Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Missão jesuítica de São João Batista. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
O Haiti sofreu um grande terremoto em janeiro de 2010. As marcas deixadas pela tragédia redesenharam a estrutura das cidades da região de Porto Príncipe. Os escombros passaram a representar um novo significado na memória haitiana.

english
Haiti suffered a major earthquake in January 2010. The marks left by the tragedy redesigned the structure of cities in the Port-au-Prince region. The rubble came to represent a new meaning in Haitian memory.

español
Haití sufrió un gran terremoto en enero de 2010. Las marcas dejadas por la tragedia rediseñaron la estructura de las ciudades de la región de Puerto Príncipe. Los escombros llegaron a representar un nuevo significado en la memoria haitiana.


how to quote

MONTREZOL, Alyson Cardoso; IMBRONITO, Maria Isabel. Há vida sob os escombros. A tragédia haitiana e a luta pela dignidade e justiça. Arquiteturismo, São Paulo, ano 15, n. 172.01, Vitruvius, jul. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/15.172/8208>.


A região de Porto Príncipe, capital do Haiti, situada na América Central, foi devastada por um grande terremoto em janeiro de 2010. Foram necessários aproximadamente 35 segundos de tremor para grandes construções – e até palácios – se transformarem em quantidades inimagináveis de escombros, transformando a paisagem da cidade em uma terrível imagem de caos.

Lamentavelmente uma grande parte da população foi drasticamente sepultada ainda com vida. Segundo o Banco Mundial, 2011, o desastre causou mais de 220 mil mortes registradas, 300 mil feridos, 1,5 milhão de desabrigados. Depois de algumas semanas do terremoto, ainda era possível observar pessoas vagando sem rumo pelas ruas da cidade.

O terremoto explicitou os problemas sociais que o país enfrentava. Muitas pessoas passaram a morar em barracas improvisadas, configurando uma arquitetura caracterizada pelo provisório. A desigualdade social e a extrema pobreza ficaram ainda mais expostas na paisagem de Porto Príncipe. Uma boa parte desses problemas ainda eram reflexo de mais de dois séculos de uma independência cativa que o Haiti vive até hoje.

Escolas e repartições públicas ficaram fechadas por aproximadamente três meses após o terremoto. O comércio informal dividia o espaço das ruas com os abrigos. As construções que ainda permaneciam de pé não eram utilizadas em razão do medo de novos tremores. O conceito de abrigo seguro está muito ligado ao tangível e ao concreto e, naquele momento, a fragilidade das estruturas se refletia no comportamento da população.

No entanto, mesmo diante de imagens desoladoras, era possível observar a riqueza do país: pessoas inspiradoras, homens e mulheres que lutavam pela vida de forma admirável. No meio do caos, era possível observar que algumas pessoas não se renderam ao desânimo e não deixaram sua vontade de viver se abalar pelo tremor.

O processo de reconstrução de uma nação em ruínas se inicia na medida que a população começa a imaginar uma nova realidade. Acreditar que um país destroçado e corrupto ainda pode se tornar um lugar bom para se viver é alimentar um sonho possível, ainda que difícil. Esta imaginação move, inspira e ainda pulsa.

Sob os escombros da tragédia haitiana, ainda hoje vivem os que lutam por dignidade e justiça. É na adversidade que nascem as mais belas flores!

sobre os autores

Alyson Montrezol é formado em comunicação social, é especialista em psicopedagogia e mestrando em Arquitetura e Urbanismo (USJT). Fotógrafo, professor universitário e coordenador dos Laboratórios de Imagem e Som na Universidade São Judas. Atualmente está produzindo alguns filmes sobre o Haiti. O primeiro, “Dignité”, sobre o direito humano à educação no Haiti, teve seu lançamento mundial em abril de 2015 no Haiti.

Maria Isabel Imbronito tem graduação (1994), mestrado (2003) e doutorado (2008) em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. É docente nos cursos de Graduação e mestrado stricto sensu em Arquitetura e Urbanismo da Universidade São Judas Tadeu, e pesquisadora da mesma Instituição. Também é docente na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

preâmbulo

O presente artigo faz parte de Preâmbulo, chamada aberta proposta pelo IABsp e portal Vitruvius como ação para alavancar a discussão em torno da 13ª edição da Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, prevista para 2022. As colaborações para as revistas Arquitextos, Entrevista, Minha Cidade, Arquiteturismo, Resenhas Online e para a seção Rabiscos devem abordar o tema geral da bienal – a “Reconstrução” – e seus cinco eixos temáticos: democracia, corpos, memória, informação e ecologia. O conjunto de colaborações formará a Biblioteca Preâmbulo, a ser disponibilizada no portal Vitruvius. A equipe responsável pelo Preâmbulo é formada por Sabrina Fontenelle, Mariana Wilderom, Danilo Hideki e Karina Silva (IABsp); Abilio Guerra, Jennifer Cabral e Rafael Migliatti (portal Vitruvius).

comments

172.01 13ª Bienal + Vitruvius (Preâmbulo)
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

172

172.02 ensaio fotográfico

Igreja de Gesù em Roma, Itália

Victor Hugo Mori

172.03 ensaio fotográfico

Sant’Ignazio di Loyola em Roma

Victor Hugo Mori

172.04 ensaio fotográfico

Velha Catedral de Salamanca, Espanha

Victor Hugo Mori

172.05 ensaio fotográfico

Basílica de Saint-Denis nos arredores de Paris

Victor Hugo Mori

172.06 ensaio fotográfico

Palau de la Musica de Barcelona

Victor Hugo Mori

172.07 ensaio fotográfico

Sinagoga de Tomar em Portugal

Victor Hugo Mori

172.08 ensaio fotográfico

Catedral de Havana

Victor Hugo Mori

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided