Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
O projeto do Museu da Diversidade Sexual, agraciado com edital do ProaC, prevê a implantação no Casarão Franco de Mello de um Centro de Cultura, Memória e Estudos da Diversidade Sexual do Estado de São Paulo.

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Museu da Diversidade Sexual. Centro de cultura, memória e estudos da diversidade sexual. Projetos, São Paulo, ano 14, n. 168.03, Vitruvius, dez. 2014 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/14.168/5362>.


1º lugar: Hereñu + Ferroni Arquitetos

Objetivos e justificativa

As novas instalações do Centro de Cultura, Memória e Estudos da Diversidade Sexual do Estado de São Paulo serão oportunamente implantadas junto a um eixo urbano amplamente consolidado do ponto de vista urbanístico e extremamente significativo nos âmbitos da política e da cultura brasileiras.

No mesmo endereço onde se concentra a Parada do Orgulho LGBT, um dos maiores eventos do gênero no mundo, o Centro deverá se inserir como um marco permanente de diálogo e desenvolvimento do conhecimento, da política e da cidadania.

O objetivo fundamental de reforçar a construção de uma sociedade pautada pelas noções de respeito e de tolerância à diversidade sexual deve se expressar também na concepção das novas instalações. Respeito pela história do lugar, pela edificação existente, pela significativa arborização, pelos elementos do entorno e pelo caráter público da avenida.

A proposta desenvolvida parte dessa conceituação e se organiza através de uma estratégia de recuperação e valorização da residência construída pela família Franco de Melo, da preservação da vegetação de grande porte existente e do desenho cuidadoso dos espaços públicos no nível térreo.

Vegetação

Museu da Diversidade Sexual, aerofotogrametria. Hereñú + Ferroni Arquitetos, 2014

A observação de uma fotografia aérea atual da região da Avenida Paulista permite notar que o maciço arbóreo conformado pelo jardim da Residência Franco de Melo e pelo Parque Mario Covas se apresenta como o único espaço verde significativo além do Parque Tenente Siqueira Campos (Trianon).

A leitura atenta do processo de tombamento revela ainda que tão valiosa quanto a edificação propriamente dita é a relação desta com a vegetação que a circunda e desse conjunto com a avenida. A conservação e valorização do jardim são, portanto, tão fundamentais quanto a conservação e valorização do casarão.Pablo Hereñú (ARQ) 2.

Implantação

O desenho do chão foi pautado por um conjunto de ações que pretendem destacar o seu caráter público e reforçar sua dimensão simbólica. A retirada do muro junto à avenida objetiva resgatar o espaço frontal do casarão, perdido com o alargamento viário empreendido na década de 1970 e, simultaneamente, manifestar um gesto de abertura e convite à visitação.

Museu da Diversidade Sexual, esquema de implantantação. Hereñú + Ferroni Arquitetos, 2014

Uma suave rampa, com 5% de inclinação, acomoda o desnível entre o térreo inferior e a Paulista e conduz o público ao acesso principal do conjunto, localizado no edifício anexo.

A entrada principal do casarão é recuperada como um acesso direto ao café, localizado no térreo superior, que pode assim ter um funcionamento independente e desfrutar das varandas voltadas para a Avenida Paulista.

Um jardim seco ao redor do casarão orienta os percursos, indica os acessos e minimiza a necessidade de utilização de elementos de cercamento.

Construções

A volumetria adotada para a edificação anexa se organiza de fora para dentro, a partir de elementos presentes no casarão e da localização das árvores significativas.

O volume principal da nova construção se concentra sobre a clareira existente junto ao fundo do lote e sua altura total não excede a da torre ornamental do casarão, próxima à avenida.

Museu da Diversidade Sexual, esquemas de relação entre volumes. Hereñú + Ferroni Arquitetos, 2014

Um volume secundário, térreo, avança em diagonal até o limite do recuo frontal para conformar uma praça de acolhimento e sinalizar o acesso principal ao conjunto. Além disso, cria uma fachada lateral voltada para o Parque Mario Covas que permite uma eventual conexão. Sua materialidade incorpora os troncos das árvores não só para conservá-los, mas para inseri-los no espaço e valorizar sua presença.

A edificação anexa se posiciona como um pano de fundo relativamente neutro que destaca a construção existente restaurada e a presença urbana do jardim. Ela vai revelando aos poucos, à medida que se percorre a praça de acolhimento e a perspectiva das árvores vai se modificando.Pablo Hereñú (ARQ) 3.

Programa

As solicitações programáticas foram dimensionadas para atender às premissas de inserção e relação espacial do conjunto sem deixar de contemplar nenhuma das funções solicitadas. Em sua distribuição, procurou-se aproveitar da melhor maneira a espacialidade oferecida pelas construções.

No nível inferior do casarão, mais compartimentado e com amplitude espacial reduzida, o rebaixamento do piso permitiu localizar os setores administrativos e de serviços. No nível superior, situam-se os espaços de exposição permanente e um café que se relaciona diretamente com o fluxo de pedestres da Avenida Paulista.

Museu da Diversidade Sexual, perspectiva axonométrica. Hereñú + Ferroni Arqui

Nas edificações novas, o programa se distribui da seguinte maneira: auditório e áreas técnicas no subsolo; acolhimento, eventos e parte das exposições temporárias no térreo inferior; exposições temporárias e terraço de eventos no térreo superior; biblioteca no primeiro pavimento; sala multiuso, gestão do acervo, reserva técnica, conservação e restauração e estúdio no segundo pavimento; bar na cobertura.

Os espaços de circulação foram otimizados no intuito de reduzir a área total construída de forma a estabelecer uma relação adequada entre as edificações novas e o casarão. A proposta desenvolvida atinge um total de 1740m2 de espaços cobertos e 425m2 descobertos.

Materialidade

Todas as decisões construtivas foram pautadas pela lógica de preservação dos elementos existentes.

A escavação do subsolo adota os afastamentos necessários para garantir a estabilidade do casarão e a conservação das raízes vegetais.

Museu da Diversidade Sexual, esquema da estrutura. Hereñú + Ferroni Arquitetos, 2014

A laje que cobre o espaço de eventos no térreo inferior possui apoios perimetrais associados à superfície de fechamento e possibilita a execução de aberturas para a passagem dos troncos das árvores. A partir do térreo superior, toda a construção é montada utilizando estruturas metálicas leves e painéis de vedação.

Uma delicada trama metálica cobre parcialmente as fachadas propiciando sombreamento e controle visual dos ambientes.

Representação

Um centro voltado para a construção do diálogo e do conhecimento deve de algum modo expressar esse caráter através de sua arquitetura, construindo espaços e signos que o representem nas mais diversas escalas de leitura.

O térreo público e convidativo pretende mostrar o centro como um lugar aberto à presença de todos.

A relação proposta do novo com as preexistências busca representar conceitos como respeito e tolerância.

Museu da Diversidade Sexual, vista do parque. Hereñú + Ferroni Arquitetos, 2014

Como uma grande instalação cinética do artista Jesús Rafael Soto, a trama metálica externa que cobre parcialmente o edifício anexo busca evocar, de maneira sutil, o caráter plural, dinâmico e de resistência que marca o movimento LGBT. A localização do estúdio para coleta de testemunhos em posição destacada provoca uma abertura na trama de fechamento semelhante a um olho ou a um ouvido, abertos a ver e ouvir para conhecer e desconstruir as barreiras da ignorância e do preconceito.

ficha técnica

projeto
Museu da Diversidade Sexual

data
Outubro de 2014 

promotor
Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo

arquitetura
Hereñú + Ferroni Arquitetos

equipe
Eduardo Ferroni, Pablo Hereñú, Camila Raghi, Camila Paim, Camila Reis, Bianca Fontana, Diogo Pereira, Nathália Grippa e Levy Vitorino.

source
Escritório premiado
São Paulo SP Brasil

comments

168.03 patrimônio
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo
São Paulo SP Brasil

share

168

168.01 habitação

Casa Ipanema

Sergio Moacir Marques

168.02 concurso

Concurso Anexo da Biblioteca Nacional

168.04 patrimônio

Centro Cultural da Estação Red Bull

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided