Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

how to quote

POLITIS, Gustavo G.. Arqueologia e patrimônio não são apenas sobre o passado. Resenhas Online, São Paulo, ano 03, n. 032.01, Vitruvius, ago. 2004 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/03.032/3183>.


A arqueologia é uma ciência social de certa complexidade, já que deve ser manejada simultaneamente na escala temporal e espacial e interagir com o conhecimento produzido por outras ciências, tais como a geologia, a antropologia, a paleontologia, e a paleoecologia. Apresentar a arqueologia como disciplina integral num texto introdutório é ainda muito mais complexo, visto que, além das dificuldades inerentes que supõe reduzir em poucas páginas uma ciência multidisciplinar, o publico não especialista tem, na maioria das vezes, uma visão distorcida da disciplina. Para a maioria dos leigos, a arqueologia é uma prática científica que se reduz à escavação das pirâmides do Egito, ou dos monumentos da Grécia Clássica, ou discorre num mundo de aventuras e explorações ao estilo “Indiana Jones”. Pouca gente crê que as pinturas rupestres, os índios que habitaram as costas de Brasil há milhares de anos, as vasilhas de cerâmica e os artefatos de pedra que são encontradas aos milhões na América do Sul, são projetos sérios de arqueologia. Em geral, se pensa que são temas menores, pouco dignos do trabalho a ser desenvolvido e insignificantes se comparamos ao Partenon, a Esfinge de Gizé ou com algum templo de Camboja.

Neste livro, Pedro Funari se compromete com a colossal tarefa de colocar a arqueologia no plano da realidade, de romper com o mito de que a arqueologia se realiza somente em cima das obras monumentais e objetos exóticos. Neste sentido, Funari se distancia de outros textos introdutórios que tendem a resumir e simplificar a arqueologia e terminam apresentando uma visão uniforme e pré-estabelecida da disciplina, visão errônea que não representa o estado crítico e de permanente reflexão na qual a mesma se desenvolve. Funari transita com singeleza e clareza no delicado caminho que leva para o entendimento de que a arqueologia, apesar de estudar o passado, é uma ciência do presente e que seus produtos – conhecimentos originais – se incorporam à vida cotidiana de nossa sociedade.

A obra tem um eixo muito nítido que o autor expressa logo no início do livro: “a Arqueologia estuda, diretamente, a totalidade material apropriada pelas sociedades humanas, como parte de uma cultura total, material e imaterial, sem limitações de caráter cronológico”. Dito em outras palavras, ainda que a disciplina não se possa escapar da materialidade da cultura, não renega os aspectos imateriais, os que permitem conhecer o profundo e o diferente das sociedades. Ademais, Funari não se limita a um tempo, rompendo com a já anacrônica concepção de que a arqueologia era a forma de abordagem para o estudo dos povos sem escrita.

Para que serve a arqueologia? Que são os “fatos arqueológicos”? Existem limites entre a arqueologia, a antropologia e a história? O quê é um artefato? Por que a arqueologia pode se considerar um tipo especial de leitura? Estas e muitas outras perguntas são desenvolvidas no livro, contribuindo com as possíveis respostas nas mais diferentes visões. Desta maneira, o autor nos dá um panorama atual da ciência, onde o arqueólogo não descobre um passado pré-existente, mais sim, ele constrói um passado, não só se baseando nos dados arqueológicos, mais utilizando também o contexto social e político e pelas demandas e interesses da sociedade estudada.

Por último, neste livro se toca nos principais temas e problemas da arqueologia contemporânea com clareza e atualidade, ilustrando-os com alguns exemplos do Brasil, mas sem esquecer o caráter universal da disciplina. Ao longo desta síntese, Funari deixa uma clara mensagem para todos aqueles que desejem saber de que se trata realmente a disciplina: a arqueologia não é uma ciência dos objetos e das coisas mortas do passado; a arqueologia é, pelo contrário, uma ciência da cultura e de suas infinitas transformações durante o desenvolvimento da humanidade ao longo do tempo.

[resenha publicada originalmente em www.nethistoria.com (ISSN 1679-8252), julho de 2004.]

[tradução de Leonardo Soares]

sobre o autor

Gustavo Politis é pesquisador do Museo Nacional de La Plata, professor da Universidad Nacional del Centro, Argentina, autor de Nukak, organizador de Archaeology in Latin America (Londres e Nova Iorque, Routledge, 1999), autor de dezenas de artigos científicos publicados nos EEUU, Inglaterra, Argentina, Brasil, entre outros.

comments

resenha do livro

Arqueologia

Arqueologia

Pedro Paulo Abreu Funari

2003

032.01
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

032

032.02

A civilização de Corbusier

Antônio Agenor Barbosa

032.03

A atualidade do pensamento de Cesare Brandi

Claudia dos Reis e Cunha

032.04

Razões para o desenvolvimento restaurador

Cêça Guimaraens

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided