Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Com 26 episódios, de 26 minutos cada, o programa fala sobre espaços públicos cujo uso e ocupação foram alterados pelo próprio público, muitas vezes de forma até antagônica à pretendida pelo projeto original.

O Mercado de BH, conhecido por muitos como “a praia dos mineiros”, surgiu da necessidade de centralizar o abastecimento alimentar dos 47 mil habitantes da Belo Horizonte de 1929. Foi privatizado e, com o passar do tempo, se tornou atração turística da capital mineira. Entretanto, até hoje é um tradicional ponto comercial de produtos alimentícios, artesanato, ervas e até animais vivos.

Segundo a tese do cientista social José Eduardo da Costa, o Mercado de Belo Horizonte promove a convivência entre pessoas de diferentes segmentos sociais que, ali, costumam interagir, ao contrário do que ocorre em outros locais de grande concentração popular. Para ele, isso ocorre porque o mercado “mantém a vigilância discreta, associada ao consumo não compulsório”.

Ao contrário dos mercados de outras capitais brasileiras, o Mercado Central de BH manteve suas funções originais mesmo com a concorrência dos supermercados e dos shopping centers. Entre os entrevistados do programa estão o arquiteto Gustavo Penna, o compositor Fernando Brant e também comerciantes locais.

Com exibição aos sábados, a série também terá episódios sobre os Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro (14/11), a cidade de Itá, em Santa Catarina (21/11) e o Largo da Batata, em São Paulo (28/11), dentre outros.

“São todos espaços urbanos ‘apropriados’ pela população. A série mostra que é possível encontrar maneiras de reocupar, recriar e reconstruir a convivência, chave da vida urbana”, conta Paulo Markun. “A proposta é colocar em discussão a relevância da arquitetura como debate público e como peça importante do mosaico social. Assim, um elemento que torna um edifício singular também pode ser uma marca das muitas explicações daquela sociedade”, complementa.

Roizenblit explica o foco dos novos episódios. “Procuramos olhar o que estava acontecendo nas ruas, que têm uma dinâmica e uma vida próprias. Conversamos com as pessoas, que sugeriam lugares. A praia de Belo Horizonte foi uma sugestão de uma menina que entrevistamos no Rio de Janeiro. E eu nem sabia que existia” conta.

Mercado Central de BH

Mercado Central de BH

Mercado Central de BH

Mercado Central de BH

Mercado Central de Belo Horizonte é tema do programa de TV Arquiteturas

source
Atelier de Imagem e Comunicação
São Paulo, SP

share


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided