Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

drops ISSN 2175-6716

sinopses

português
No dia 12 de janeiro de 1985 falece em São Paulo o arquiteto João Batista Vilanova Artigas, após alguns dias hospitalizado na UTI de hospital em São Paulo. Os fatos da ocasião são rememorados por sua filha, a historiadora Rosa Artigas.

como citar

ARTIGAS, Rosa. O dia em que Artigas virou luz. Recordações do falecimento do arquiteto 33 anos depois. Drops, São Paulo, ano 18, n. 124.06, Vitruvius, jan. 2018 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.124/6839>.



A gente ficou durante 10 dias, desde a passagem do ano de 1984 para 1985, esperando o momento em que o médico da UTI do Hospital Albert Einstein saísse pela porta, no fundo da sala de espera, para anunciar a morte do querido Artigas. No sábado, dia 12 de janeiro, a tal porta abriu e o médico cochichou com meu tio Giocondo, que teve a dura tarefa de nos dizer o que já sabíamos:

– O Artigas morreu.

Não lembro de todo mundo que estava lá nesse momento. Somente de alguns, como o Abrahão Sanovicz, Julio, meu irmão, alguns amigos. Minha mãe nos ordenou que procurássemos um lugar para a cerimônia fúnebre, e que não fosse na FAU USP. Acreditava que a morte do Artigas tinha sido provocada pela angústia que ele sentiu com o modo nada solidário com que, tanto a direita, quanto a esquerda da USP haviam conduzido o processo de reintegração dos cassados após a anistia. O gosto pelo poder já então promovia, e ainda promove, as mais improváveis alianças. Virgínia era sábia.

Fomos para o salão da Câmara Municipal, pelas mãos de um vereador do PCB que não tinha a menor ideia de quem fosse o homem morto, já que durante o discurso, aos pés do caixão, chamou Artigas de “Aristides”. Tarefas!

Lembro do Luis Carlos Daher e do Eurico Prado Lopes, ambos mortos muito jovens, alguns meses depois. Lembro do Miguel Juliano, do Paulo Mendes da Rocha, do Maria Helena Flynn, de Romeu, meu primo, e do Reginaldo, ao meu lado, sempre; também me lembro de alguns ex-alunos – antigos e novos – e amigos que passaram a noite nos consolando e contando dos momentos que passaram com o “velho”.

Amanheceu um domingo claro, típico de verão. Mas, na hora do enterro, uma pancada de chuva caiu de nuvens escuras e baixas, talvez para que a alegria da luz do sol não ofendesse a tristeza da despedida. Ou então, foi o Artigas que levou um pouco de luz para guiar nosso futuro, como disse o querido Flávio Mota.

sobre a autora

Rosa Artigas é historiadora.

 

comentários

124.06 homenagem
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

124

124.01 crônica

Do sadomasoquismo

Crônicas de andarilho 15

Abilio Guerra

124.02 moradia

Direito à moradia digna

Marcela Marques Abla

124.03 tempos temerários

Como seria o julgamento de Lula se estivéssemos em uma democracia

Marcia Tiburi

124.04 cultura

Machismo patropi

Tadeu Chiarelli

124.05 cinema

Quando Jean-Paul Belmondo andou de bicicleta pelo Plano Piloto de Brasília

Abilio Guerra

124.07 crônica

João Lopes Lambert (Cambuí MG, 27/11/1922 – 11/01/2018)

Uma vida plena, da autonomia à guarda da família e do Estado

Douglas Lambert

124.08 cenografia

Nonada

As veredas de Paulo Mendes da Rocha e Bia Lessa

Fernanda Ferreira

jornal


© 2000–2018 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada