Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas aprovou moção de apoio às ocupações das escolas públicas e universidades contra as medidas do governo federal para limitar os investimentos públicos e alterar a estrutura curricular do ensino médio.

A MP 746/2016 da reforma do ensino médio prevê a retirada de matérias do currículo como sociologia, filosofia, artes e educação física. “A proposta é elitista, excludente e alienante, não levando em consideração que grande parte dos estudantes não possui meios e condições de acessar informação fora do ambiente escolar.”, argumenta o documento, aprovado por unanimidade em plenária e assinado pelo presidente da FNA, Jeferson Salazar.

O grupo de arquitetos também aprovou moção de repúdio à atuação do ministro da secretaria de governo Geddel Vieira Lima que teria articulado a liberação de empreendimento imobiliário em área de preservação urbanística, paisagística e histórica, construção que já havia sido vetada pelo Iphan Nacional. A publicação de um parecer do Iphan nacional contrário ao parecer anterior da superintendência do Iphan na Bahia corrobora a posição técnica já emitida por estudos técnicos do Instituto dos Arquitetos do Brasil - departamento Bahia IAB-BA, que ingressou com uma ação civil pública contra a edificação do empreendimento La Vue. “A FNA se une a outras entidades que reúnem profissionais arquitetos e urbanistas e vem a público manifestar repúdio pelos métodos e atuação do ministro da Secretaria de Governo, que atingem o patrimônio público, utilizando-se do cargo público para defender seus negócios privados”.

Conselho das Cidades – Durante a plenária, os delegados do Ensa ainda decidiram que a FNA deve avaliar junto ao segmento dos trabalhadores e aliados no Conselho das Cidades se essas representações terão condições de cumprir o propósito de manutenção, consolidação e avanço das políticas públicas urbanas ou se servirão apenas para legitimar o desmontes dessas políticas pelo governo golpista. A proposta aprovada em plenária não descarta a possibilidade de a FNA sair do Conselho das Cidades, em conjunto com outras representações, ou isoladamente. O assunto poderá voltar a ser debatido entre os sindicatos da FNA para uma tomada de decisão, caso não seja possível uma articulação mais ampla.

Moções em apoio a ocupações e contra interferência no Iphan

source
Assessoria de Imprensa - FNA
Porto Alegre, RS

share


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided