Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Paraty. Foto Abilio Guerra

abstracts

português
Caio Falcão e um Bando se destacam na cena atual da música paulistana, renovando o samba tradicional da cidade, dentro de um contexto que lembra em alguns aspectos o período da Lira Paulistana dos anos 1970/80.


how to quote

GUERRA, Abilio. Como os elefantes, os dragões não esquecem. Caio Falcão e a nova cena musical paulistana. Arquiteturismo, São Paulo, ano 09, n. 100.04, Vitruvius, jul. 2015 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/09.100/5644>.


Apresentação de Caio Falcão e um Bando, sede do Projeto Marieta, São Paulo
Foto Abilio Guerra

A cena musical da noite paulista está cheia de novas bandas formadas por uma garotada na faixa de 20 a 30 anos. Os nomes dos grupos são esquisitos em sua evocação nostálgica, falta de síntese ou estranhamento – Charles e os Marretas, Trupe Chá de Boldo, Filarmônica de Pasárgada, Memórias de um Caramujo, Onagra Claudique, Primos Distantes, Mel Azul, Jalapeño, Juliana R, Macaco, Pélico, Moxine, Rafael Castro & Os Monumentais, Macaco Bong... Merecem destaque, na condição de exceções, os nomes Garotas Suecas – algum pai de membro da banda sugeriu a alcunha?! – e a referência ambivalente e criativa encontrada pela trinca que forma O Terno.

Se a opção por nomes de difícil memorização os une, o som que produzem cobre um espectro muito largo, com evidentes fontes de inspiração na música brasileira e internacional. Além do som, a atuação de alguns conjuntos lembra em alguma medida o período do teatro e gravadora Lira Paulistana, pois se juntaram em torno de selos independentes, como Risco e Panela de Pressão, em busca de uma alternativa de difusão. Nos finais dos anos 1970 e início dos 1980, a busca era por um caminho paralelo à prática viciada e corrupta do “jabá”, verba que era passada por baixo do tapete pelas grandes empresas fonográficas – Ariola, RCA Victor, Odeon, Columbia e outras – para apresentadores de programas de música das rádios FM, para que tocassem o que as corporações queriam. A predileção era por astros internacionais prét-à-porter, mais adequados a um ambiente de entretenimento confortável ao regime militar, como não cansava de denunciar naquela época o historiador da música José Tinhorão (1). É nesse contexto histórico de isolamento dos jovens desconhecidos que se constitui a chamada Vanguarda Paulistana, momento de surgimento de músicos e grupos de primeira grandeza, como Arrigo Barnabé, Itamar Assunção, Ná Ozzetti, Tetê Espíndola, Cida Moreira, Rumo, Língua de Trapo, Premeditando o Breque e outros. A ação conjunta permitiu que ultrapassassem a condição de “marginais” e alçassem o status mais confortável de “alternativos” ou “independentes” (2).

Nos dias atuais, a situação social é muito distinta, infinitamente menos ideológica, e as novas bandas estão mais focadas na busca de espaço em um mercado congestionado e hiper-fragmentado após a desaparição das grandes empresas do ramo, a derrocada da audiência das grandes redes de rádio e televisão, e a multiplicação dos meios de difusão graças à aparição das redes sociais. O show voltou a ser vital para o contato com o público, mesmo que, curiosamente, não seja devidamente assimilado pela maioria dos próprios interessados. Os espaços onde estes grupos se exibem são numerosos e institucionalmente variados – desde o tradicional Teatro Tuca da PUC/SP até os bares alternativos, passando pela oficialidade do Auditório do Ibirapuera. A movimentação da cena jovem musical da cidade acabou renovando as figuras do e da tiete, que acompanham com fidelidade as apresentações dos seus grupos preferidos.

Acompanhando meus filhos Helena e Caio Guerra, tenho visto alguns shows dessas bandas, às quais admiro mais ou menos conforme predileções pessoais. Gostei em especial do show Di Melo, o Imorrível & Charlie e os Marretas, um encontro de gerações, onde o recifense da velha guarda Roberto de Melo Santos, o Di Melo, um dos pioneiros do funk e do soul nacionais, foi acompanhado pela jovem banda paulista, com um resultado denso e expressivo.

Contudo, dentre todas as apresentações que vi e ouvi, a que mais gostei – na verdade, adorei – foi a formação Caio Falcão e um Bando, que traz uma fusão da música popular brasileira com grande sotaque paulistano, onde ecoa o tão denigrido samba paulista, em especial Adoniran Barbosa e Paulo Vanzolini. Se é certo que não é o túmulo do samba, esta tradição é marcada por uma interpretação contida e um tom melancólico, expressão noturna e serena de uma cidade afogada durante seu dia-a-dia na agitação, correria e neuroses.

A música Dois Dragões, composição romântica de Caio Falcão (3) e seus parceiros Leo Sogabe e Rodrigo Salles, é um bom exemplo desta fusão de referências musicais: vocábulos saqueado do arsenal de Caetano Veloso – “tigresa”, “leão”, “dragão” –, seguida de uma construção poética banhada por uma sofisticada simplicidade digna do grande músico baiano. O tom monocórdico, sem altos e baixos, sem rimas de efeito, nos faz recordar do tradicional samba paulista. Uma beleza!

“Eu pensava que fostes tigresa
que com presas mordias
nossas carnes dos pés à cabeça
ou quem sabe um amor de leões

Quase nada
mais que tudo
quase tudo
não é nada

É, nós somos dois dragões
com gosto de água e de terra
com o gosto do tempo
na curva de um rio

Nossos dentes à espreita
e o couro à espera
dessas chamas 
que o sol nunca viu

Pedra e brasa nossa vida
de cabeça coração
teus tições dia a dia
nossos dentes um por um
um a um” (4)

Outra música, o Samba dos Menino, de autoria de Caio Falcão, André Sztutman, Enrico Lima e Lello Di Sarno, faz uma atualização do samba paulista tradicional, com forte sotaque da USP (Vanzolini) e do Bexiga (Adoniran), a começar do adorável título em português “errado”, aos moldes de “táuba de tiro ao Álvaro”, “o Arnesto me convidou”, “Que nóis ia se casar”, “As mariposa quando chega o frio” e tantas outras invenções autênticas, genuínas da fala popular. Vamos deixar o poeta se expressar por si mesmo:

“Se alguém me dissesse
que meu samba está sumido
eu pegava o apito
e o quebrado tamborim
e fazia da dor
mais um samba de criança
que os bambas dos bambas
batiam no tambor

Ah, quando o samba cai
é que o samba vai que vai
mas quando o samba vem
pra você meu bem
nem vem que não tem

Não gosta de samba meu bem” (4)

Os dragões, como os elefantes, não se esquecem de onde vieram. Chega a ser comovente este enlace com o passado, provando que o samba não morreu, que ele sobrevive na memória e na música inventiva e renovada de jovens talentosos.

notas

NA – A elaboração deste texto contou com preciosa colaboração dos jovens Giovanni Pirelli,Helena Guerra e Caio Guerra.

1
Sobre o tema do jabá, ver: SUMAN, Katia. O jabá no rádio FM: Atlântida, Jovem Pan e Pop Rock. Dissertação de mestrado. Orientador Valério Brittos. São Leopoldo, Programa de Pós-graduação em Ciências da Comunicação, Unisinos, 2006 <http://biblioteca.asav.org.br/vinculos/tede/jaba%20no%20radio.pdf>.

2
Sobre o contexto social, político, econômico e ideológico do surgimento da Vanguarda Paulistana, ver o interessante artigo: FENERICK, José Adriano. A ditadura, a indústria fonográfica e os “Independentes” de São Paulo nos anos 70/80. Métis: história & cultura, v. 3, n. 6, jul./dez. 2004, p. 155-178.

3
Quem quiser conhecer o trabalho solo de Caio Falcão terá a oportunidade durante o evento inauguração do Projeto Marieta, que acontece no dia 15 de agosto de 2015. A programação completa está disponível no Facebook: <https://www.facebook.com/events/1609384375983216/>.

4
Dois Dragões, música e letra de Caio Falcão, Leo Sogabe e Rodrigo Salles; voz: Caio Falcão / Leo Sogabe; violão: Leo Sogabe; cavaco: Rodrigo Salles; percussão particular especial: Gabriel Toledo; assovio: Leo Sogabe.

5
Samba dos menino, música e letra de Caio Falcão, André Sztutman, Enrico Lima e Lello Di Sarno; voz: Caio Falcão / Laura Diaz / Gaivota Naves; violão Rodrigo Salles; cavaco Rodrigo Salles; bandolim; participação especial: Fábio Peron; baixo: Edu Marmo; bateria: Charles Tixier; cuíca: Pedro Falcão. As músicas do grupo podem ser acessadas em dois links: <https://soundcloud.com/caio-falc-o-e-um-bando/sets/tudo-verde-caio-falcao-e-um-bando> e <http://www.caiofalcao.com>.

sobre o autor

Abilio Guerra é professor de graduação e pós-graduação da FAU Mackenzie e editor, com Silvana Romano Santos, do portal Vitruvius e da Romano Guerra Editora.

comments

100.04 música
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

100

100.01 viagem cultural

Cuba, a esfinge do Caribe

Patrícia Orfila Barros dos Reis and Thiago Henrique Darin

100.02 arquitetura turística

Grande Hotel Ouro Preto

Sérgio Ulisses Jatobá

100.03 ensaio fotográfico

Paraty de ressaca

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided