Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. The International Architecture competition for the Grand Egyptian Museum. Projetos, São Paulo, ano 03, n. 030.01, Vitruvius, jun. 2003 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/03.030/2221>.


As primeiras decisões

1. A mais bela questão evocada pelo Edital: Um Centro de Arqueologia, de História e Cultura Egípcia. Não um importante museu a mais no mundo.Um magnífico laboratório, um lugar de saber, ciência e arte. Um museu para o mundo. Marcamos a posição central  da Torre dos Laboratórios e Estudos Arqueológicos. O Core do Museu.

2. Um problema estimulante: A escala urbanística. A borda do deserto. A idéia do Centro Museológico como intersecção urbana entre a cidade e o deserto. O Grande Eixo como um conector arquitetônico em escala urbana entre as áreas consolidadas e novas áreas de expansão. O Museu para toda a cidade. Acesso monumental com duas entradas.

3. Um cuidado: A sublimidade das pirâmides. A decisão pela cidade. O caráter eminentemente urbano do Museu, um programa para o Cairo. A esplendorosa coleção, a vida cotidiana, um centro museológico internacional, o mercado popular: Um espaço interno iluminado entre a água e o deserto. Um porto no interior das dunas.

4. The open air Museum: 360 graus. Evitamos a idéia do território como um mero suporte, o grande objeto e os Parques como porções ilhadas de terreno. Os Parques configuram a própria estrutura do território. Não há resíduos entre eles. Da cota mais alta no nível das Pirâmides, um contínuo movimenta-se através de dunas e oásis, até alcançar o imenso platô perfeito na cobertura do Museu. Espetacular paisagem noturna. Um terraço do deserto sobre a cidade.

5. Um risco: Aperture. Consideramos como fachada principal, a extensa faixa verde ao longo da Avenida, o largo espelho d’água, e a empena horizontal tomando a frente inteira do lote. Neste parque linear de vegetação nativa e frescor atmosférico, memória antiga da margem do rio, a monumental empena flutua gentilmente sobre a água. Não um museu-templo, mais um artefato cotidiano, um barco do Nilo com sua vela iluminada. Então, nomeamos esta fachada o “Parque do Nilo”.

6. Hipertexto. A idealização da implantação do museu, é, per si, a metáfora hipertextual da cidade. A implantação urbana e a localização da coleção permanente são ambas entendidas como parte da mesma operação conceitual. Um dispositivo espacial que permite rotas múltiplas.

ficha técnica

Arquitetos responsáveis
Héctor Vigliecca Gani, Luciene Quel

Arquitetos
Ana Carolina M. Damasco Penna, André Luque,  Fábio Farias Galvão, Lilian Hun, Mario Rodríguez Echigo, Ronald Werner Fiedler, Ruben Otero

Multimídia
Flávio Coddou

Renderização
Fernando Leal de Lima, Henrique Blutaumuller

Museólogo e Historiador de Arte
Pieter Thomas Tjabbes

Crítica e Historiadora de Arquitetura
Sophia Telles

Historiador
Charles Villiers

Estagiários
Fabio A. Ayerra Muzikantas, Fabio M. Pereira de Bem, Indiana S. Marteli, Maíra Paes de B. Carrilho

Gerenciamento
Eng. Paulo Eduardo de Arruda Serra

Administração
Luci Tomoko Maie

Estruturas
Eng. Paulo de M. Pimenta, Eng. Elivaldo E. Silva

Ar condicionado
Eng. José de Araújo Neto

Maquete
Kenji Maquetes

Tradução e revisão
Peter Musson, Esther Horowitz

source
Autores do Projeto
São Paulo SP Brasil

comments

030.01 Concurso
abstracts
how to quote

languages

original: português

source
Website do Concurso
Cairo Egito

share

030

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided