Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Bairro do Pacaembu ao anoitecer. Foto Abilio Guerra

abstracts

português
O artigo apresenta análise do espaço turístico da cidade de Niterói/RJ através dos deslocamentos realizados por visitantes e/ou recomendações de pontos turísticos.

english
The article presents an analysis of the touristic space in the city of Niterói/RJ through the displacements carried out by visitors and/or recommendations of tourist spots.

español
El artículo presenta un análisis del espacio turístico de la ciudad de Niterói/RJ a través de los desplazamientos realizados por los visitantes y/o recomendaciones de puntos turísticos.


how to quote

BRANDÃO, André Correia; EDRA, Fátima Priscila Morela; TEIXEIRA, Camila de Almeida. Morfologia urbana e turismo. Arquiteturismo, São Paulo, ano 16, n. 180.03, Vitruvius, mar. 2022 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/16.180/8526>.


A cidade de Niterói, vizinha da cidade do Rio de Janeiro, capital do estado homônimo, é hoje um dos municípios brasileiros com melhor índice de desenvolvimento urbano, estando em primeiro lugar no estado, com população estimada em 487.562 habitantes, possui área total de 133.757 km² (1). Niterói tem importância histórica, pois no século 19 foi capital do estado e ainda comporta o segundo maior acervo de obras construídas do arquiteto e urbanista Oscar Niemeyer (2).

Trata-se de cidade litorânea, voltada para baía de Guanabara e oceano Atlântico. Diversas atividades que envolvem a natureza podem ser feitas pela cidade (3). Com terreno majoritariamente plano e, por ser uma cidade considerada densa, Niterói apresenta um perfil geográfico que favorece o uso de bicicletas para lazer, turismo e trabalho.

A cidade foi uma das mais visitadas no estado do Rio de Janeiro nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, recebeu mais de 120 mil turistas na primeira etapa do evento. A média de visitantes é de aproximadamente 55.000 pessoas por mês, sendo os mais visitados o Museu de Arte Contemporânea, a Fortaleza de Santa Cruz e o Parque da Cidade (4).

Diante disso, surgiu a curiosidade em entender como os deslocamentos turísticos se relacionam com as particularidades urbanas locais.

Desenvolvimento

Iniciou-se a pesquisa entendendo a cidade de Niterói sob critérios geográficos e urbanísticos, pois a cidade, como organismo vivo e em constante desenvolvimento, possui papel de extrema importância no que ocorre ou deixa de ocorrer nos espaços (5).

Niterói, apesar de possuir boa parte do território composto por formações rochosas, apresenta área urbana situada em terrenos planos (6), alguns deles resultados de aterramentos, sendo os mais conhecidos os aterros da Praia Grande e do Mangue de São Lourenço.

Topografia de Niterói
Topographic, 2020

Nos terrenos planos, principalmente nos bairros do Centro, adjacências e Icaraí, foi onde se iniciou o desenvolvimento dos primeiros conjuntos residenciais e prédios públicos na cidade (7).

Edificações e espaços marcantes do século 20 em Niterói
Elaboração própria a partir do Google Maps, 2020

Tais fatos possibilitam entender a localização dos principais pontos turísticos da cidade, nesta segunda década do século 20, estarem localizados próximos ao mar e em terrenos menos elevados (8).

Principais pontos turísticos de Niterói
Elaboração própria

As explicações para essa característica são diversas, indo desde vantagens comerciais advindas da proximidade dos corpos hídricos até a facilidade de acesso e circulação dos habitantes, passando por interesses políticos e estratégicos na época da emancipação de Niterói. É certo que essa configuração também se deu e se dá a partir do uso dos próprios moradores, pois são agentes atuantes na formação do espaço urbano.

Metodologia

Para compreender o deslocamento dos turistas que recomendam a visita à Niterói, brasileiros ou não, e na busca de maior e mais plural quantidade de informações sobre o assunto, a metodologia utilizada para a coleta de dados se baseou em blogs devido à facilidade em encontrar um público mais diversos e imparcial.

A partir do Anuário estatístico do turismo: 2019 (9), do Ministério do Turismo, selecionaram-se as seis nacionalidades que mais visitaram o Brasil em 2018 (Argentina, Estados Unidos, Chile, Paraguai, Uruguai e França), além de Portugal (11º lugar), por familiaridade. E, assim, se direcionaram as pesquisas para blogs desses países.

Nos buscadores da internet (Google, Bing e Yahoo), procurou-se por palavras e expressões como “Turismo em Niterói”, “Viagem de um dia em Niterói”, “O que fazer em Niterói”, entre outros, e após configurar o mecanismo de pesquisa para outros idiomas (inglês, francês e espanhol), replicou-se a pesquisa com termos e palavras equivalentes.

Optou-se por buscar relatos de pessoas que visitaram ou moram em Niterói e que o texto tivesse foco nos passeios turísticos, apresentação dos pontos visitados e informações para a construção de uma análise da relação entre o turista e a cidade.

Dados como locais visitados ou sugeridos, curiosidades, observações, dicas e pontos de apoio, foram organizados em tabela Excel. Em seguida, elaboraram-se mapas e gráficos que ajudaram a entender a movimentação desse público na cidade de Niterói.

Resultados

Encontraram-se 69 blogs, sendo quarenta escritos em português, dez em inglês, treze em francês e seis em espanhol. Em 55 deles, a quantidade de passeios realizados ou sugeridos, foram de dez ou menos, e em outros sete blogs, sugeriam-se dezesseis pontos turísticos ou mais (10).

Também se recolheram informações dos autores como sexo, duração do passeio e dicas. Das 69 matérias, 33 delas foram escritas por mulheres, quinze por homens e dois por duas ou mais pessoas. Nos demais não foi possível identificar o sexo de quem escreveu/visitou.

Observou-se pluralidade de meios de transporte utilizados, sendo táxis e serviços de aplicativos os predominantes.

Entre os pontos turísticos citados, notou-se maior concentração deles na região central de Niterói e que o turismo praticado nas áreas mais afastadas da cidade como nos bairros de São Francisco, Charitas, Camboinhas e Itacoatiara, tem foco na visitação de praias, morros e fortalezas.

Verificou-se que quase metade dos pontos turísticos mais visitados e/ou recomendados da cidade se localizam em áreas de fácil acesso e deslocamento por parte dos visitantes. Tal facilidade se dá tanto pela proximidade física dos locais, quanto pela predominância de áreas planas.

No mapa 4, observa-se que o círculo com centro no Espaço Cultural Correios de Niterói e raio igual a dois quilômetros consegue abranger 27 dos 57 pontos turísticos citados. Salvo em alguns casos bem específicos, como o Parque da Cidade, o Museu de Arte Contemporânea (MAC), situado no Mirante da Boa Viagem, e as praias da região oceânica, a visita aos principais pontos turísticos da cidade pode ser realizada por meio de caminhada, sem nível de dificuldade.

Concentração de pontos de interesse turístico num raio de 2km a partir do Espaço Cultural Correios de Niterói
Elaboração própria a partir do Google Maps, 2020

Analisando os mapas 5 e 6 das redes de hospedagem e de bares e restaurantes, nota-se a coincidência de localizações desses elementos com os pontos turísticos mais visitados da cidade.

Hospedagem em Niteroi
Elaboração própria a partir de visit.niteroi, 2020

Restaurantes de Niteroi
Fonte: Elaboração própria a partir de visit.niteroi, 2020

Considerações finais

A análise dos dados recolhidos nos blogs, somada às informações das fontes utilizadas nesta pesquisa, possibilitaram compreender o deslocamento turístico em Niterói como satisfatório, considerando o envolvimento da rede de equipamentos públicos, estrutura viária e comercial.

Numa alternância de causa e consequência, entendendo-se que a cidade guia a rotina daqueles que a ocupam e estes norteiam o desenvolvimento daquela, nota-se que as regiões do centro, adjacências, e praias oceânicas, possuem um conjunto de elementos que se relacionam mutuamente com a presença do público turístico de Niterói. Contudo, essa rede não se limita a esse grupo, haja vista que ela atende e é formada também pelos moradores da cidade.

notas

1
IBGE. Niterói <https://bit.ly/2S5G3vL>.

2
HENRIQUE, Afonso; HERDEIRO, Zé. A 22 de novembro, foi fundada a cidade de Niterói. Blog Luso-Carioca, 22 nov. 2007 <https://bit.ly/3zQUfNG>.

3
NELTUR. Visite Niterói. Niteroi, Empresa de Lazer e Turismo, 2020 <https://bit.ly/3N9Ng5m>.

4
PREFEITURA DE NITERÓI. Niterói desponta como um dos principais roteiros turísticos do Estado. 2016 <https://bit.ly/3Ocgj9I>.

5
BARROS, José D’assunção. As Ciências Sociais e os modelos de cidade. Arquitetura Revista, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, jan. 2011, p. 21-33 <https://bit.ly/3QEdJv2>.

6
Como fontes para os mapas apresentados nesse trabalho foram usados os seguintes websites: GOOGLEMAPS. Niterói <https://bit.ly/3OezcZY>; TOPOGRAPHIC. Niterói <https://bit.ly/3xIFxpl>.

7
NITERÓIITV. Niterói e sua história <https://bit.ly/3NbhDZ8>.

8
NELTUR. Roteiros turísticos <https://bit.ly/39KnO9a>.

9
BRASIL. MINISTÉRIO DO TURISMO. Anuário estatístico do turismo: 2019. Brasília DF, Governo Federal, 2019. 46 v.

10
Como exemplo dos websites visitados: NITERÓI. CIDADEDENITERÓI.COM. Niterói avança com equipamentos turísticos. Niteroi, 16 de maio de 2018 <https://bit.ly/3tRrfBx>.

sobre os autores

André Correia Brandão é graduando em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal Fluminense. Membro do grupo de pesquisa UFF/CNPq Experiências em Turismo e Transporte Ativos (ETtA). Bolsista PIBIC/UFF.

Fátima Priscila Morela Edra é doutora em Ciência Política. Mestre em Engenharia de Transportes. Especialista em Gestão em Turismo e Hotlaria e em Ciência Política. Bacharel em Turismo. Professora Adjunta no Programa de Mestrado e na graduação em Turismo da Universidade Federal Flumimense. Líder do grupo de pesquisa Experiências em Turismo e Transporte Ativo (ETtA – UFF/CNPq).

Camila de Almeida Teixeira é mestre e graduada em Turismo. Especialista em Tecnologias Digitais e Inovação na Educação. Graduanda em matemática e física. Membro do grupo de pesquisa UFF/CNPq Experiências em Turismo e Transporte Ativos (ETtA).

comments

180.03 arquiteturismo em questão
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

180

180.01 turismo educativo

Estratégias da casa sustentável

Karla Carvalho de Almeida and Rosiane de Oliveira Souza

180.02 ensaio fotográfico

Diamantina: ensaio visual comentado

Elio Moroni Filho

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided