Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Martins, professor do IAU USP São Carlos, comenta a “terceira via” e outras formas buscadas pelas elites econômicas e políticas para burlar a vontade do povo.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. O projeto "fazendão" cabe numa democracia? Drops, São Paulo, ano 21, n. 167.04, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.167/8195>.


Plantação de soja, fronteira agrícola na região da Chapada dos Veadeiros, Alto Paraíso GO
Foto Marcelo Camargo [Agência Brasil]


A crônica política brasileira, com os sazonalmente indignados editoriais de Folhas, Estadões e Globos, é uma espécie de teatro de sombras chinês: serve para fascinar as crianças enquanto esconde a habilidade de quem movimenta os palitos.

Bolsonaro gostaria de “dar um golpe” para perpetuar sua família e seus apaniguados, civis e militares, no aparato de estado até, eventualmente, se livrar dos 30 mil esquerdistas que a gloriosa de 64 deixou vivos? Difícil achar quem pense que não.

Essa é a melhor alternativa de que dispõem aqueles que, mesmo não compondo a familícia ou o rol imediato de apaniguados, trabalharam ativamente, nos bastidores ou nem tanto, pela sua eleição? Difícil achar quem pense que sim.

E qual é então, a alternativa melhor que o genocida racista e homofóbico? É aqui que vale lembrar a sabedoria do companheiro do Zorro, que de tonto só tinha o nome: Melhor para quem, cara-pálida?

Enquanto as pesquisas de opinião não forem proibidas, a resposta, considerada a prudência do representante dos povos originários, é: para a maioria dos eleitores a melhor alternativa é aquela em que já queria ter votado em 2018.

Mas ao contrário dos patrões dos indignados sazonais, a maioria dos eleitores não manda no país. Não tem maioria no Congresso, não chega aos extratos superiores das Forças Armadas nem da magistratura. E para tristeza daqueles que, fazendo parte dessa maioria, chegaram a acreditar em Bolsonaro, não tem salário nem para alimentar sua família, quanto mais para comprar uma arma de vários salários mínimos.

Por isso os indignados sazonais continuam buscando uma alternativa que possa ser chamada de democrática para, mais uma vez, negar o pressuposto básico da democracia: a entrega do poder ao escolhido pela maioria.

Terceiras, quartas ou quintas vias; semi-presidencialismo ou outro tipo de parlamentarismo envergonhado; distritões montados com a grana do “orçamento paralelo”; ameaças seguidas de desmentidos seguidos de ameaças das Forças Armadas, tudo vale, exceto dizer com clareza que haverá eleições, que elas serão livres, seguirão as regras do jogo e o resultado será respeitado.

Tudo vale pela simples e boa razão de que o projeto do pessoal da grana alta, aqueles que tem nos limpinhos da imprensa seus sócios e operadores do teatrinho de sombras, já assumiu há tempos que o antigo país chamado Brasil lhes dá mais lucro convertido num fazendão exportador de soja, minério e madeira ilegal. Em que se vendam mais SUVs que carros populares. Em que mais da metade da população passe fome, esporádica ou sistêmica. Em que os velhos sejam tratados como peso morto e os jovens aceitem que só haverá futuro para os poucos que “merecerem”.

O problema deles é encontrar algum simulacro de democracia que garanta a continuidade desse projeto. O nosso é garantir que as eleições ocorram, que sejam livres e que o eleito seja empossado e lhe seja permitido governar.

sobre o autor

Carlos Alberto Ferreira Martins é professor titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP São Carlos.

 

comments

167.04 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

167

167.01 homenagem

Vera Magiano Hazan

Covid-19 interrompe uma vida cheia de realizações e promessas

Otavio Leonidio, Fernando Espósito and Marcelo Bezerra

167.02 racismo

Por causa da cor

Sobre o racismo cordial e estrutural do Brasil

João Sette Whitaker

167.03 crítica

Um Niemeyer possível

Thiago de Almeida

167.05 homenagem

Geraldo Gomes da Silva

A ida final do arquiteto, professor, pesquisador, gestor e fotógrafo

Luiz Amorim and Frederico de Holanda

167.06 manifesto

“O MEC não pode ser vendido!”

Manifesto contra ameaça de venda do Palácio Capanema

Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil CAU/BR, Conselho de Arquitetura e Urbanismo do RJ CAU/RJ, Instituto de Arquitetos do Brasil IAB/RJ, Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas SARJ, Associação Brasileira de Ensino de AU ABEA, Assoc. Brasileira de Arquitetos Paisagistas Abap, Federação Nac. de Estudantes de AU do Brasil FeNEA, Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos RJ SEAERJ and Fórum de Entidades em Defesa do Patrimônio Cultural Brasileiros

167.07 política

O importante é destruir

Para desministro da educação a universidade é para poucos

Carlos A. Ferreira Martins

167.08 política

Uma disciplina chamada mentira

Agulhas Negras e a formação militar

Milton Hatoum

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided