Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

news

Entre os tecnologias destacadas estão captação de energia solar e a utilização de água da Baía de Guanabara no sistema de refrigeração.

O museu tem, entre seus diferenciais, a tecnologia empregada na captação da energia solar e o uso das águas geladas do fundo da Baía de Guanabara no sistema de ar condicionado. O evento de premiação foi realizado no dia 16 de março em Cannes, na França. Com 11 categorias, o prêmio internacional MIPIM Awards 2017 selecionou projetos de 22 países, foram quatro finalistas por categoria. O Museu do Amanhã concorreu com a sede da Siemens, em Munique; o edifício residencial 119 Ebury Street, em Londres; e a fábrica da Värtan Bioenergy, em Estocolmo.

Em 2016, as diretrizes sustentáveis do Museu do Amanhã também foram reconhecidas com o selo Ouro da certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design ou Liderança em Energia e Projeto Ambiental, em português),. Foi o primeiro museu do país a obter este reconhecimento no segundo mais alto nível de classificação. “Em um museu onde se busca entender as possibilidades de futuro, a questão ambiental torna-se protagonista”, afirma Rosana Correa, diretora da Casa do Futuro, que acompanha o desenvolvimento do projeto desde 2010.

O museu é preparado para ser totalmente monitorado e automatizado por meio do seu sistema de medições e automação; conta com sistema de painéis fotovoltaicos que se movimentam de acordo com a posição do sol, para maximizar a geração energética e o sombreamento da cobertura; apresenta sistema de troca de calor com as águas da Baía de Guanabara, recurso, que traz economia de milhares de litros de água por dia. O resultado das ações é uma edificação que economiza até 50% de energia se comparado a construções convencionais.

Sobre a destinação de resíduos, foi feito o reaproveitamento de sobras das estacas das fundações para a construção dos barracões, ação que poupou toneladas de aço. Além disso, durante as obras, quase 90% dos resíduos foram encaminhados para reciclagem.

A metodologia integrada no desenvolvimento dos projetos resultou em ganhos com eficiência e desempenho nas questões ambientais, que fazem parte da missão e do DNA do museu. “A premiação do museu é um ganho para o mercado da construção civil brasileira. Começa a cair o mito de que a sustentabilidade é apenas ambiental e não tem viabilidade técnica ou econômica. Trabalhamos desempenho, segurança, custos, retorno de investimento, ganhos de cronograma, ganhos na operação, entre outros”, ressalta Rosana.

A construção do Museu está incluída no conjunto de obras da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro realizadas pelo Consórcio Porto Novo, através da maior Parceria Público-Privada (PPP) do país.  O Museu do Amanhã é uma iniciativa da Prefeitura do Rio, concebido e realizado em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo, tendo o Banco Santander como Patrocinador Master e a Shell como mantenedora. Conta ainda com a Engie, IBM e IRB Brasil Resseguros como Patrocinadores, o Grupo Globo como parceiro estratégico e o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Ambiente, e do Governo Federal, por intermédio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura. A instituição faz parte da rede de museus da Secretaria Municipal de Cultura. O Instituto de Desenvolvimento de Gestão (IDG) é responsável pela gestão do Museu.

Sobre a certificação LEED

É crescente o interesse por sistemas e soluções sustentáveis no campo da construção civil e o GBC Brasil tem incentivado essa prática no país.  No Brasil, a certificação é representada pelo Green Building Council Brasil (GBC Brasil).  Sua aplicação pode ser feira em oito diferentes tipologias: novas construções e grandes reformas, áreas comuns e envoltórias, interiores comerciais, escolas, hospitais e setor de saúde, varejo, edifícios existentes – operação e manutenção, casas, desenvolvimento de bairro.

Todas as tipologias possuem pré-requisitos (práticas obrigatórias) e créditos, recomendações que quando atendidas garantem pontos a edificação. Os parâmetros avaliados são: uso racional da água; eficiência energética; redução, reutilização e reciclagem de materiais e recursos; qualidade dos ambientes internos da edificação; espaço sustentável; inovação e tecnologia e atendimento a necessidades regionais. O nível da certificação é definido, conforme a quantidade de pontos adquiridos nesses quesitos, podendo variar de 40 pontos a 110 pontos. Os níveis são:

- Selo LEED, conferido a empreendimentos que tiveram mais de 40 pontos

- Selo LEED Silver, para edificações com mais de 50 pontos

- Selo LEED Gold, para empreendimentos com pontuação superior a 60

- Selo LEED Platinum, para edificações que conquistaram mais de 80 pontos

Segundo Felipe Faria, diretor executivo do Green Building Council Brasil e presidente do Comitê dos GBCs das Américas pelo World Green Building Council, os benefícios da certificação LEED, em seus diversos níveis, se refletem no campo ambiental, social e econômico. “Do ponto de vista ambiental, obras certificadas garantem a extração racional de recursos naturais, redução do consumo de água e energia, mitigação dos efeitos das mudanças climáticas e de outros impactos ambientais, etc; já os ganhos sociais são percebidos na questão da segurança e na priorização da saúde dos ocupantes, melhora no desempenho do aprendizado de alunos em escolas, no aumento do senso de comunidade, na capacitação profissional, aumento da conscientização, entre outros; e, finalmente, do ponto de vista econômico, nota-se a diminuição dos custos operacionais, dos riscos regulatórios, além da valorização do imóvel para revenda ou arrendamento, entre outros”, completa o executivo.

Sobre o GBC Brasil

O Green Building Council é uma organização sem fins lucrativos, presente em 160 diferentes países, com a missão de transformar a indústria da construção civil e a cultura da sociedade em direção à sustentabilidade. O GBC Brasil atua para desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças de mercado para conduzir a adoção de práticas de green building em um processo integrado de concepção, implantação, construção e operação de edificações e espaços construídos, contribuindo para garantir o equilíbrio entre desenvolvimento econômico, impactos socioambientais e uso de recursos naturais, visando a melhoria da qualidade de vida e bem-estar da atual e das futuras gerações. Suas atividades são focadas em capacitação profissional, disseminação de informações, relações governamentais e promoção das certificações LEED e Referencial GBC Brasil Casa.

Sobre o Greenbuilding Brasil Conferência Internacional e Expo

Promovida pelo GBC Brasil, a Greenbuilding Brasil Conferência Internacional & Expo é considerada o mais importante evento do setor de construção sustentável da América Latina. Seu objetivo é fornecer conteúdos relevantes sobre o assunto para o mercado através de três iniciativas: Exposição, Conferência e Visitas Técnicas. Destinado a arquitetos e engenheiros, associações e instituições socioambientais, construtores e contratantes, designers, entidades governamentais, incorporadores e instituições financeiras, o evento chega a sua oitava edição no país em 2017 e será realizado nos dias 8, 9 e 10 de agosto, no SP Expo Exhibition & Convention Center, em São Paulo.

Museu do Amanhã é reconhecido com o prêmio MIPIM como construção verde mais inovadora do mundo

source
M.Free Comunicação
São Paulo, SP

share


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided