Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Vista de Madri a partir do Faro de Moncloa. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Ministério do Arquiteturismo adverte: os belos cenários sobrevivem às péssimas notícias!


how to quote

GUERRA, Abilio; GORSKI, Michel. Ministério do Arquiteturismo adverte.... Os belos cenários sobrevivem às péssimas notícias! Arquiteturismo, São Paulo, ano 14, n. 166.03, Vitruvius, jan. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/14.166/8059>.


Durante a construção de Brasília na segunda metade dos anos 1950, seus grandes idealizadores – os arquitetos e urbanistas Lúcio Costa e Oscar Niemeyer – adotaram um dos princípios em voga na discussão do movimento moderno internacional: a síntese das artes!

Era um valor tão potente que, em setembro de 1959, quando ainda estava em construção, a nova capital foi palco do Congresso Internacional Extraordinário de Críticos de Arte, evento que trouxe para o planalto central brasileiro nomes como os arquitetos Richard Neutra, Eero Saarinen, Jean Prouvé, André Wogenscky, os editores John Entenza e Andre Bloc, o urbanista e presidente do júri para o concurso de Brasília William Holford, a designer Charlotte Perriand, além dos próprios críticos Stamos Papadaki, Gillo Dorfles, Giulio Carlo Argan, Alberto Sartoris e Bruno Zevi, dentre outros tantos.

Brasília e sua majestosa arquitetura deu suporte para as obras de artistas do quilate de Bruno Giorgi, Alfredo Ceschiatti, Franz Weissmann, Maria Martins, Lasar Segall e Marianne Peretti, além da arte paisagística de Roberto Burle Marx. Athos Bulcão, um dentre tantos, se destacou pelo número de obras e soluções “simbióticas” com a arquitetura, exemplificadas pelas empenas externas do Teatro Nacional, o painel de madeira entreliçado do Palácio do Itamaraty, e a azulejaria da Igreja Nossa Senhora de Fátima, a “Igrejinha”, onde Niemeyer e Bulcão cumpriram com elegância e maestria a promessa feita pela primeira-dama Sarah Kubitschek. De Athos Bulcão é a “Ventania”, obra em azulejos de 1971, instalada em parede do Salão Verde da Câmara dos Deputados, no Congresso Nacional.

Poucos anos depois da inauguração, a bela paisagem artificial, concebida e construída a partir do que melhor tinha acumulado em conhecimento técnico e beleza plástica nossa arquitetura moderna, tornou-se fonte de notícias nem sempre alvissareiras, chegando ao ponto atual, onde elas são péssimas. Acreditamos que não podemos creditar esse passivo na conta de nossos arquitetos e artistas.

sobre os autores

Abilio Guerra é professor de graduação e pós-graduação da FAU Mackenzie e editor, com Silvana Romano Santos, do portal Vitruvius e da Romano Guerra Editora.

Michel Gorski é arquiteto e escritor, trabalha com arquitetura do entretenimento e urbanismo, é coeditor da revista Arquiteturismo. Autor dos livros (em parceria com Silvia Zatz): Por um triz (juvenil), O soprador (romance adulto), Irerê da Silva e A mão livre do vovô (infantis).

comments

166.03 ministério do arquiteturismo
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

166

166.01 arquiteturismo em questão

Como fazer um passeio de Jane?

Susana Jiménez

166.02 resenha

Viagens

Renata Pimentel

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided