Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Sabrina Fontenele, diretora de cultura IAB/SP, apresenta o tema e as questões centrais da próxima edição da Bienal Internacional de São Paulo, que acontece em 2022.

how to quote

COSTA, Sabrina Studart Fontenele. 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo. Reconstrução: democracia, corpos, memória, informação e ecologia – provocações iniciais. Resenhas Online, São Paulo, ano 19, n. 224.01, Vitruvius, ago. 2020 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/19.224/7844>.


Ainda em dezembro de 2019, a chapa recém-eleita do departamento paulista do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB/SP começou a planejar a 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, prevista para o segundo semestre de 2021. Tínhamos como desafio tratar e apresentar temas relacionados à cidade democrática propondo um novo modelo de governança do evento e saindo dos limites do Centro expandido.

Naquele momento, lançamos uma apresentação publicada no jornal El Pais – “O que promete a próxima Bienal de Arquitetura de São Paulo” (1) – que anunciava nossas inquietações, nossas diretrizes de trabalho e convidávamos não somente a classe de arquitetos, mas também outros agentes que interagem, fazem e vivem a cidade – líderes comunitários, instituições governamentais e de ensino – a colaborar na apresentação de novos modelos de atuação pela cidade, iniciativas que demonstrassem como administrar territórios vulneráveis, como ocupar espaços públicos e como garantir que nossas cidades fossem mais democráticas.

Não contávamos com a chegada da crise do Covid-19 que nos obrigou a repensar novas relações com nossas casas, com os espaços públicos e com as práticas cotidianas. Diante do isolamento social, do perigo de contaminação, da possibilidade de colapso da rede de saúde pública, de uma iminente recessão econômica, os desafios urbanos mostravam-se maiores e mais complexos do que aqueles previstos quando no início da organização do evento.

A Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo em sua 13ª edição, que ocorrerá em 2022, assume como provocação central inicial a Reconstrução. Parte-se da ideia de reedificar, refundir e renovar as relações dos grupos sociais com seus espaços domésticos, dos cidadãos com os espaços públicos e das tramas pessoais e profissionais, que ocorrem nos espaços de confinamento e nos de usos coletivos, durante e depois da pandemia de Covid-19.

A Reconstrução convoca-nos a repensar problemas e soluções em diversos aspectos. Para melhor compreender essa questão, lançamos eixos norteadores preliminares que nos guiaram na proposta das fundações deste evento nacional. A questão da Democracia (1) propõe uma reflexão crítica sobre como garantir e estimular práticas políticas nos espaços urbanos em um contexto global e em um país que enfrenta ameaças de recessão não só financeira, mas democrática. Pensar como tornar as cidades mais acessíveis, seguras, acolhedoras, convidativas, mas também lugar onde contrastes e conflitos são latentes, discutindo questões sobre a presença das diversas classes sociais, das raças e dos gêneros. Também se propõe que sejam levantadas soluções inovadoras em relação ao planejamento e gestão democrática, a partir de experiências vinculadas ao território.

O eixo Corpos (2) lança a discussão para a relação entre espaço e temas como interseccionalidade, vulnerabilidades e políticas sociais. Sugerimos uma reflexão sobre como garantir práticas coletivas tendo em vista questões de saúde pública, discriminação, violência e violações de direitos, de maneira a repensar como garantir acesso, convivência e circulação de pessoas nas cidades. Além disso, anuncia a urgência de garantir programas específicos para grupos específicos, como crianças, jovens, idosos, portadores de necessidades especiais, especialmente nos territórios vulneráveis em meio à crise imposta, ampliando o debate sobre as vulnerabilidades dos corpos nos fluxos pela cidade. Em relação aos espaços arquitetônicos, propõe ainda uma reflexão sobre a flexibilidade dos espaços domésticos, profissionais e institucionais frente ao desafio de garantir usos diversos e saúde coletiva no contexto de isolamento e de retomada das atividades.

Entendendo a Memória (3) como o agente coletivo que nos confronta diante do estranhamento de um novo mundo e nos conforta em relação às suas permanências, mas também como um processo de reelaboração permanente deste passado no presente e que possui a propriedade de conservar ou de apagar certas informações, lançamos o desafio de compreender como utilizar a pré-existência para a reinvenção do cotidiano nas cidades. Este eixo também visa refletir como a arquitetura e a infraestrutura urbana podem colaborar para a construção de uma memória coletiva que torne mais acolhedor o processo de (re)ocupação, (re) construção e (re) significação das cidades.

Neste sentido, a Informação (4) abre horizontes para o debate de políticas urbanas e sociais a partir de uma temática que toca todos os aspectos da vida contemporânea, mas ainda está restrita a especialistas. Propomos lançar luz sobre as questões de privacidade e proteção de dados, bem como às experimentações com modelos de governança de dados públicos e privados no gerenciamento dos corpos e das práticas cotidianas, estimulando o debate sobre cartografias colaborativas, reconhecimento facial, discriminação algorítmica, internet das coisas e ciência de dados urbanos em uma perspectiva de governança de cidades.

Fechamos os eixos norteadores desta Bienal com a questão da Ecologia (5), fundamental para o equilíbrio entre homem e natureza, áreas urbanas e naturais, a discussão sobre ecologia propõe a reflexão sobre o planejamento de cidades atentas ao equilíbrio ambiental e ao desenvolvimento de atividades produtivas, voltados para a qualidade de vida de sua população a partir de temas como mudanças climáticas, cidades de baixo carbono, agricultura urbana e segurança alimentar.

No convite a este amplo debate, assumimos o compromisso de dar continuidade ao processo seletivo acompanhado da figura de uma curadora residente que possa pensar na edição atual, e na construção de um modelo para as edições seguintes, de maneira a tornar o processo de construção do evento ainda mais aberto e representativo. Atuarão ainda um Conselho Consultivo a ser configurado pelo IAB – Departamento São Paulo, com regras para conferir representatividade e um Comitê de Acompanhamento no Conselho Superior do IAB, que congrega todos os Departamentos estaduais.

O evento deve, ainda, priorizar núcleos da cidade para conectar e integrar ações: uma rede de equipamentos públicos e comunitários onde estão desenvolvidos projetos integrados de transformação urbana e ambiental em diálogo com as comunidades locais (Jardim Guarani, Jardim Pantanal, Parque Pinheirinho D’Água, Jardim Lapenna e Parque Novo Mundo) em parceria com o Pacto Pelas Cidades Justas (2); e, também, equipamentos culturais e espaços públicos no eixo da Avenida Paulista. Lugares para abrigar exposições, debates e atividades que envolvam as populações na cidade, entendendo que as manifestações múltiplas devem ser acolhidas e discutidas neste evento.

Organizamos para os meses de julho e agosto de 2020 três debates preparatórios para o concurso de co-curadoria (3) com temas relacionados à própria essência de exposições de arte e de arquitetura que propunha pensar o papel dos arquitetos, urbanistas e de tantos outros profissionais na construção de cidades mais justas e democráticas. Estão previstas para o segundo semestre de 2021 chamadas abertas para selecionar projetos, atividades e intervenções vinculadas à Bienal.

O novo modelo a ser experimentado é planejado para um formato replicável nas próximas cinco edições (2022-2032) e busca contribuir com o fortalecimento de uma rede de colaboração – envolvendo universidades, instituições culturais, movimentos sociais, entre outros – que atuem frente a um pacto social para compartilhar projetos, narrativas, experiências, ferramentas que possibilitem compreensão, atuação e transformação do ambiente e da cultura urbana.

notas

1
TÚLIO, Fernando; MATOS, Gabriela; FONTENELE, Sabrina. O que promete a próxima Bienal de Arquitetura de São Paulo. El País, 12 dez. 2019 <https://bit.ly/3acZ6df>.

2
Pacto Pelas Cidades Justas, website oficial <www.cidadesjustas.org.br>.

3
Debates preparatórios 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo – Reconstrução <https://bit.ly/3fJCPF1>.

sobre a autora

Sabrina Fontenele é arquiteta e urbanista pela UFC, com mestrado e doutorado pela FAU USP, onde realizou pesquisas publicadas sobre arquitetura, cidade e preservação. Finalizou em 2019 o pós-doutorado no IFCH Unicamp com apoio da Fapesp. Autora dos livros Edifícios modernos e o traçado urbano no Centro de São Paulo (2015) e Restauro da Faculdade de Medicina da USP: estudos, projetos e resultados (2013). Foi pesquisadora Centro de Preservação Cultural da USP (2012-2018), onde atuou ainda como editora científica da Revista CPC e como curadora da exposição “Tempo das Construções” (2013-2014). Colabora desde 2018 como professora na Escola da Cidade, onde é coordenadora de pesquisa do Conselho Científico. Diretora de Cultura do IAB-SP (gestão 2020-2022) e curadora residente da 13a Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo.

comments

224.01 bienal
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

224

224.02 livro

Uma leitura e muitas paixões

A montagem de uma outra herança, por Paola Berenstein Jacques

Cibele Saliba Rizek

224.03 livro

Saudades do Brasil

Cecília Rodrigues dos Santos

224.04 exposição

Countryside, the future ou Countryside, now?

Patrícia Martins

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided