Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Mesa redonda com Angelo Bucci, Augusto Massi, Milton Hatoum e Sonia Marques, moderação de Abilio Guerra, evento da UIA 2021 Rio com apoio do projeto Marieta, tratou das múltiplas relações entre os livros e a cidade.

how to quote

GUERRA, Abilio. A cidade e seus simulacros – o livro e o urbano. Conversa com Angelo Bucci, Augusto Massi, Milton Hatoum e Sonia Marques. Entrevista, São Paulo, ano 22, n. 087.02, Vitruvius, set. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/22.087/8246>.



Angelo Bucci

Nascido em Orlândia, 1963, Angelo Bucci é arquiteto e urbanista, mestre e doutor (FAU USP, 1987, 1998 e 2005).Professor de Projeto de Edificações desde 1989 em diversas escolas, atualmente vinculado à FAU USP desde 2000. Professor visitante em universidades do exterior, dentre elas Princeton University, Yale University, UT Austin, GSD Harvard, Massachusetts Institute of Technology – MIT, CEDA UC Berkeley e Arizona State University (Estados Unidos), ETH Zurich (Suíça), Universidad Torcuato Di Tella (Argentina), IUAV (Itália), Universidade Andres Bello (Chile) e Universidad de Cuenca (Equador). Entre 1987 e 1989 foi colaborador em escritórios de arquitetura, a partir de 1989 atuou em escritório próprio associado a outros colegas arquitetos. Desde 2003 dirige o escritório SPBR Arquitetos. É autor do livro São Paulo, razões de arquitetura – da dissolução aos edifícios e de como atravessar paredes (Romano Guerra, 2010), que ganhou a versão em inglês São Paulo, Reasons for Architecture – the Dissolution of Buildings and How to Pass Through Walls (UT Austin, 2011).


Augusto Massi

Nascido em São Paulo, em 1959, Augusto Massi é jornalista (PUC-SP, 1983), mestre em Literatura Espanhola e Hispano-América (1992) e doutor em Literatura Brasileira (2004) pela USP, onde é professor de Literatura Brasileira desde 1990. Foi presidente da Cosac Naify durante os anos 2000. Como editor, publicou Manuel Bandeira, João Cabral de Melo Neto, Machado de Assis, Lima Barreto, Raduan Nassar e Francisco Alvim. Como ensaísta, abordou as obras de Chico Buarque de Holanda, Dalton Trevisan, Adélia Prado, Dyonélio Machado e Otto Lara Resende. Dentre outros, organizou a Poesia completa de Raul Bopp (José Olympio, 2013) e os livros de memórias de Iberê Camargo (Gaveta dos guardados, 2010) e de Cícero Dias (Eu vi o mundo, 2011), ambos pela Cosac Naify. Como poeta, estreou com Negativo (Companhia das Letras, 1991), depois publicou Vida errada (7 Letras, 2001) e Borra (Tipografia do Zé, 2020), sobre a tragédia de Brumadinho. É também autor do livro infantil Monstros do cinema (ilustrações de Daniel Kondo, 2016) e Fernando Lemos & Hilda Hilst (2018), ambos pelas Edições Sesc-SP.


Milton Hatoum

Nascido em Manaus, 1952, Milton Hatoum é formado em arquitetura pela FAU USP. Foi professor da Universidade Federal do Amazonas e professor visitante na Sorbonne (Paris 3) e na Universidade da California (Berkeley). É autor dos romances Relato de um certo Oriente (1989), Dois irmãos (2000), Cinzas do Norte (2005), Órfãos do Eldorado (2008), A noite da espera (2017), O lugar mais sombrio (2019), e do livro de contos A cidade ilhada (2006), todos eles atualmente no catálogo da Companhia das Letras. Sua obra de ficção, publicada em quinze países, recebeu vários prêmios no Brasil e no exterior, dentre eles o Jabuti, Bravo!, APCA e Portugal Telecom. Traduziu os livros Representações do intelectual (de Edward Said, Cia das Letras, 2005), A cruzada das crianças (de Marcel Schwob, Editora 34, 2020) e Três contos (de Gustave Flaubert, Editora 34, 2019), traduzido em parceria com Samuel Titan Jr.


Sônia Marques

Nascida em Recife, 1951, Sônia Marques é arquiteta e urbanista (UFPE, 1973), mestre e doutora em sociologia (UFPE, 1983; EHESS Paris, 1996). Foi professora no Brasil em programas de graduação e pós-graduação de Arquitetura e Urbanismo, Sociologia, História e Artes Visuais (UFPE, UFBA, UFRN, UFPB) e no exterior (Universidades de Montreal e UT-Austin). Foi Consultora do CNPQ, da Facepe, Fapeam e Capes, presidente do Instituto de Arquitetos de Pernambuco – IAB/PE (1979-1980) e da Associação dos Docentes da UFPE (1983-1984), diretora técnica da 5aRegional do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan (1994-1996), membro do Conselho Fiscal da Associação Nacional de Pós-graduação em Pesquisa e Planejamento Urbano Regional – Anpur (2003-2005), membro do comitê internacional de Educação do Docomomo (2004) e coordenadora do Docomomo Brasil (2013-2015). É tradutora pública de francês e poeta premiada pela Academia Pernambucana de Letras, autora dos livros de poemas Onde todo tempo é breve (CEPE) e de Viagens e Fugas, os dois últimos ilustrados por Eliane Lordello e publicados pela editora Trevo.


Abilio Guerra

Nascido em São Paulo, 1959, Abilio Guerra é arquiteto (FAU PUC-Campinas, 1982), mestre e doutor em História (IFCH Unicamp, 1989 e 2002), professor adjunto de FAU Mackenzie (graduação e pós-graduação). Com Silvana Romano Santos, é editor da Romano Guerra Editora e do Portal Vitruvius. Curador das exposições Arquitetura brasileira: viver na floresta (Instituto Tomie Ohtake, 2010), Território de Contato (com Marta Bógea, Sesc Pompéia, 2012) e Três pavilhões de Sérgio Bernardes (com Fausto Sombra, Centro Histórico e Cultural Mackenzie, 2019). É autor dos livros O primitivismo em Mário de Andrade, Oswald de Andrade e Raul Bopp (2010), Rino Levi, arquitetura e cidade (com Renato Anelli e Nelson Kon, 2001 e 2019) e Arquitetura e natureza (2016, menção especial CICA Awards 2017), e organizador de Textos fundamentais sobre a história da arquitetura moderna brasileira (2010), Brasil Arquitetura – Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz, projetos 2005-2020 (com Silvana Romano Santos e Marcos Grinspum Ferraz, 2019) e Ruy Ohtake, arquiteto (com Silvana Romano Santos, 2021), todos pela Romano Guerra Editora.

Centro Cultural Marieta

Marieta é um centro cultural comunitário colaborativo, fundado em 2015 com a proposta de ser um espaço de pesquisa, difusão e produção de arte e cultura contemporânea. A diretoria e conselho curatorial é da responsabilidade do coletivo formado por Abilio Guerra, Caio Guerra, Giovanni Pirelli, Helena Guerra, Silvana Romano Santos.

Evento

A conversa sobre livros e cidades ocorreu dentro do escopo do Congresso da União Internacional de Arquitetos – UIA 2021 Rio, no dia 18 de julho de 2021, a partir das 19h30, com as presenças virtuais dos convidados devido a pandemia de Covid-19. A apresentação e finalização da mesa redonda foram feitas por Margareth da Silva Pereira, representante da UIA e idealizadora da mesa em parceria com Abilio Guerra, membro do coletivo Marieta.

comments

087.02 literatura e arquitetura
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

087

087.01 arquitetura sacra e fenomenologia

Arquitetura sacra e fenomenologia: Igreja do Ressuscitado que Passou pela Cruz

Clarissa Freitas de Andrade

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided