Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Resenha do filme "O som ao redor", de Kleber Mendonça Filho, conjugada a uma análise sobre o cotidiano de uma metrópole brasileira.

how to quote

GHIONE, Roberto. A cidade ao redor. Resenhas Online, São Paulo, ano 12, n. 143.02, Vitruvius, nov. 2013 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/12.143/4947>.


Dona de casa insatisfeita, com filhos adolescentes; crianças brincando em quadra de edifício residencial e entre automóveis estacionados na garagem; corretor imobiliário (descendente de família que viveu tempos melhores) apaixonado por mulher aparentemente insegura; adolescentes na descoberta do amor; empregadas domésticas representantes de uma tradição de servidão; familiar da empregada feliz por acessar ao emprego formalizado; flanelinhas, trambiqueiros, entregadores e personagens de rua; homem que resiste em morar em casa sem grades; vigias de rua; imigrantes vindos do interior decadente em busca de tempos melhores; favelado tentando a sobrevivência; senhor de engenho em declínio; familiares do senhor de engenho que tentam perdurar poderes e benefícios extintos, mas que ainda persistem nas consciências de opressores e oprimidos...

O filme de Kleber Mendonça Filho, O som ao redor, retrata fielmente a classe média de Recife. Os personagens habitam sem pena e sem gloria uma cidade reclusa e fechada, em espaços insignificantes como as próprias vidas, como a própria cidade. Os edifícios fechados e defensivos, as casas que ainda resistem à especulação imobiliária, o destino de morar trancado em apartamento, as decorações cafonas, os edifícios caixão, as ruas lotadas de carros durante o dia, desertas e inóspitas às noites refletem vivências cotidianas entediadas e sem graça, temerosas e inseguras, só quebradas pela manifestação de algum habitante de rua que oferece algumas faíscas de criatividade e humor popular, cada dia mais abafadas por uma sociedade careta e formalista.

A cidade determina os comportamentos dos habitantes, que modelam o caráter social em função dos espaços que ela oferece. E a oferta é triste: o Recife dos bairros novos, visualizado na tela grande, é menos estimulante que na realidade. As diferenças entre a cidade antiga (nunca mostrada no filme) e a nova são abismais. Resulta difícil imaginar que um povo morando nessas condições tenha a criatividade e a explosão do carnaval. Ou talvez essa explosão seja a reação a tanta rotina e irrelevância. Ou talvez seja manifestação dos bairros populares, com habitantes mais felizes que os da cidade da especulação imobiliária. Um episódio de reunião de condomínio revela a mediocridade e futilidade que determina a vida desses personagens, recriados da própria realidade.

O filme só transcorre, em diferentes situações de vida dos personagens. Aponta sutilmente a cultura ultrapassada e persistente de senhores e servos, as rotinas de mandar e obedecer, de determinar ou cumprir resignado o destino traçado por uma sociedade que vive o Século XXI atrelada a conceitos e poderes de tempos passados. Não tem narração explícita. Ele se desenvolve em enredos paralelos, realismos que identificam os moradores da cidade, entre os que se destacam o amor sem final feliz do corretor imobiliário e sua moça, a obsessão (e insatisfação) da mãe que não consegue dormir por causa dos latidos do cão do vizinho e a "invasão" dos vigias que se intrometem na vida dos vizinhos de uma rua.

O final, a vingança de um fato antigo, rebarbas de uma época de coronelismo que ainda perdura, retrata um desenlace tão banal quanto as vivências e arquiteturas exibidas. O som da morte é o mesmo som da festa. Tudo se mistura e confunde atrás das grades da vida cotidiana: a violência implícita, a especulação, o consumismo, o medo, o tédio, o racismo, as ameaças, a inveja, a arrogância, a delinquência. Poucas manifestações de felicidade, muito estresse de uma vida pouco merecida nos espaços desolados e pouco estimulantes que oferece a cidade ao redor.

sobre o autor

Roberto Ghione, arquiteto, é formado pela Universidad Nacional de Córdoba, Argentina. Pós-graduado em Preservação do Patrimônio, Crítica Arquitetônica e Planejamento Urbano pela Universidad Católica de Córdoba. Titular do escritório Vera Pires Roberto Ghione arquitetos associados, Recife, PE

comments

143.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

143

143.01

A interdisciplinaridade da arquitetura do ponto de vista dos usuários

Da concepção ao uso

Rosaria Ono and Andrea Leitner Thomazoni

143.03

Em tempos de “ismos”

A obra de Eduardo Longo

Marcelo Aflalo

143.04

Algumas breves considerações sobre a poética Borgiana

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided