Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

resenhas online ISSN 2175-6694


sinopses

português
Ao contrário dos ideais da arquitetura modernista, que tinham o intuito que romper com os paradigmas clássicos propagados pelos feitos até o século 19, o artigo busca mostrar que ainda no século 20 há continuidade linear de paradigmas clássicos.

english
Contradicting the ideals of modernist architecture, whose intent was to break with the classical paradigms broadcast by the works done until 19th century, the article show that there is linear continuity inspired in classic paradigms still in 20th century

español
Al contrario de los ideales de la arquitectura moderna, que tenían la intención de romper con el paradigma clásico propagada hasta el siglo 19, el artículo busca demostrar que en el siglo 20 hay continuidad lineal de los paradigmas clásicos.

como citar

LIMA, Maíra de Luca e. Modernismo: novo clássico? Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 185.01, Vitruvius, maio 2017 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.185/6520>.


Publicado em 1984, por Peter Eisenman, arquiteto e teórico americano, o artigo “O fim do clássico: o fim do começo, o fim do fim” veio para defender a concepção de continuidade dos valores clássicos dentro da arquitetura do modernismo, que tinha intricado argumento de ruptura radical com os paradigmas da arquitetura classicista. Como principal argumento, o arquiteto defende que a arquitetura (incluindo a arquitetura moderna, que se auto ditava uma ruptura radical com os padrões vigentes) se preserva, desde o século 15 e independentemente da aparente sucessão de estilos, sob a influência de três “ficções”: a representação (materializa a ideia de significado), a razão (codifica a ideia de verdade) e a história (resgatar a ideia de eternidade a partir da ideia de mudança). Eisenman alega que a persistência dessas três categorias no tempo nos faz considerar todo esse período como uma continuidade do pensamento arquitetônico denominada o clássico.

Os princípios nascidos no período clássico a respeito de representação, razão e história não foram questionados pelo modernismo em momento algum. Desse modo, o embrião do pensamento classicista foi conservado. Não obstante, sem a quebra de paradigmas, a arquitetura carregou a importância de valores de intemporalidade, significado e verdade para a história. Apesar do clássico e do moderno apresentar diferenças estilísticas, carregam um sistema de relações semelhantes, havendo, ao longo de todos as fases, uma continuidade do pensamento arquitetônico.

A arquitetura moderna não possui a necessidade de representar outra arquitetura, pois quer representar a função (possui objetivos funcionais) e expressá-la. Isso pode ser facilmente notado na forma de representação de colunas: agora, como elemento de sustentação, vem para comutar as ordens clássicas. Contudo, quando busca uma origem como ponto de partida racional para conceber a forma e desemboca a ideia de “função de tipo”, o modernismo acaba por contradizer suas premissas e cair em causas divinas e naturais, assim como os ideais clássicos.

O racional tornou-se a base moral e estética da arquitetura moderna. Era a busca das origens partindo do racional para a concepção da forma. Persegue-se uma essência que se encontra deslocada de si, assim como ocorreu no Renascimento, na qual a busca das origens era em fontes naturais ou divinas. A razão tornou-se uma metáfora ou até mesmo uma questão religiosa, uma necessidade de fé, tanto é que a arquitetura nunca materializou a razão, em outras palavras, não há nenhuma imagem arquitetônica da razão.

Em contrapartida à persistência dos ideais clássicos, o movimento moderno surgiu para buscar se tornar uma nova verdade universal, único e um novo clássico. Contudo, o modernismo não levou em consideração a relação do local no qual a obra estaria inserida com o objeto da arquitetura moderna, assim como a independência cultural, economia e política locais.

No que diz respeito a preservação das características locais pelos modernistas, podermos citar o “regionalismo crítico”, que foi um termo usado, a princípio, por Alexander Tzonis e Liane Lefaivre para qualificar uma arquitetura que tenta se contrapor ao deslocamento e falta de significado na arquitetura moderna, usando forças contextuais para restituir-lhe um rumo de lugar e significado. O termo foi, então, apropriado por Kenneth Frampton, em seu artigo “Por um regionalismo crítico: seis pontos para uma arquitetura de resistência”, publicado no início da década de 1980.

Frampton divide seu artigo em seis pontos: 1. cultura e civilização; 2. ascensão e queda da vanguarda; 3. regionalismo crítico e cultura mundial; 4. resistência da forma do lugar; 5. cultura versus natureza; 6. visual versus tátil. Os tópicos tratados pelo autor visam a solidificação de uma posição de retaguarda, um raciocínio no qual o primeiro ponto seja o início do entendimento no conflito entre a civilização universal e a cultura local, onde o utilitarismo imposto pelo processo de produção, as abordagens tecnológicas cada vez mais presentes no mundo arquitetônico, as megalópoles e a ausência de sentido das fachadas de compensação ditariam a vitória em andamento da primeira, a civilização universal, sobre a segunda, a cultura local.

O regionalismo crítico se posiciona de modo diferente frente ao regionalismo puro e simples, o qual busca um alcance de correspondência um a um dos elementos da arquitetura vernácula, de um modo consciente, mas sem haver uma participação consciente do que é universal. Como exemplo da arquitetura do regionalismo crítico, podemos citar Alvar Aalto (1898-1976), arquiteto finlandês que explorava técnicas de construção tradicional finlandesa e as incorporava às suas obras pertencentes ao movimento moderno.

Uma outra vertente do regionalismo crítico, classificada por Tzonis e Lefaivre como regionalista simples, é aquela que pode ser vista de uma forma mais ampla, como uma manipulação consciente de elementos vernaculares locais, com técnicas de projeto modernas e na criação de espaços, volumes, elementos murais e estruturais que acordavam com as práticas internacionais do cenário atual da época. Contra princípios de universalidade e uniformidade que foram encarnadas no movimento modernista, o desenho do projeto foi pensado por seu contexto das redondezas, encontrando-se importante e receptivo às particularidades naturais e históricas de um lugar.

Pela observação dos aspectos analisados, nota-se que Eisenman inabilita o Zeitgeist como fonte do objeto arquitetônico pela inabilidade de determiná-lo de dentro do processo histórico no qual está inserido. O moderno não nota que sua produção fazia parte do mesmo bloco contínuo do clássico porque estava inserido no processo, sendo assim, inapto de conseguir o distanciamento necessário à análise. Tão fascinada pela busca em se tornar uma nova verdade universal, esquece de adotar a crítica, por suas qualidades progressivas universais, mas ao mesmo tempo deveria avaliar melhor sua inserção no contexto. Apropriando-se de argumentos fenomenológicos, deveria sugerir que a ênfase deveria estar na topografia, no clima, na luz, na forma tectônica e calcada em um estudo das tradições e história locais, em contraponto à cenografia e ao senso tátil no lugar do senso visual.

nota

NA – para essa resenha foram usados os seguintes textos da coletânea de Keith Nesbit: “O fim do clássico: o fim do começo, o fim do fim”, de Peter Eisenman (p. 232-252); “Perspectivas para um regionalismo crítico (1983), de Kenneth Frampton (p. 503-519); “Por que regionalismo crítico hoje?”, de Alexander Tzonis e Liane Lefaivre (p. 520-532).

sobre a autora

Maíra de Luca e Lima é graduanda em arquitetura e urbanismo na Unimep.

comentários

resenha do livro

Uma nova agenda para a arquitetura

Uma nova agenda para a arquitetura

Antologia teórica (1965-1995)

Kate Nesbitt (Org.)

2006

185.01 livro
sinopses
como citar

idiomas

original: português

compartilhe

185

185.02 livro

A reunião da feiúra

Agrippino Grieco vê a arquitetura carioca de 1930

José Roberto Fernandes Castilho

185.03 livro

Los Angeles

A metrópole radical de Reyner Banham

Regina Meyer

185.04 exposição

What happens When

Obras de Glen Lasio

Giovanni Pirelli

185.05 livro

O jogo, o caleidoscópio, a montagem

Sobre Corpocidade, Paola Berenstein Jacques e Companhia

Maria Angélica da Silva

185.06 livro

Arquitetura: sobre profissionais, regulamentação e ensino

Paulo Ormindo de Azevedo

jornal


© 2000–2017 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada