Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
Em um Encontro Latinoamericano de Estudantes de Arquitetura, ocorrido em 2018 no Uruguai, o coletivo mexicano Arrabal propõe uma instalação em homenagem aos peregrinos do continente, o Memorial aos migrantes.

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Memorial aos migrantes. Intervenção urbana-paisagística – monumento aos migrantes. Projetos, São Paulo, ano 20, n. 235.02, Vitruvius, jul. 2020 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/20.235/7839>.


A proposta de intervenção foi concebida para ser desenvolvida durante o Encontro Latinoamericano de Estudantes de Arquitetura – Elea, que reúne “famílias” de vários países, e que em 2018 aconteceria em Colônia do Sacramento, no Uruguai. Foi a partir dai que começamos a gerar o conceito, com temáticas que já habitavam nossos pensamentos e que estavam impacientes para serem transmitidas.

Memorial aos migrantes, croquis original, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal

A ideia surgiu de inúmeras noites de conversas, da forte referência de Colônia na obra do artista Joaquín Torres García, de sua frase “nosso norte é o sul” e da imagem que todos temos tatuada no imaginário, esse esboço da América Latina invertida, onde o sul se torna a referência, o lugar para onde caminhar (“Vamos caminando hacia el sur”, diz uma música da banda argentina Los Espíritus, fonte de inspiração importante nas nossas conversas sobre o projeto).

Começamos a nos perguntar questões de identidade latino-americana, e tudo apontava para a migração que todos nós latinos compartilhamos. De histórias de migração todos nós viemos, e esse instinto que todos nós sentimos, essa necessidade de caminhar, por situações, por impulso, por compulsão ancestral.

Memorial aos migrantes, croquis original, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal

“Como mares que quiebran las rocas
O huracanes que llevan las olas
Así de fuerte somos

Vamos caminando hacia el sur
Hasta la montaña
Vamos caminando hacia el sur
Hasta encontrar lo que olvidamos entre el oro

Huracanes, Los Espíritus

Conceito: peregrinos

O termo peregrino carrega implícita uma questão de fé, não para uma religião, mas para uma crença própria, algo que fortalece. Queremos colocar em uma outra perspectiva o conceito de migração devida a falta de oportunidade ou por necessidade, e propor o termo “peregrinação”, que implica em uma convicção (“andá com fé eu vou, que a fé não costuma faiá”, como diria Gilberto Gil).

Memorial aos migrantes, croquis original, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal

Queríamos que esse Elea fosse um detonante para este conceito que todos nós nos apropriamos, uma ideia fortalecida por eventos recentes naquele 2018 – o muro que começava a ser construído na fronteira da América Latina, no norte do México com Estados Unidos, por exemplo – e pensar em uma imagem simbólica de migrantes retornando às suas terras, caminhando em direção ao novo norte (“Nosso Norte é o Sul”).

Materialização

A oficina tinha o objetivo de gerar uma intervenção na paisagem ao esculpir migrantes ou peregrinos, criando esculturas urbanas. E na estrutura coletiva, a intervenção teria sua força, impacto visual e sensorial, assim como seu significado, podendo cada escultura ser o reflexo de um participante, ou de algum amigo, ou da memória de uma pessoa querida, ou de alguma lembrança de migração.

O processo deveria ser simples, o desafio era poder esculpir muitos corpos em poucos dias, até atingir uma multidão. E cuja materialidade lhes permitisse ser integrados ao contexto para durarem o tempo que os moradores de Colônia achassem legal.

Memorial aos migrantes, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal
Foto Vir Diamante

Então escolhemos criar silhuetas abstratas armadas com vergalhões de aço, estribos e amarrações, de forma similar ao processo de construção de colunas de concreto armado, devido à facilidade construtiva e para dar essa mensagem de desconstruir significados.

Uma ideia cheia de ironia: no encontro de estudantes de arquitetura ia dar a impressão de que os participantes da oficina estavam apenas criando armaduras de vergalhões de aço simples, quadrados... e então essas peças seriam deformadas para criar não uma coluna, mas uma escultura, e cada escultura, uma representação de um corpo, uma maneira de aprender a fazer uma armadura simples de aço, e ao mesmo tempo aprender a desconstruir esse conceito da função lógica.

Reflexão crítica após terminar o memorial

Tendo em consideração o desafio de produzir muitas peças em poucos dias, a gente entende que o resultado foi ótimo, tanto na quantidade de peças produzidas, quanto na estética pretendida – uma pessoa rabiscada no ar. A intervenção precisava de ser rápida, então o método mais simples era apenas encaixar os vergalhões na terra, e felizmente – e com a ajuda do Comitê de Organização, o “Comorg” – as esculturas foram “semeadas” em um lugar maravilhoso.

Memorial aos migrantes, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal
Foto Tania Cáceres

Destacamos o valor adicional que o lugar destinado conferiu à nossa intervenção. O Memorial aos migrantes ficou na beira do Rio da Plata, em uma praia de grama, um lugar poético por si mesmo. Assim, as silhuetas ficavam recortadas contra o horizonte infinito.

Detalhe simbólico-poético: o fogo interior

A nossa ideia era dar a cada migrante um conceito desse fogo interior, e que de noite cada escultura virasse um farol na beira do rio. Esse fogo transmitiria a mensagem dessa ilusão, ou motivação que cada peregrino leva dentro de si quando vai andando até um objetivo. Também cumpria a função de lembrança de uma vida em combustão.

Inicialmente, o fogo seria representado por velas dentro de um copo de vidro, para que durassem mais tempo à maneira de um altar, mas as condições do lugar (um vento muito forte que soprava o tempo todo e que apagava logo o fogo das velas) nos levou a uma solução alternativa, que afinal, deu mais força ao conceito.

Memorial aos migrantes, Elea 2018, Colônia do Sacramento, Uruguai. Coletivo Arrabal
Foto Eleazar Cuadros

O fogo foi produzido por pelotas tatá – um objeto de herança guarani, sempre presente nos Elea’s – em um evento organizado pela família paraguaia, onde uma multidão chuta dezenas de bolas feitas de panos velhos pegando fogo; então, em uma espécie de ritual bélico, a multidão “guerreia” chutando bolas de fogo. Essas bolas embebidas em gasolina tornaram-se o fogo perfeito, e insuflaram nos migrantes a força do simbolismo latino-americano.

Enquanto as pelotas tatá eram penduradas e acendidas no interior de cada peregrino, a gente fez uma reflexão das nossas origens. Foi um momento muito emotivo. Pessoas chorando e todo mundo se abraçando; isto foi – pensamos – o grande sucesso do memorial. O nível de emotividade foi atingido pela força da memoria coletiva. O momento durou poucas horas, e o memorial apenas uns dias, mas nós que vivenciamos o momento sabíamos que no dia seguinte cada um voltaria para o seu país, mas que tínhamos vivenciado algo para a vida toda. Uma força coletiva que ainda tentamos não esquecer.

[em memória de Nico]

nota

NE – Este projeto foi publicado na revista Projetos do portal Vitruvius como um subproduto da primeira edição de Comuns, laboratório virtual de arquitetura experimental e participativa, organizado por Marcella Arruda e Marina Frugoli, em colaboração com André Moraes e o centro cultural Marieta, de São Paulo, Brasil. O evento se realizará entre 16 de setembro e 21 de outubro de 2020. As inscrições para o processo seletivo estarão abertas até 16 de agosto. Comuns convidou aos coletivos: Al Borde (Equador), a77 (Argentina), Mouraria 53 (Brasil); Colectivo Arrabal (México), Micrópolis (Brasil), Goma Oficina (Brasil); Terceira Margem (Brasil), Ruta4 (Colômbia), Eleazar Cuadros (Peru); Arquitectura Expandida (Colômbia), Comunal (México), e SePlan Conde (Brasil).

ficha técnica

obra
Memorial aos migrantes

autoria
Coletivo Arrabal (México) / arquitetos Carlos Martínez, Carlos Becerra, Daniel Da Rosa, Engels Ruelas, Javier Castro, Julio Gutiérrez e Ricardo Bocanegra

evento
XXVI Encontro Latinoamericano de Estudantes de Arquitetura – Elea

local
Colônia do Sacramento, Uruguai

data
De 13 a 20 de outubro de 2018

comments

235.02 laboratório comuns
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

235

235.01 laboratorio comuns

Taller de Confección Amairis

235.03 laboratório comuns

Mouraria 53

235.04 laboratorio comuns

We Can Xalant: para una política de constelaciones temporarias

235.05 laboratorio comuns

Casa en construcción

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided