Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

newspaper

eventos

Reunindo convidados de vários paises da América Latina, o laboratório de arquitetura experimental e práticas do território ocorre virtualmente

Inscrições para participantes: até 01/08

Datas do laboratório: de 16/09 a 09/10

Estão abertas as inscrições para a 2ª edição de Comuns, um laboratório virtual de arquitetura experimental e práticas do território que tem como objetivo estimular a troca de experiências e reflexões em torno das tecnologias sociais, ecológicas e culturais de transformação dos territórios latino americanos.

Com o propósito de fortalecer uma rede latino-americana de saberes alternativos nos campos da arquitetura, da cultura, do desenvolvimento sustentável e da defesa do território, o laboratório irá se orientar pelo tema geral Espaço em transe / reinvenção do habitar e a cada semana uma temática será investigada, com convidadas que apresentam suas trajetórias e os processos que envolvem a sua atuação nos territórios e com a realização de grupos de discussão e elaboração das reflexões surgidas.

Com curadoria de Marcella Arruda (BR), Marina Frúgoli (BR) e Paula Monroy (EC-CH), realizado em parceria com o centro cultural Marieta (SP-BR), o evento acontecerá entre os dias 16.09 e 09.10 de 2021, duas vezes por semana.

SOBRE O COMUNS

Após a experiência formidável de 2020, estão abertas as inscrições para a 2ª edição de Comuns, laboratório virtual de arquitetura experimental e práticas do território, que tem como objetivo estimular a troca de experiências e reflexões em torno das tecnologias sociais, ecológicas e culturais de transformação dos territórios latino americanos.

Comuns reconhece a importância do trabalho desenvolvido por agentes, coletivos e escritórios latino-americanos engajados em práticas arquitetônicas não convencionais, assim como o de artistas, ativistas, movimentos sociais e outras iniciativas autônomas ligadas à luta pelo território.

Essas propostas seguem lógicas que promovem o trabalho coletivo e experimental, ancoradas nos valores da colaboração, da de(s)colonização de discursos e práticas e do cuidado pelo bem comum.

Com curadoria de Marcella Arruda (BR), Marina Frúgoli (BR) e Paula Monroy (EC-CH), realizado em parceria com o centro cultural Marieta (SP-BR), o evento acontecerá entre os dias 16.09 e 09.10 de 2021, duas vezes por semana.

Com o propósito de fortalecer uma rede latino-americana de saberes alternativos nos campos da arquitetura, da cultura, do desenvolvimento sustentável e da defesa do território, o laboratório irá se orientar pelo tema geral Espaço em transe / Reinvenção do habitar.

Junto ao cenário de catástrofes que atravessamos como sociedade, nos deparamos com a urgência de redesenhar aquilo que entendemos por cidade, em tempos que nos mostram as dificuldades de se reconstruir uma esfera comum, pública, com a participação de indivíduos e agentes privados. Diante disso, quais são as novas pontes que precisamos erguer para habitarmos territórios mais inclusivos e democráticos?

EIXOS TEMÁTICOS

Para isso, ao longo das quatro semanas do laboratório, serão investigados os seguintes eixos temáticos, escolhidos pela curadoria:

1. Insurgências / micropolítica no espaço

A vivência urbana crítica pode se manifestar por meio de diversas expressões espaciais, atravessadas por experiências artístico-culturais, muitas vezes encontrando resistência e hostilidade pelas autoridades instituídas. Quais podem ser as estratégias no espaço público para quem quer atuar em favor da justiça e em defesa dos direitos, articulando ações positivas de transformação permanente?

2. Arquitetura situada / dispositivos

A articulação do trabalho coletivo, colaborativo e experimental para a criação de espaços pode reestruturar dinâmicas sociais. Como materializar através da arquitetura a conscientização para o enfrentamento das desigualdades e limites do possível?

3. Cuidado / envolvimento

Através de geopoéticas e geocoreografias, pessoas, frequentemente mulheres, colaboram para manter vivas culturas e ecossistemas diversos. Como trabalhar o território, encarando de frente o passado e caminhando delicadamente no futuro que se faz presente?

O laboratório é uma oportunidade para participar de uma comunidade estimulante de aprendizagem de processos e práticas espaciais, a partir de uma perspectiva crítica latino-americana, buscando valorizar as pluralidades e especificidades das diversas culturas que compõem o nosso continente.

Todos os encontros serão falados em Portuñol.

PARTICIPAÇÕES CONFIRMADAS

Espaço em transe / reinvenção do habitar

ALTeHa (Argentina)

La Asociación Latinoamericana de Teoría del Habitar (ALTeHa) indaga la temática del habitar sabiendo que ella involucra y requiere de muy diversos campos interdisciplinarios, abarcando no sólo aspectos materiales y tangibles, sino también la incidencia de los modos de habitar en la preservación de nuestras raíces culturales y en la construcción de un mundo simbólico que funcione como matriz de identidad y promotor de un Proyecto de liberación social y personal. [www.alteha.faud.unsj.edu.ar]

Linda Schilling (Chile)

Linda Schilling es arquitecta y diseñadora urbana. Ha sido investigadora asociada en el Center for Resilient Cities and Landscapes de la Universidad de Columbia. Recientemente ha expuesto su obra en la 5ª Bienal de Diseño de Estambul. Ganadora del premio GSAPP Incubator 2020 con la propuesta Extractopia, inició AHORA junto a Claudio Astudillo Barra para trabajar con el nuevo paisaje modelado por las economías de extracción. Actualmente se desempeña como docente de taller en UNAB y como académica en UDLA, Chile. [www.lindaschillingcuellar.com]

Nicolas Del Valle (Chile)

Coordenador Associado do Programa da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura Unesco. Doutor em Filosofia, Mestre em Pensamento Contemporâneo, Bacharel em Ciência Política. Professor Associado da Faculdade de Letras da Universidade de Santiago do Chile. Diretor da Pléyade, uma revista de Humanidades e Ciências Sociais do Instituto Internacional de Filosofia e Estudos Sociais IIPSS. Fui Pesquisador Convidado do Ibero-Amerikanisches Institut do Stiftung Preußischer Kulturbesitz (Alemanha); Professor visitante na University of New South Wales (Austrália); Professor Convidado do Center for Arts Research (Argentina); e Pesquisador Visitante na Freie Universität Berlin (Alemanha). [https://nicodelvalle.com/]

Insurgências / micropolítica no espaço

Aparelhamento (Brasil)

O Aparelhamento surgiu em 2016, como uma rede de artistas, ativistas, em reação ao processo de golpe parlamentar que impactou e ainda impacta o Brasil hoje. O grupo organizou uma exposição na sede da Funarte em São Paulo com mais de 200 artistas, arrecadando recursos para ações coletivas espalhadas pelo Brasil. Uma das premissas básicas de adesão ao grupo vinha do reconhecimento de que o processo pelo qual Michel Temer assumiu a presidência se configurou de fato como um golpe. Seus integrantes geralmente se manifestam em uma voz coletiva, como um todo, sem identificar especificamente um ou outro membro. [@aparelhamento]

Delight Lab (Chile)

Delight Lab es un estudio de diseño audiovisual y experimentación en torno al video, la luz y el espacio. Establecidos desde el 2009, abarcan una diversidad de proyectos tales como: proyecciones de videomapping a gran escala sobre la arquitectura, instalaciones audiovisuales en museos, diseño escenográfico audiovisual para escénicas, contenido audiovisual para eventos comerciales, y visuales audioreactivas para espectáculos en vivo entre otras cosas. [https://delightlab.com/]

Julia de Almeida (Brasil)

Mestranda em criminologia na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (FDUSP). Advogada e bacharel também pela USP com período de intercâmbio na Université Paris 1 – Panthéon-Sorbonne. Tem experiência na área de Direito Penal, Criminologia Cultural, Direito à Cidade e Administração Pública. Pesquisadora em São Paulo, SP, nas áreas de criminologia, urbanismo e cultura popular. Associada ao Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (IBCCRIM), à Latin American Studies Association (LASA), à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/SP) e ao International Research Group on Law and Urban Space (IRGLUS). Também integra as redes internacionais de pesquisa da University of Pittsburgh (The Center for Latin American Studies – CLAS, Estados Unidos). É Coordenadora Nacional da Rede Brasileira de Saberes Descoloniais. Formou o NEF USP – Núcleo de Expressão Feminina. É Coordenadora do Núcleo Direito, Cidade e Cultura (NDCCult – FDUSP). É Coordenadora do Laboratório de Direito Urbanístico (FDUSP).

Arquitetura situada / dispositivos

Semillas (Peru)

Semillas para el desarrollo Sostenible (Semillas) es una asociación sin fines de lucro que desarrolla proyectos en contextos emergentes en las áreas rurales de la Amazonia Peruana y en los asentamientos humanos en Lima. Se especializa en proyectos de investigación, talleres participativos, proyectos de arquitectura dentro de un marco de desarrollo integral. Sus proyectos han sido reconocidos a nivel internacional en la final de Ar-Emerging por Architectural Review 2021, Bienal de Quito; Bienal Ibero Americana de Arquitectura y Urbanismo, Bienal de Arquitectura Latino americana, Bienal de Venecia, Ganador del premio mundial ASF AWARD 2019 en Tailandia, premio mundial de arquitectura sustentable en el 2018, en Paris, por la CITÉ DE L’ARCHITETURE & DU PATRIMOINE, patrocinado por la UNESCO y Semillas es Miembro de honor en el Curry Stone Design Prize’s Social Design Circle desde el 2017. [www.semillasperu.com]

Atarraya (Ecuador)

Atarraya es un taller de arquitectura fundado por Lorena Burbano y Sebastián Oviedo en 2016 en Quito, Ecuador. Su trabajo se centra en el acompañamiento y apoyo de procesos comunitarios y organizativos de acción en el hábitat. Su colaboración con comunidades y academia ha sido reconocida con varios premios internacionales y mostrado en exhibiciones de diferentes países. Han sido profesores invitadxs en programas de plani?cación, acción y diseño urbano post-desastre con distintas universidades internacionales. Desde 2018 hasta 2020 co-dirigieron el taller 1:1 en la Universidad de Ciencias Aplicadas de Múnich, Alemania. [www.atarrayataller.com]

Cooperación Comunitaria (Mexico)

Cooperación Comunitaria A.C. es una asociación civil sin fines de lucro que trabaja desde el 2010 con un grupo interdisciplinario para mejorar la habitabilidad y disminuir la vulnerabilidad de las comunidades rurales marginadas en México, con un modelo integral y sistémico en los aspectos constructivo, sociocultural, productivo y territorial–ambiental, a través del rescate de conocimientos tradicionales para fortalecer la autogestión de las poblaciones. A través de procesos formativos-participativos con las comunidades originarias, en producción y gestión social del hábitat se fortalece la relación del habitante con su territorio, el aprovechamiento sustentable de los bienes comunes, apoyando los conocimientos tradicionales de las comunidades e impulsando su transferencia intergeneracional, y el rescate de las maneras tradicionales de organizarse, autoconstruir los espacios habitacionales para fortalecer su autogestión. [www.cooperacióncomunitaria.org]

Cuidado / envolvimento

Macarena Gomez-Barris (Chile)

Macarena Gómez-Barris é escritora e autora. Professora universitária e Presidenta dos Estudos Culturais e Ciências Sociais na Pratt Institute no Brooklyn, Nova Iorque. Macarena é Diretora Fundadora do Global South Center (GSC), um centro de pesquisa que trabalha na intersecção entre ecologias sociais, arte / políticas e metodologias decoloniais. Seu foco instrucional é em Estudos Latinxs e América Latina, memória e a vida pós violência, teoria decolonial, a arte do protesto social e epistemes queer femme. [www.macarenagomezbarris.com/]

Jera Guarani (Brasil)

Pedagoga pela Universidade de São Paulo (USP), Jerá foi professora e diretora da Escola Estadual Indígena Gwyra Pepó. É agricultora e liderança Guarani Mbya da Terra Indígena Tenondé Porã, no extremo sul de São Paulo, onde também realiza projetos culturais e documentários.

Karina Aguilera Skvirsky (Equador)

Karina Aguilera Skvirsky é uma artista multidisciplinar cuja prática começou com a fotografia e se expandiu para vídeo e performance. Em 2019, ela recebeu uma bolsa da Creative Capital para produzir How to build a wall and other ruins, um projeto que inclui uma série de fotografias escultóricas, uma instalação de vídeo multicanal e performances ao vivo. Ela exibiu o projeto em exposições individuais no Museu Amparo em Puebla, México e Ponce + Robles Gallery em Madri, Espanha. Outras exposições internacionais importantes incluem sua participação em Impermanence, a XIII Cuenca Biennial (Equador) curada por Dan Cameron em 2016 e Há sempre um copo de mar para um homem navegar, a 29a Bienal de São Paulo no Brasil (2010). Skvirsky recebeu diversos prêmios por seus trabalhos, com circulação nacional e internacional em exposições individuais e coletivas e participou de diversas residências artísticas em Nova Iorque, Estados Unidos. [www.karinaskvirsky.com/]

ESTRUTURA DO LABORATÓRIO

Estruturado de maneira horizontal e construído em torno do diálogo, o laboratório acontece para um grupo de até 110 participantes da América Latina, pela plataforma online Zoom, em “portuñol”.

O evento acontecerá entre 16 de setembro e 09 de outubro de 2021 duas vezes por semana, em encontros virtuais cada um de 2h30, às quintas-feiras, das 18h30 às 21h (GMT-3, horário de Brasília)

Conversatórios: diálogos temáticos entre três coletivos/projetos latino-americanos, convidados para apresentar suas trajetórias e os processos que envolvem a sua atuação nos territórios, delineando métodos, estratégias e inquietações para possíveis caminhos futuros.

às sextas, das 15h às 17h30 (GMT-3, horário de Brasília)

OU*

aos sábados, das 11h às 13h30 (GMT-3, horário de Brasília)

Grupos: momentos de encontro em grupos pequenos de, no máximo, 22 pessoas, para discutir, problematizar e refletir sobre o tema apresentado no dia anterior, trocando, de forma horizontal, referências e experiências que podem vir a ser ferramentas para uma atuação mais integrada ao território.

Cada grupo será coordenado por uma das três curadoras, com a assistência de uma moderadora.

(*) serão organizados 3 grupos às sextas e 2 aos sábados. No formulário de inscrição é possível selecionar seu horário de preferência. Cada integrante poderá participar de 1 grupo.

PARA QUEM É O LABORATÓRIO

Comuns é um projeto criado por arquitetas, para pessoas atuantes e em formação nas áreas de arquitetura e urbanismo, mas que se abre para a interdisciplina, pensando em práticas espaciais experimentais e territoriais. Assim, a participação é também aberta para pessoas das mais diferentes áreas como pedagogia, comunicação, antropologia, sociologia, artistas, pesquisadores, educadores não formais e populares, lideranças comunitárias e todas as pessoas interessadas em refletir e compartilhar acerca das tecnologias sociais, ecológicas, culturais e políticas de transformação dos territórios latino americanos.

SOBRE A INSCRIÇÃO DE COLETIVOS

Temos um número limitado de vagas, pois na busca que haja espaço de fato para o diálogo, cada grupo não ultrapassa 22 participantes e, para tanto, realizaremos um processo seletivo. Caso todos os membros do seu coletivo queiram participar integralmente do laboratório, sugerimos que façam uma inscrição por membro. Caso prefiram fazer apenas uma inscrição pelo coletivo todo, apenas uma pessoa poderá participar. E, claro, todas e todos serão bem vindos no dia de fechamento, da celebração.

COMO PARTICIPAR

É possível participar de duas maneiras diferentes: como Integrante ou como Ouvinte.

1) Integrante: laboratório completo: conversatórios + grupo (carga horária: 20 horas)

As pessoas interessadas em participar da experiência completa de troca e formação de rede do Laboratório deverão enviar suas candidaturas através do formulário de inscrição, até o final do dia 01 de agosto de 2021.

As candidaturas serão avaliadas por uma comissão de seleção que irá analisar as inscrições e deliberar sobre as pessoas selecionadas até 22 de agosto de 2021. Os critérios de seleção serão a diversidade e experiência da candidata e sua motivação em participar.

O resultado do processo de seleção, com os nomes das pessoas escolhidas para integrar o grupo e a lista de espera, será divulgado online no site do projeto e nas redes sociais no dia 24 de agosto de 2021.

O processo seletivo é inteiramente gratuito.

O link para pagamento da contribuição será encaminhado apenas para as pessoas selecionadas, para finalizar a inscrição.

Reservamos 10% das vagas para bolsas integrais, para quem não puder pagar. (mais informações abaixo)

Ao fim do laboratório será concedido um certificado de participação assinado pela organização do projeto, com detalhamento de carga horária e participantes.

2) Ouvinte: apenas conversatório (carga horária: 10 horas)

Para poder assistir virtualmente, em página fechada na internet, aos Conversatórios temáticos, basta reservar sua vaga preenchendo o formulário de cadastro, sem precisar passar por processo seletivo.

Optando por esse tipo de participação, será possível acompanhar o debate e as palestras e ter acesso aos materiais complementares das palestrantes, porém sem direito a participar nos grupos fechados.

Também para os Ouvintes será emitido um certificado de participação, com descrição de carga horária e detalhamento das pessoas palestrantes, assinado pela organização do projeto.

CONTRIBUIÇÕES E BOLSAS

Valores em reais brasileiros:

Integrante*: R$ 450,00 Ideal / R$ 320,00 Reduzida

Ouvinte: R$ 300,00 Ideal / R$ 190,00 Reduzida

(*) o processo seletivo para “integrantes” é completamente gratuito. Só será exigido o pagamento após a aprovação da candidatura.

O Comuns é um projeto realizado inteiramente de maneira auto-organizada, com recursos próprios e em colaboração.

As receitas recolhidas com as inscrições cobrem os custos de manutenção das ferramentas digitais, o trabalho da equipe de produção e curadoria, a participação de júri e convidades e contribui para o fortalecimento do projeto Comuns e do centro cultural Marieta.

Acreditamos que a valorização da vida cultural da sociedade seja de responsabilidade de todas as pessoas, cada uma contribuindo segundo as suas possibilidades.

A contribuição ideal corresponde ao valor cheio que consideramos adequado para participar.

O valor reduzido é reservado para estudantes, professores da rede pública, e todas aquelas pessoas que querem contribuir para a realização dos encontros, mas não podem pagar o valor inteiro.

Reservamos pelo menos 10% das vagas do laboratório para bolsistas, seja na modalidade “integrante”, seja na “ouvinte”. Na escolha das candidaturas, daremos prioridade para pessoas negras; indígenas; LGBTQIA+; periféricas; em situação de vulnerabilidade social. No formulário de inscrição, temos uma seção reservada para quem quiser pleitear uma bolsa.

LINKS PARA INSCRIÇÕES

Para participar como Integrante ou como Ouvinte, faça seu cadastro no formulário neste link e indique qual a sua modalidade de escolha.

SOBRE A COMISSÃO DE SELEÇÃO

ALTeHA (Argentina)

A Asociación Latinoamericana de Teoría del Habitar (ALTeHa) pesquisa sobre o tema do habitar, entendendo que ele envolve e requer uma diversidade de campos interdisciplinares, abarcando não apenas aspetos materiais e tangíveis, mas também a incidência dos modos de habitar na preservação das nossas raízes culturais e na construção de um mundo simbólico que funcione como matriz de identidade e promova um Projeto de liberação social e individual.

Aparelhamento (Brasil)

Aparelhamento é uma rede de artistas e ativistas que surgiu em 2016, em reação ao golpe parlamentar que impactou e ainda impacta o Brasil hoje. As urgências que caracterizam a derrocada recente da democracia no País e o recuo das conquistas sociais e culturais em seu conjunto, são fatores de agregação do grupo em propostas de continuidade de ações, presentes e futuras.

Linda Schilling (Chile)

Linda Schilling Cuellar (BArch UTFSM 11`, MSAUD GSAPP 18`) é arquiteta e designer urbana. Foi pesquisadora associada no Center for Resilient Cities and Landscapes da Universidade de Columbia. Recentemente expôs a sua obra na 5ª Bienal de Design de Istambul. Ganhou o prémio GSAPP Incubator 2020 com a proposta Extractopia. Estabeleceu a AHORA com o Claudio Astudillo Barra, um escritório para trabalhar com a nova paisagem modelada pelas economias de extração. Atualmente é professora de ateliê na UNAB e acadêmica na UDLA, Chile.

HISTÓRICO

A 1ª edição de Comuns ocorreu em 2020 e contou com a participação de 12 coletivos de arquitetura e mais de 60 participantes de seis países da América Latina. As temáticas investigadas nos encontros foram materiais e técnicas, poéticas, participação e estratégias.

Lista completa de coletivos convidados em 2020:

1) comissão de seleção: Vitruvius(Brasil), A Casa de Jajja (Brasil), Coletivo PermaSampa (Brasil)

2) materiais e técnicas: com Al Borde (Equador), a77 (Argentina) e Mouraria 53 (Brasil)

3) poéticas: com Arrabal (México), Micrópolis (Brasil) e Goma Oficina (Brasil)

4) participação: com Terceira Margem (Brasil), Ruta4 (Colombia) e Eleazar Cuadros (Peru)

5) estratégias: com Arquitectura Expandida (Colombia), Comunal (México) e SePlan Conde (Brasil)

www.comuns.net.br

SOBRE AS CURADORAS

Marcella Arruda

Marcella Arruda é artista transdisciplinar de São Paulo, arquiteta e urbanista pela Escola da Cidade (2017), tem diploma em Interactive Media Design na The Royal Academy of Arts de Den Haag (NL). Através de instalações, intervenções arquitetônicas, performances e programas pedagógicos, Marcella explora as relações entre corpo e territorio por meio de construções simbolicas como materia de pertencimento e agenciamento. Trabalha na intersecção de arte, arquitetura, ecologia, politica e educação para abrir possibilidades de outros modos de habitar. Marcella participou de distintos movimentos de ocupação do espaço público, como MUDA_coletivo e Escola Sem Muros. É diretora de projetos do Instituto A Cidade Precisa de Você.

Marina Frúgoli

Marina Frúgoli é paulistana e curadora formada em arquitetura e urbanismo pela FAU USP, com formação complementar em paisagismo pela Amsterdam Academy of Architecture. Desde 2018 é curadora da Coleção BEI de bancos indígenas e assistente de coordenação de projetos do Intermuseus. Em 2019, realizou a exposição “desvios (in)contidos”, selecionada no II Edital OMA de Curadoria. Como assistente de curadoria, atuou no Instituto Moreira Salles nas exposições “São Paulo, três ensaios visuais” (2017) e “Conflitos: fotografia e violência política no Brasil 1989-1964” (2017), e no no Itaú Cultural com a “Ocupação Paulo Mendes da Rocha” (2018) e a exposição “Geraldo de Barros”, prevista para 2021.

Paula Monroy

Pesquisadora chileno-equatoriana radicada em São Paulo desde 2015. Arquiteta pela Universidad Mayor (Chile, 2013), Mestre em Projeto, Espaço e Cultura pela FAU USP (Brasil, 2021) e possui estudos de especialização em Arte, Crítica e Curadoria pela PUC-SP (Brasil, 2017). Atua na intersecção entre arte, política e fenômenos urbanos mediante projetos que atravessam o campo da arquitetura, a representação e a educação. Dentre estes, destacam o programa Yap_Constructo em associação com o MoMA (Santiago, 2013-2014), a XIX Bienal de Arquitectura y Urbanismo de Chile (Valparaíso, 2015), a II Bienal de Artes da Ocupação Ouvidor 63 (São Paulo, 2018) e a XXI Bienal de Arquitectura y Urbanismo de Chile (Santiago, 2019) onde curou a mostra “São Paulo: Diálogos y límites” e editou os quatro volumes do catálogo. Paula foi professora assistente na Universidad Mayor (Chile), na Escola da Cidade (Brasil) e atualmente é professora titular na Faculdade de Arquitetura da Universidad de las Américas (Chile), além de ministrar cursos e seminários de forma autônoma.

SOBRE O MARIETA

O Marieta é um centro cultural comunitário colaborativo, fundado em 2015 com a proposta de ser um espaço de pesquisa, difusão e produção de arte e cultura. Um lugar onde não apenas consumir cultura, mas fazer cultura!

O projeto tem sede física na rua Dona Maria Paula 96 – centro de São Paulo, próximo às estações de metrô Liberdade, Sé e República – e sede virtual em suas salas de Zoom, no YouTube e nas outras redes sociais.

Com o objetivo de difundir conhecimento e estimular o debate público, o Marieta oferece à comunidade uma constante e variada programação cultural pública: grupos de trabalho, cineclubes, exposições, cursos, seminários, entrevistas, debates e residências culturais.

Em coerência com seus princípios de inclusão e participação, o Marieta tem operado um processo de despersonalização de sua curadoria, criando sistemas participativos de programação das atividades: estamos sempre em busca de novas pessoas e ideias!

www.projetomarieta.com.br
@projetomarieta

FICHA TÉCNICA

Comuns

concepção
Marina Frúgoli e Marcella Arruda

desenvolvimento
centro cultural Marieta

identidade visual
André Moraes

Laboratório 2021

curadoria
Marina Frúgoli, Marcella Arruda e Paula Monroy

assistente de curadoria
Montserrat Quintanar

produção executiva
Gabriela Loreti e Giovanni Pirelli

coordenação de comunicação
Helena Guerra

assistente de comunicação
Lorenza Gioppo

design
Pedro Britto

DÚVIDAS E CONTATOS

Em caso de dúvidas e para mais informações, por favor, escreva para comuns@projetomarieta.com.br.

CALENDÁRIO DETALHADO

14.06 – 01.08.2021 | processo seletivo aberto

02.08 – 22.08.2021 | avaliação das candidaturas pelo Júri

24.08.2021 | divulgação lista de pré-selecionadas e lista de espera

24.08 – 29.08.2021 | 1ª chamada matriculas

30.08 – 03.09.2021 | 2ª chamada matriculas

16.09 – 09.10.2021 | Laboratório Comuns

semana 1

16.09 | conversatório de abertura

17.09 | encontro #1 grupos A, B, C

18.09 | encontro #1 grupos D, E

semana 2

23.09 | conversatório Tema I

24.09 | encontro #2 grupos A, B, C

25.09 | encontro #2 grupos D, E

semana 3

30.09 | conversatório Tema II

01.10 | encontro #3 grupos A, B, C

02.10 | encontro #3 grupos D, E

semana 4

07.10 | conversatório Tema III

08.10 | encontro #4 grupos A, B, C

09.10 | encontro #4 grupos D, E

09.10 | FESTA DE ENCERRAMENTO!

Conversatórios: quintas-feiras, das 18h30 às 21h (GMT-3)

Grupos: sextas, das 15h às 17h30 (GMT-3) OU sábados, das 11h às 13h30 (GMT-3)

Comuns: Desvendando processos na América Latina

happens
from 16/09/2021
to 09/10/2021

more
Inscrições para participantes: até 01/08 Mais informações: https://www.comuns.net.br/

where

Projeto Marieta
Rua Maria Paula 96 ap 2
Bela Vista São Paulo SP
[Romano Guerra Editora + Portal Vitruvius + Irmãos Guerra Filmes + Cactus]

source
Comuns / Projeto Marieta

share


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided