Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
Leia a "Fábula de qualquerlândia" de Ítalo Stephan, uma cidade pequena, mas importante para alguns políticos

how to quote

STEPHAN, Ítalo. A fábula de qualquerlândia. Minha Cidade, São Paulo, ano 12, n. 136.02, Vitruvius, nov. 2011 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/12.136/4117>.


Imagem com o caixote e o símbolo de dinheiro
Desenho de Ítalo Stephan


Imagem dos caixotes em menor número
Desenho de Ítalo Stephan

Imagem dos muitos caixotes empilhados
Desenho de Ítalo Stephan

 

Qualquerlândia era uma cidade pequena, espremida entre muitas montanhas, num lugar quase esquecido pelo mundo, mas importante para alguns políticos, os de lá da capital do estado e os de lá da capital do país. Quem mandava na cidade não era o prefeito, pois a cada hora havia um. Quem mandava eram os grandes fabricantes de caixotes, pois caixotes serviam para guardar coisas e guardar coisas era coisa muito importante. Então, quanto mais caixotes melhor. Os fabricantes descobriram que ganhavam mais dinheiro fabricando caixotes cada vez menores, mas em quantidade cada vez maior.

Na cidade também tinha uma fábrica de sábios. Muitos sábios eram ali produzidos, mas quase nenhum ficava, pois ali não parecia ser lugar para sábios ficarem. Enquanto se fabricavam os sábios, os que ainda não eram sábios precisavam guardar seus livros e coisas nos caixotes por algum tempo. Não importava muito a qualidade dos caixotes, pois um dia, sábios, iriam embora. Aos poucos, os caixotes foram sendo empilhados, até em cima dos leitos dos riozinhos. Não tinha problema, há muito tempo o riozinho não enchia até ali. Se precisassem, os fabricantes chegavam o riozinho para lá. Quando o vale encheu de caixotes, colocaram mais caixotes até o topo dos morros. Se precisasse, tiravam-se os morros. Tinha tanto morro que mais um menos um, não tinha problema. Tinha tanta árvore que remover algumas dezenas não era problema.

Havia alguns dos fabricantes de  sábios, menos sábios, menos sabidos até,  que ali insistiam em ficar e azucrinar os fabricantes de caixotes que ocupavam tudo, desde as margens dos riozinhos aos topos dos morros. Aqueles queriam organizar o empilhamento de caixotes e impedir que os caixotes mais antigos, amplos e bonitos fossem destruídos. Os fabricantes sempre queriam pilhas maiores e ficavam muito brabos quando os sábios queriam disciplinar a cidade e alertar que não era possível guardar caixotes daquele jeito. Os prefeitos da ocasião, ainda menos sábios, apoiavam os fabricantes de caixotes e concordavam quando os seus apoiadores chamavam os fabricantes de sábios de cabeças de bagre e até de marcianos!

Os fabricantes estavam muito satisfeitos, vendendo caixotes com nomes bonitos, (de preferência nomes  que juntassem palavras francesas ou inglesas com outras que fizessem  referencia à sustentabilidade), até mesmo para alguns fabricantes de sábios, que não davam importância ao assunto. Pregavam aos quatro cantos que fabricar caixotes criava muitos empregos, e se não pudessem aumentar as pilhas, iriam embora fabricar caixotes em outro lugar. Mas também sabiam que em outro lugar não iriam vender tantos caixotes e a preços tão elevados. E lá ficavam, fabricando mais e mais caixotes.

Sabiam que, quando seus próprios caixotes enchessem de dinheiro, iriam embora de Qualquerlândia, deixando-a ao deus-dará e à mercê dos fabricantes de sábios, que não saberiam onde eles e os futuros sábios a serem fabricados colocariam mais suas coisas importantes. Eram tantos caixotes empilhados, tão próximos uns dos outros, que não se chegava mais até eles. Mas todos sabiam que um dia, os caixotes, úmidos, mofados e muitos vazios, desabariam, ficariam inacessíveis ou seriam engolidos pela raiva dos riozinhos que se cansariam de serem estrangulados.  Era apenas uma questão de tempo.

nota

NE
Texto ilustrado e ampliado a partir de artigo publicado no jornal Tribuna Livre, em 27 maio 2011, Viçosa MG.

sobre o autor

Ítalo Stephan – Arquiteto e  professor do DAU/UFV.

comments

newspaper


© 2000–2018 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided