Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

DERNTL, Maria Fernanda. África do Sul. Com um guia na mão e um website na tela. Resenhas Online, São Paulo, ano 14, n. 161.04, Vitruvius, maio 2015 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/14.161/5535>.


Conhecer a África do Sul é chocar-se com a segregação e a profunda desigualdade, mas é também deparar-se com um acervo arquitetônico muito diversificado em suas referências estilísticas e caracterizações regionais. Duas fontes podem ser bastante valiosas para orientar uma viagem, real ou virtual, pela arquitetura sul-africana: o Architectural Guide: South Africa e o website Artefacts (1). Cada uma delas mostra uma abordagem distinta do problema de selecionar, classificar e documentar informações no campo da arquitetura. Em ambas, há o problema de lidar com uma história de construções e monumentos ligados à afirmação de projetos ideológicos e à conflituosa memória de grupos minoritários.

A paisagem das cidades sul-africanas evidencia o estabelecimento dos holandeses em meados do século 17, a alternância do domínio britânico e holandês, em meio à expansão dos povos zulus, no século 19, a emergência da questão da identidade nacional na primeira década do século 20 e os grandes programas governamentais do apartheid (1948-94). Tradições acadêmicas e vertentes modernas inspiradas na Europa, na Ásia e mesmo no Rio de Janeiro foram emuladas ou aclimataram-se em expressões locais. O processo de democratização de meados dos anos 1990 impulsionou a busca por uma renovada identidade sul-africana – e por expressões condizentes na linguagem arquitetônica. Uma nação arco-íris, diria o arcebispo Desmond Tutu; um mito identitário pacificador, diriam seus críticos. Tentar conhecer a arquitetura e as cidades sul-africanas é de algum modo ter de enfrentar essas difíceis questões.

A tarefa não caberia num guia de arquitetura, publicação da qual não se esperam estudos exaustivos ou análises aprofundadas, mas seleções sucintas e explicações breves. No entanto, mesmo um guia de arquitetura não poderia se furtar a lidar com questões tão centrais. No Architectural Guide: South Africa de Roger C. Fisher e Nicholas J. Clarke, adotou-se uma estrutura baseada em temas “sócio-arquitetônicos” e temas tipológicos. As cidades ou centros metropolitanos abordados são Cidade do Cabo, Durban e a conurbação Johannesburg/Pretoria. Os temas sócio-arquitetônicos apresentam-se no início do livro como marcos de uma sintética história da arquitetura sul-africana.  Esses temas são: 1) os arquitetos iniciais; 2) África do Sul unificada; 3) Movimento moderno; 4) Art Deco; 5) Regionalismo; 6) Brutalismo; 7) Nacionalismo monumental; 8) Democracia: moldando a nova África do Sul; 9) Projetos cívicos. Para cada um dos centros tratados, apresentam-se então edifícios ou monumentos relacionados a esses temas principais. Acrescentam-se também referências a tipologias de provável interesse para o leitor do guia: estações de transporte público, aeroportos, estádios, escolas de Arquitetura. A apresentação das obras de cada uma das metrópoles abre-se com o depoimento livre e pessoal de um arquiteto sobre a “sua” cidade.

Architectural Guide: South Africa equilibra o tom mais leve de um guia de viagem com a base na sólida trajetória de pesquisa acadêmica de seus autores. Roger C. Fisher, professor emérito do Departamento de Arquitetura da Universidade de Pretoria, é referência central no campo da história da arquitetura e do patrimônio sul-africanos e autor/organizador de uma extensa lista de artigos e livros, entre os quais o já raro Architecture of the Transvaal (2). Nicholas J. Clarke, seu anterior aluno, também foi professor de arquitetura na Universidade de Pretoria. A parceria mostra-se sintonizada na linguagem informativa e acessível sem deixar de ser crítica. A quantidade de obras abordadas é de cerca de cento e cinquenta, com ênfase na arquitetura secular feita por arquitetos profissionais.

O guia provoca perguntas. Onde encontrar mais informações sobre o arquiteto sul-africano Norman Eaton (1902-66), com seu refinado trabalho em tijolo, numa linguagem moderna atenta a tradições locais e a escala do pedestre? E essas surpreendentes afinidades com o modernismo carioca? Ou, simplesmente, como saber mais sobre a imensa diversidade de temas ali sugeridos?

Uma listagem mais extensa encontra-se em outra iniciativa de documentação, a plataforma online Artefacts, cujo principal consultor é o mesmo professor Roger C. Fisher. O site reúne informações de periódicos, livros e teses até então nem sempre de fácil acesso e mantém-se em continua expansão por meio das contribuições de pesquisadores, estudantes e órgãos profissionais.

Artefacts é abrangente nos programas e tipologias reunidos: inclui edifícios industriais, templos religiosos, ruas, reservatórios de água e edifícios de autoria desconhecida. Traz possibilidades de consulta não só por obras, como também por cidades, livros, pessoas, firmas e por léxico.  Esses temas apresentam-se inter-referenciados, de modo que a consulta a um arquiteto leva a uma biografia e a um conjunto de obras, além de dar acesso a seus escritos e também a indicações de artigos e livros a seu respeito. Surgem inesgotáveis possibilidades de navegação.

Uma medida do seu potencial para estudos, entre nós, pode-se ver no texto “A quatro mãos: Arquitetura moderna brasileira, 1978-82” (3), de Sylvia Ficher e Marlene Acayaba. As autoras contam os bastidores de uma divertida viagem pelo Brasil em 1979 para reunir in loco dados sobre obras até então pouco estudadas ou mesmo desconhecidas. A pesquisa despertou também o interesse por investigar inusitadas repercussões da arquitetura brasileira no exterior. Descobriu-se que na década de 1940 o Brazil Builds (4) já circulava na África do Sul e o edifício do Ministério da Educação e Saúde (1936-45) estava fazendo escola por lá. Para revisitar o tema e conhecer os filhotes do Ministério naquele país, a autora não precisou fazer outra viagem: pôde contar com bancos de dados online, valendo-se muito do site Artefacts e dos links ali indicados. Aliás, é a própria Sylvia Ficher quem finaliza o texto refletindo sobre a reconfiguração das práticas de pesquisa em tempos de internet.  É muito necessário, como propõe, discutir os critérios para legitimar e chancelar as novas fontes disponíveis em ambiente virtual. Há sempre o risco de nos deixarmos enfeitiçar pela miríade de informações nem sempre confiáveis. Perigosa internet! – adverte.

Temos importantes experiências de documentação, sistematização e divulgação de dados em Arquitetura e Urbanismo no Brasil, mas ainda há muito espaço para explorar as possibilidades de reunir online informações sobre projetos, obras e arquitetos. Esse é mais um motivo para conhecer iniciativas competentes nessa área e para exclamar, às vezes, bendita internet!

Netherlands' Bank, Pretoria, 1953. Arquiteto Norman Musgrave Eaton
Foto Roger Fisher [website Artefacts]

notas

1
Artefacts. Southern African Built Environment. Disponível em: <www.artefacts.co.za>. Acesso em: 2 maio 2015.

2
FISHER, Roger C.; LE ROUX, Schalk W.; MARE, Estelle. (Org). Architecture of the Transvaal. Pretoria, UNISA, 1998.

3
FICHER, Sylvia; ACAYABA, Marlene Milan. A quatro mãos: arquitetura moderna brasileira, 1978-1982. In: DERNTL, Maria Fernanda; PEIXOTO, Elane Ribeiro (Org.). Arquitetura, estética e cidade: questões da modernidade. Brasília, Universidade de Brasília, FAU-UnB, 2014, p. 22-62.

4
GOODWIN, Philip L. Brazil Builds: architecture new and old 1652-1942 (Construção brasileira: arquitetura moderna e antiga,1652-1942). Nova York, Museu de Arte Moderna, 1943.

sobre a autora

Maria Fernanda Derntl é professora e pesquisadora da FAU-UnB. Autora do livro Método e arte: urbanização e formação territorial na capitania de São Paulo, 1765-1811 (Alameda/FAPESP, 2014). Organizadora de Brasília 50+50: cidade, história e projeto (com Luciana Saboia, EdUnB/2014).

comments

resenha do livro

South Africa Architectural Guide

South Africa Architectural Guide

Nicholas Clarke and Roger Fisher

2014

161.04
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

161

161.01

Mímesis repaginada

Sobre três livros de Luiz Costa Lima

Thiago Castañon

161.02

Noticias da Segunda Guerra Mundial

Luiz Philippe Torelly

161.03

Deambulações narrativas de Francesco Careri na construção estética do espaço

Luciana Jobim Navarro

newspaper


© 2000–2019 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided