáveis e atentos. Tudo que aconteceu teve muitos testemunhos ao vivo e foi amplamente documentado.

Portanto, resta a segunda parte de seu juízo, de que a cena em que uma garota adentrou essa área e tocou o tornozelo, mão e pé do artista “estimula uma relação artificial condenada e absolutamente imprópria”. Não, caro prefeito, não é assim. Ver um corpo adulto nu sem qualquer atitude erótica ou signo de desejo sexual e uma criança vestida e igualmente desprovida de qualquer postura libidinosa não constitui um estímulo à pedofilia. Não houve pornografia, tampouco sexo ou coerção. Não houve qualquer estímulo para tanto. Um trecho de registro em vídeo foi muitas vezes reproduzido, descontextualizado e acompanhado das mais agressivas palavras de intolerância, mas a performance experimentada nada teve nesse sentido – e há centenas de testemunhas para assim confirmar.

Em um mundo melhor que este, o senhor prefeito poderia seguir discordando desta interpretação, mas procuraria ouvir muitos outros colegas, com as mais variadas formações e atuações. Acredito que se assim o fizesse, poderia até seguir incomodado com a obra, mas não repetiria os argumentos que utilizou de forma tão leviana e preocupante – porque pode abastecer ainda mais a fogueira da intolerância, do medo e do obscurantismo: estimular uma reação violenta, coercitiva e absolutamente imprópria contra profissionais desse e de outros museus e espaços de arte.

Há limites, senhor, há limites.

sobre o autor

Paulo Miyada é arquiteto e urbanista pela FAU USP. Foi assistente de curadoria da 29ª Bienal de São Paulo e curador do programa Rumos do Itaú Cultural 2011-2012. Atualmente coordena o Núcleo de pesquisa e curadoria do Instituto Tomie Ohtake.

biblioteca tempos temerários

Tempos Temerários é um projeto de Abilio Guerra e Giovanni Pirelli, produzido pela equipe do Marieta (portal Vitruvius + Irmãos Guerra Filmes + produtora Cactus), que visa ser um momento de debate sobre temas da atualidade, como um laboratório permanente para pesquisar técnicas, ações e ideias de resistência e transformação politica, social e cultural.

BRUM, Eliane. Gays e crianças como moeda eleitoral. El País, Madri, 18 set. 2017 <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/18/opinion/1505755907_773105.html>.

COLI, Jorge. Erotismo em tempos de cólera e boçalidade. Drops, São Paulo, ano 18, n. 120.04, Vitruvius, set. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.120/6703>.

COLI, Jorge. Por moralismo torpe, pessoas decidem eliminar a reflexão e neutralizar a arte. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.06, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6734>.

GUERRA, Abilio. As imagens e a palavra de Deus no gospel brasileiro. Sobre o musical Terremoto Santo, de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 190.02, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.190/6733>.

GUERRA, Abilio. Notícias dos tempos temerários. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 189.04, Vitruvius, set. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.189/6706>.

LIRA, José. Tempos sombrios. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.01, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6713>.

LUZ, Afonso. Lygia Clark: todo bicho tem articulações. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.03, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6719>.

LUZ, Afonso. Trolagem institucional. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 190.01, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.190/6718>.

MIYADA, Paulo. Carta ao prefeito de São Paulo. Sobre o nu no MAM-SP. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.02, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6714>.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. A nova direita conservadora não despreza o conhecimento. Carta Capital, São Paulo, 10 out. 2017 <https://www.cartacapital.com.br/politica/a-nova-direita-conservadora-nao-despreza-o-conhecimento>.

TIBURI, Marcia. Sobre os últimos acontecimentos. A arte, a alma, os inquisidores. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.05, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6732>.

 

comments

121.02 política cultural
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

121

121.01 cultura

Tempos sombrios

José Lira

121.03 arte

Lygia Clark: todo bicho tem articulações

Afonso Luz

121.04 exposição

Corpo de prova

Instalação artística de Marcia Pastore no MuBE

Ana Maria Belluzzo

121.05 cultura

Sobre os últimos acontecimentos

A arte, a alma, os inquisidores

Marcia Tiburi

121.06 censura

Por moralismo torpe, pessoas decidem eliminar a reflexão e neutralizar a arte

Jorge Coli

121.07 patrimônio

Desafios do restauro moderno

Abilio Guerra

121.08 produtividade

Sobre urubus, sabiás e sucupiras

Processo de avaliação da produção em arquitetura e urbanismo

Paulo Afonso Rheingantz

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided