Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

BARBOSA, Antônio Agenor. Cidade sportiva: primórdios do esporte no Rio de Janeiro. Resenhas Online, São Paulo, ano 01, n. 005.01, Vitruvius, maio 2002 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/01.005/3242>.


O carioca que passa em frente ao Estádio de Remo da Lagoa talvez não se dê conta de que as arquibancadas do belo edifício moderno (inaugurado em 1951), abandonado por conta de uma obra inacabada, outrora abrigavam cerca de 50 mil fanáticos torcedores em dias de regatas. Assim como o próprio Estádio, o remo também agoniza no poluído espelho d´água da Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Mas nem sempre foi assim e nem mesmo a prática deste esporte centenário começou nas águas da antiga Socopenupã.

Quanto a esta tradição esportiva perdida – não apenas a da prática do remo como também a do encantamento e da rivalidade de centenas de torcedores nas regatas dominicais – basta lembrar que dos atuais grandes clubes do  futebol carioca (sic), Flamengo, Botafogo e Vasco da Gama surgiram como clubes de regatas, à maneira de outros tantos sem tradição futebolística como é o caso do Clube de Regatas Guanabara, que ainda hoje mantém sua sede na enseada de Botafogo, local pioneiro das competições daquele esporte na cidade, no final do século XIX.

Entretanto, não foi o remo a primeira atividade esportiva estruturada no Rio de Janeiro oitocentista, mas sim o turfe a partir da criação do Club de Corridas em 1849. Assim, os primórdios do turfe e do remo constituem o campo de pesquisa de Victor Andrade de Melo no seu recém-lançado “Cidade Sportiva: Primórdios do Esporte no Rio de Janeiro”. Originado da sua tese de Doutorado em Educação Física, o livro narra de maneira precisa e saborosa alguns aspectos do cotidiano esportivo da cidade na transição do século XIX para o XX, a nossa “Belle Époque”.

Andrade de Melo analisa os primórdios do “sport” (até meados do século XX era esse o termo utilizado) no Rio de Janeiro em seu momento inicial da construção do que hoje chamamos de Metrópole carioca. Desta forma, é curioso notar que o turfe se transforma no principal esporte da cidade por conta de alguns fatores prosaicos tais como: a presença de grande quantidade de cavalos no espaço urbano, e o fato de ser um esporte que exigisse pouco esforço físico do praticante, em geral das classes mais abastadas. Some-se a isto a forte influência européia de um esporte praticado pelas elites inglesas e francesas, como citado no próprio manifesto de fundação de Club de Corridas.

Já no início do período republicano, o Rio passa a ditar as modas e os costumes para todo o país e surgem novas relações com a geografia da cidade (o imenso litoral, as montanhas e, principalmente, as praias, rios e lagoas), novas maneiras de comportamento social (preocupação com a saúde e com o padrão estético do corpo) e uma série de novos hábitos urbanos (a inserção das mulheres na vida sócio-esportiva) que são rapidamente difundidos por todo o país. Alguns importantes cronistas da época como Luiz Edmundo e João do Rio acompanham surpresos estes repentinos impulsos pela prática esportiva. Este último chega a afirmar que “fazer esporte há 20 anos ainda era para o Rio uma extravagância. As mães punham as mãos na cabeça, quando um dos meninos arranjava um altere. Estava perdido. Rapaz sem um pincenez, sem discutir literatura dos outros, sem cursar as academias – era um homem estragado.” É importante lembrar que João do Rio na época ainda não usava o termo academia para designar os espaços destinados à ginástica e à musculação.

Estruturado em cinco páreos (assim o autor nomeia os capítulos) mais a introdução (“É dada a partida”) e conclusão (“Cruza-se a linha de chegada”), o livro de Andrade de Melo é leitura original e obrigatória para aqueles que se interessam pelos temas ligados à construção material e simbólica desta Cidade Maravilhosa.

[resenha publicada no Jornal O Globo, Caderno Prosa & Verso, em 11 de agosto de 2001. Reprodução proibida]

sobre o autor

Antônio Agenor de Melo Barbosa é Arquiteto / Urbanista, Mestre em Urbanismo (FAU – UFRJ) e professor de Urbanismo  da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ.

comments

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided