Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Crônica de Carlos Martins, professor do IAU USP São Carlos, sobre a evolução da crise política brasileira, agora avançando na seara moralista devido às acusações de corrupção no governo central.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. O toque de recolher. Sobre o negacionismo de esquerda. Drops, São Paulo, ano 21, n. 166.01, Vitruvius, jul. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.166/8140>.


Negacionismo de esquerda
Imagem AG


O Brazil de hoje impõe dilemas de ação e de linguagem. O presidente diz que cagou para a CPI e os comandantes militares avisam que quem continuar denunciando vai se arrepender. Ou, em termos populares, se tiver juízo deve começar a se cagar de medo.

Em circunstâncias de temperatura e pressão normais seria inaceitável utilizar essa linguagem numa coluna.

Mas está claro – ou precisa urgentemente ficar – que estamos cada vez mais longe de pressão e temperatura, sociais, culturais ou civilizatórias, normais.

E que não é uma política eficiente continuarmos nos comportando, em ações e linguagem, como se estivéssemos.

Diante das evidências borbulhantes de articulações golpistas – no plural – tão numerosas e intensas que uma coluna semanal não dá conta de recensear, a pior coisa a fazer é se refugiar no que alguém já chamou, de maneira precisa, de negacionismo de esquerda.

É uma reação psicológica ancorada no tipo de autoengano de quando éramos crianças e acreditávamos que, ao fechar os olhos, tudo que era ameaçador no mundo exterior desapareceria.

De um lado as pesquisas mostram o apoio popular de Bolsonaro derretendo semana após semana, o potencial eleitoral de Lula consolidado e ascendendo e a CPI começando a expor as entranhas do que parecia incompetência, mas era apenas a velha e boa corrupção no núcleo do Ministério da Saúde militarizado.

De outro, quando o presidente avisa, pública e solenemente, que cagou para o tema, boa parte da mídia, a classe média com restos de hábitos civilizados e as esquerdas em geral veem na manifestação do genocida simplesmente mais uma (e só aí já vai uma enorme carga de naturalização) demonstração de grosseria e despreparo.

Talvez seja mais prudente acreditar que, elegante ou não, ele disse o que pensa.

Porque sabe que a maioria da Câmara não dará bola para o relatório da CPI.

Porque Lira repetiu pela enésima vez que não abrirá processo de impeachment.

Porque os 54% de eleitores favoráveis a se livrar de Bolsonaro ainda não atemorizam os deputados que receberam 3 bilhões de reais no “orçamento paralelo” para investir nas suas bases e ninguém perguntar o que eles fizeram no verão passado.

Talvez porque a esta altura ele esteja mais preocupado com a eventual simpatia de setores militares por alguém mais limpinho, tipo Mourão, para levar adiante o serviço provocando menos reações desnecessárias.

Por isso a escandalosa nota dos comandantes militares e o destemperado repique do comandante da Aeronáutica devem ser entendidos pelo valor de face.

Os sete mil militares incrustrados no aparelho de estado podem até se livrar de Bolsonaro – se conseguirem – mas não tem a menor intenção de voltar aos quartéis.

Eles só não sabem, nem nós, se as ruas atenderão ao toque de recolher.

nota

NE – A publicação original do texto ocorreu no Facebook do autor.

sobre o autor

Carlos Ferreira Martins é professor Titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP São Carlos.

 

comments

166.01 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

166

166.02 homenagem

As arquitetas e os livros

Dia nacional da arquiteta e urbanista

Abilio Guerra

166.03

Quando há a morte da arquitetura

Brendow Butinhol and Caio Côbo

166.04 política

Praça, Supremo, cemitério

Milton Hatoum

166.05 crise

Pela preservação da Escola de Artes e Arquitetura Professor Edgar Albuquerque Graeff

Rodrigo Bastos

166.06 política

O fogo e as cinzas

Entre o renascimento de Fênix e a punição eterna de Prometeu

Carlos A. Ferreira Martins

166.07 eventos extremos

Velhos desastres, mesmas cidades

Alexandre Augusto Bezerra da Cunha Castro and Karla Azevedo dos Santos

166.08 instagram e pesquisa

Narrativas fotográficas no Instagram

Eduardo Oliveira Soares

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided