Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
Segundo Ana Maria Belluzzo, a instalação artística “Corpo de prova”, de Marcia Pastore, na marquise do Mube, edifício projetado por Paulo Mendes da Rocha, “conecta espaços e tempos, acumula saberes, subentende forças mecânicas”.

como citar

BELLUZZO, Ana Maria. Corpo de prova. Instalação artística de Marcia Pastore no MuBE. Drops, São Paulo, ano 18, n. 121.04, Vitruvius, out. 2017 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.121/6721>.



O território da escultura pensado por Paulo Mendes da Rocha nasce ao ar livre, em pequena extensão com frente para duas ruas, num convite à franca visibilidade dos limites do lote, dos desníveis do solo, do recorte dos jardins.

Ele conta que implantou o museu a partir de uma “pedra no céu”, figurando o ato inaugural da cobertura de concreto protendido de sessenta metros de comprimento, flutuando sobre o terreno. A marquise baliza o projeto no horizonte da avenida Europa e se torna primordial para a estruturação do espaço do museu em níveis, chegando a cota mais baixa no fundo do terreno. A plenitude estética dos projetos do Paulo contém, em si, questões da pintura e da escultura contemporânea. Por seu turno, artistas introduzem obras na configuração espacial do edifício a partir das próprias indagações, das próprias poéticas. Adentram, por imprevisíveis apropriações, o domínio espacial de âmbito comum. O que faz o MuBE um espaço vivo. É significativa tal reciprocidade entre artes e arquitetura, considerando a linguagem escultórica reintroduzida em especificidades locais e centrada na questão ambiental.

Nesta ocasião, Marcia Pastore realiza uma ação física diretamente sobre a marquise. Veste o bloco para desnudá-lo sob outra perspectiva, atenta a materialidade dos corpos, subordinados ao equilíbrio de forças. Sem se antecipar em desenho prévio, a proposta surge num corpo a corpo local. Dá lugar a um jogo de garras e amarrações, pesos e contrapesos a tatear o bloco. Ele é oferecido na montagem de ready mades, escolhidos em lojas de material para a indústria da construção – sargentos, ganchos, encaixes e travas, roldanas e cabos de aço e notadamente fios de prumo –, que dão conta da geometria final. E com que graça! Até mesmo as peças de lastro não são extraídas do solo, mas cortadas de laje em canteiro de demolição. A obra conecta espaços e tempos, acumula saberes, subentende forças mecânicas. Introjeta longo arco de esforço humano.

nota

NE – texto sobre a exposição “Corpo de prova”, de Marcia Pastore, Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia – MuBE, São Paulo, de 07 outubro a 21 de novembro de 2017.

sobre a autora

Ana Maria Belluzzo é graduada em Curso Para Formação de Professores de Desenho (FAAP, 1966), mestre em Artes, doutora em arquitetura e urbanismo, e livre-docente (USP, 1980, 1988 e 1997). É professora titular de História da Arte (FAU USP, 1998-1999) e professora colaboradora no curso de pós-graduação da mesma escola. É membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte, Comitê Brasileiro de História da Arte, International Center for the Arts of the Americas do Museum of Fine Arts (Houston) e Conselho de Orientação Artística da Pinacoteca do Estado de São Paulo. Trabalha como curadora independente.

Corpo de prova, de Marcia Pastore, Museu Brasileiro da Escultura e Ecologia – MuBE, São Paulo
Foto Marcelo Arruda

 

comentários

121.04 exposição
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

121

121.01 cultura

Tempos sombrios

José Lira

121.02 política cultural

Carta ao prefeito de São Paulo

Sobre o nu no MAM-SP

Paulo Miyada

121.03 tempos temerários

Lygia Clark: todo bicho tem articulações

Afonso Luz

121.05 cultura

Sobre os últimos acontecimentos

A arte, a alma, os inquisidores

Marcia Tiburi

121.06 censura

Por moralismo torpe, pessoas decidem eliminar a reflexão e neutralizar a arte

Jorge Coli

121.07 patrimônio

Desafios do restauro moderno

Abilio Guerra

121.08 produtividade

Sobre urubus, sabiás e sucupiras

Processo de avaliação da produção em arquitetura e urbanismo

Paulo Afonso Rheingantz

121.09 ignomínia urbana

O retrocesso

Arquitetura defensiva aliada à exclusão social

Vinícius de Moraes Ribeiro

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada