Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

projetos  

sinopses

como citar

VITRUVIUS, Portal. Concurso Bairro Novo. Projetos, São Paulo, ano 04, n. 044.02, Vitruvius, ago. 2004 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/04.044/2398>.


Ata de Julgamento (Circular 011)

São Paulo, 22 de julho de 2004

Caros Colegas,

Inicialmente é meu dever agradecer a todos os membros da Comissão Organizadora do Concurso Bairro Novo, uma equipe de mais de 40 pessoas que tive o privilégio de Coordenar, composta por profissionais da W2 Comunicações, Anhembi Turismo, do Cerimonial do Gabinete, da Secretaria de Governo, da EMURB, da Diretoria de Projetos Urbanos, da Secretaria de Planejamento e do IAB-SP.

Devo também agradecer ao Corpo de Jurados, pela presteza, pela dedicação e pela seriedade com que durante uma semana interromperam suas atividades normais para fazer a análise e o julgamento dos 60 trabalhos entregues.

Quero ainda parabenizar a Prefeitura de São Paulo, na figura da Secretaria de Planejamento e da Emurb, na pessoa de seus titulares Arq. Jorge Wilheim e Arq. Nádia Somekh, e da Diretoria de Projetos Urbanos, na pessoa de seu titular o Arq. José Magalhães Júnior, que tiveram a sensibilidade de propor ao IAB a organização deste concurso em bases absolutamente inovadoras, envolvendo de maneira inédita o poder público, a sociedade civil e a iniciativa privada.

Este desafio possibilitou o envolvimento de 60 equipes e aproximadamente 700 profissionais na elaboração de propostas que, pela primeira vez em iniciativas desta natureza, puderam levar em consideração os novos instrumentos do Estatuto da Cidade, das Parceria Público-Privado e, acima de tudo, da gestão urbana baseada na construção da cidade real, na qualidade de vida e na inclusão social.

E, finalmente, me cabe agradecer e parabenizar a todos os participantes do Concurso.

Como todos sabemos, elaborar um projeto de Arquitetura é um ato de coragem e exposição.

E os colegas que participaram deste Concurso, certamente acrescentaram muitos pontos de reflexão e prática para o desenvolvimento de nossa cidade e do pensamento da Arquitetura no Brasil.

A todos, muito obrigado.

Arq. Valter Caldana
Consultor

Ata de julgamento

Às 11:00 horas do dia 12 de Julho de 2004, no Mezanino do IAB/SP, à rua Bento Freitas, 306, São Paulo/SP, na presença do Consultor, Arquiteto Valter Caldana, da acadêmica Roberta Stecca Iunes e dos Srs. Emerson Fioravante e Alírio Ferreira da Silva, o Arq. Consultor iniciou a abertura dos envelopes contendo os trabalhos entregues para julgamento e a numeração das pranchas de acordo com os envelopes, de PR 1001 a PR 1059.

Neste momento foi entregue ao Arq. Consultor pela Secretaria do IAB/SP um pacote contendo um trabalho, deixado na sede do IAB/SP no dia 07 de julho de 2004, portanto fora do prazo previsto no Regulamento do Concurso. Tal embalagem foi lacrada e o trabalho considerado desclassificado pelo não cumprimento do item 8 do Regulamento.

Durante a abertura dos envelopes foi constatado que o trabalho PR 1058 continha no envelope além de 04 (quatro) pranchas 02 (dois) conjuntos de folhas datilografadas em desacordo com os itens 7 e 8 do Regulamento do Concurso, sendo este, portanto, desclassificado.

Neste sentido, foram apresentados à Comissão Julgadora para sua apreciação 58 (cinqüenta e oito) trabalhos.

Às 14:00 horas reuniu-se o Corpo de Jurados, composto pelo Arquiteto Alberto Rubens Botti, Arquiteto Alfredo Máximo Garay, Arquiteto Jorge Wilheim, Arquiteto José Magalhães Júnior, Arquiteto Luiz Fernando de Almeida Freitas, Arquiteto Nádia Somekh e Arq. Paulo de Melo Zimbres, com o Presidente do IAB/SP Arquiteto Paulo Sophia, o Eng. Ricardo Barbara, membro da Comissão Organizadora do Concurso e o Arq. Consultor.

Na ocasião o Arquiteto Paulo Sophia destacou a importância deste Concurso, lembrou aos presentes a necessidade de uma leitura rigorosa e profunda, mas também generosa dos trabalhos, e, agradecendo a presença de todos, se retirou.

Em seguida, o Arq. Consultor fez a apresentação do material do Concurso, seus objetivos e um breve relatório de seu andamento.

Na ocasião ficou estabelecida a metodologia básica de julgamento dos trabalhos apresentados, que consiste em:

Análise individual pelos membros do Júri de cada trabalho apresentado.

Análise individual de cada trabalho, onde cada membro apontará os trabalhos que não deverão passar à próxima fase.

Ao final desta fase serão eliminados os trabalhos apontados pela totalidade do Júri.

Análise coletiva dos trabalhos pelos membros do Júri, com troca de idéias e impressões e revisão das etapas anteriores.

Análise individual dos trabalhos, desta vez com o apontamento por parte do Júri dos trabalhos a permanecerem em análise e seleção.

Análise coletiva dos trabalhos pelos membros do Júri, com troca de idéias e impressões e revisão das etapas anteriores.

Análise individual dos trabalhos, com seleção, entre os trabalhos remanescentes, dos trabalhos passíveis de premiação.

Análise coletiva dos trabalhos para definição da ordem de premiação.

Revisão geral das decisões tomadas e finalização da Lista de Premiados e Menções Honrosas.

Terminada a reunião, os membros do Corpo de Jurados acompanhados do Arq. Consultor e do Eng. Ricardo Barbara realizaram visita conjunta à Área de Referência e à Área Foco de Intervenção do Concurso para reconhecimento.

No retorno da visita realizada a Comissão Julgadora se manteve reunida em sessão fechada, dando prosseguimento à fase 01 do julgamento. A sessão de Julgamento no primeiro dia se encerrou às 20:00 horas.

Às 10:00 horas do dia 13 de julho, segundo dia, se reuniu a Comissão Julgadora do Concurso, dando início à Fase 02 do Processo de Julgamento, suspensa às 19:30 horas e retomada às 10:00 horas do dia 14 de julho.

Esta fase do julgamento dos trabalhos se encerrou às 13:00 horas do dia 14 de julho, terceiro dia de julgamento, onde foram selecionados para a próxima fase de julgamento 32 trabalhos, a saber:

PR 1001, PR 1002, PR 1004, PR 1005, PR 1006, PR 1009, PR 1010, PR 1012, PR 1014, PR 1015, PR 1016, PR 1019, PR 1023, PR 1027, PR 1028, PR 1031, PR 1033, PR 1034, PR 1035, PR 1036, PR 1039, PR 1041, PR 1042, PR 1044, PR 1045, PR 1046, PR 1047, PR 1048, PR 1049, PR 1051, PR 1052, PR 1053, PR 1054 e PR 1059.

Às 14:00 horas do mesmo dia 14 de julho a Comissão Julgadora se reuniu para dar andamento à fase 03 do julgamento, quando foram discutidos e revisados os critérios individuais e coletivos de seleção.

Encerrada esta fase, foi dada seqüência ao julgamento, em sua fase 04, que se iniciou às 16:00 horas, foi suspensa às 19:00 hora e retomada às 10:00 horas do dia 15 de julho, quarto dia de julgamento, se encerrando às 14:00 horas, com a seleção de 23 trabalhos, a saber:

PR 1001, PR 1002, PR 1004, PR 1005, PR 1006, PR 1010, PR 1012, PR 1016, PR 1028, PR 1031, PR 1033, PR 1034, PR 1035, PR 1036, PR 1039, PR 1041, PR 1042, PR 1045, PR 1046, PR 1048, PR 1051, PR 1052 e PR 1053.

No mesmo dia 15 de julho, entre as 15:30 e as 17:00 horas, a Comissão Julgadora realizou a fase 05 do julgamento, quando debateu os trabalhos até ali selecionados e reafirmou os critérios adotados, com a seleção de 18 trabalhos para a próxima fase de julgamento, que são os que seguem:

PR 1001, PR 1002, PR 1004, PR 1010, PR 1012, PR 1016, PR 1028, PR 1031, PR 1033, PR 1034, PR 1036, PR 1039, PR 1041, PR 1042, PR 1045, PR 1046, PR 1051 e PR 1052.

Na seqüência a Comissão Julgadora procedeu à fase 06 do julgamento, que se encerrou às 20:00 horas, quando foram destacados para possível premiação os trabalhos:

PR 1002, PR 1004, PR 1016, PR 1036, PR 1039, PR 1041, PR 1045, PR 1046, PR 1051 e PR 1052.

No dia 16 de julho, quinto dia de trabalhos, no período compreendido entre as 10:00 e as 14:00 horas a Comissão Julgadora se reuniu para dar andamento à fase 07 do julgamento, quando foram verificados e analisados os trabalhos selecionados na fase anterior.

Nesta ocasião foi solicitada a presença do Eng. Ricardo Barbara, membro da Comissão Organizadora do Concurso, para auxiliar a Comissão Julgadora e prestar esclarecimentos quanto a aspectos mercadológicos.

Na mesma data, a partir das 14:00 horas a Comissão Julgadora deu prosseguimento à fase 08 do julgamento, quando recuperou para discussão o trabalho PR 1033, e após debates intensos estabeleceu, por consenso, o que segue:

“A qualidade da quase totalidade dos 58 projetos examinados esteve certamente à altura da complexidade e importância do tema proposto. Foi notável o esforço, dedicação e profundidade demonstrada pelas equipes que se debruçaram sobre o problema, tentando responder ao desafio de criar um bairro novo inserido na realidade dinâmica da cidade de São Paulo.

A qualidade da maioria dos projetos apresentados resultou em um fértil e intenso debate entre os próprios membros do júri, os quais chegaram a veredicto unânime.

O resultado final indica os seguintes premiados:

1º lugar: projeto PR 1051

2º lugar: projeto PR 1052

3º lugar: projeto PR 1039

seguidos pelas seguintes menções: projetos  PR 1002, PR 1004,

PR 1016, PR 1033, PR 1036, PR 1041 e PR 1046 .

Quanto às menções, aponta-se:

No Projeto PR 1002 o belo eixo verde com canal e que termina em pequeno lago com atracadouro, ao lado do Tietê;

No Projeto PR 1004, a estruturação do bairro  segundo três eixos verdes oblíquos;

No Projeto PR 1016, a riqueza de soluções parciais e a originalidade da teia proposta;

No Projeto PR 1033, a implantação do bairro em torno de um grande parque central;

No Projeto PR 1036 a unidade dada pela via verde interna articulada à Av. Marques de S.Vicente e a penetração do lago adentrando a trama das quadras;

No Projeto PR 1041, a exploração do tecido residencial através de quadras de rica volumetria;

E no Projeto PR 1046, a solução compacta e vertical.

O Projeto PR 1039, classificado em terceiro lugar, apresenta uma organização de bairro a partir de eixos verdes ortogonais, com organização simples do espaço, boa escala dos espaços públicos, mantendo inalteradas as ocupações de lojas e clubes pré-existentes.

O Projeto PR 1052, classificado em segundo lugar, apresenta boa integração viária com o entorno, bom traçado viário dando unidade ao bairro, havendo indicações claras para a composição volumétrica das quadras.

Tem bom aproveitamento da área ao lado dos edifícios da Construtora Ricci com a colocação de uma estação aéreo-ferroviária.

O Projeto PR 1051, classificado em primeiro lugar responde à expectativa de um bairro diferençado, indicando uma forma de habitar em São Paulo diferente da atual tendência de condomínios em edifícios altos e isolados.

Possui bom conceito geral, enaltece a vida de bairro, controla a trama urbana com boa escala das ruas, calçadas, galerias, e áreas privativas. Propõe uma boa separação e seqüência de etapas, facilitando a sua implementação e a realização de parcerias público - privadas destinadas a acelerar a gradual implantação do novo bairro. Na primeira etapa indica-se adequadamente a construção, ao lado dos edifícios da Construtora Ricci, de hotel com espaços para convenções, ao qual conviria acoplar uma estação da CPTM, constituindo um módulo indutor adequado.

As quadras compostas por prédios contíguos de pavimento térreo mais seis pavimentos, permitem a participação de empreendedores e construtores de médio porte na construção do bairro.

O partido adotado aceita diversidade de escala e insere edifícios destinados a HIS ao lado dos demais prédios em lugar de segregá-las. Estabelece escala e volumes dos espaços privados a partir do desenho dos espaços públicos e promove ruas e esquinas animadas, dando condições para uma vida de bairro marcada pela mistura de usos e pessoas.

Algumas recomendações são alinhadas: conviria dar uma atenção menos marginal ao parque proposto, garantir a existência de marcos referenciais urbanos avaliando a conveniência de verticalizações pontuais, além de aprofundar as soluções hidráulicas. Será necessário proceder a uma negociação com os clubes a fim de adequá-los à trama urbana proposta da melhor forma possível.

Trata-se indubitavelmente de uma experiência urbanística digna de ser implantada.

O resultado do concurso, assim como o alto nível da participação nacional aponta para a importância desta forma de seleção para obras urbanísticas e arquitetônicas de relevada importância.”

Assim sendo, às 20:30 horas foi lavrada esta Ata, em duas vias de igual teor, que segue datada, assinada por mim, Arquiteto Coordenador e pelos membros da Comissão Julgadora.

São Paulo, 16 de julho de 2004.

Arq. Valter Caldana
Arq. Alberto Rubens Botti
Arq. Alfredo Máximo Garay
Arq. Jorge Wilheim
Arq. José Magalhães Júnior
Arq. Luiz Fernando de A. Freitas
Arq. Nádia Somekh
Arq. Paulo de Melo Zimbres

fonte
SEMPLA
São Paulo SP Brasil

comentários

jornal


© 2000–2017 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada