Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694

abstracts

português
A gero-habitação não se refere as tradicionais “casas para idosos”, muito numerosas no Brasil, com frequentes improvisações. Trata-se de um novo mercado imobiliário crescente, que ocupa cada vez mais espaço dentro de projetos habitacionais coletivos.

english
Gero-habitación does not refer only to the traditional Brazilian model of “casas para idosos”, with frequent improvisations. The term refers to a new real-estate market that is occupying the housing project more and more.

español
Gero-habitación no se refiere al modelo de asilo tradicional apena. Se trata de un nuevo mercado inmobiliario que está ocupando el proyecto habitacional cada vez más. Particularmente, es un tema de interés en los países de América Latina.

how to quote

CRUZ PETIT, Bruno; PÉREZ-DUARTE FERNÁNDEZ, Alejandro. Um novo gênero habitacional. Habitação para a terceira idade, ou a gero-habitação. Resenhas Online, São Paulo, ano 17, n. 182.04, Vitruvius, fev. 2017 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/17.182/6423>.


Casa de idosos
Foto divulgação [Gerohabitación]

Apesar de ter sido publicada há alguns anos, continua sendo de interesse devido à escassa bibliografia similar em espanhol – e nula em português. Trata-se de um segmento social que cresce em grande velocidade em quase todos os países: o grupo da terceira idade, pessoas que ao final de suas vidas merecem seguir vivendo-a com dignidade. No Brasil, calcula-se que que em 2025 será o sexto pais com mais idosos do mundo.

Os autores – Sabater e Maldonado – trabalharam muitos anos com o tema, vinculado à Universidade Politécnica del Vallés, seguindo uma metodologia interdisciplinar que lembra o laboratório Architecture, Culture, Societé de Monique Eleb, pioneira no estudo sistemático das práticas cotidianas no fazer arquitetônico.

Pátio central permeável em conjunto de apartamentos com serviços integrados, Roterdã
Foto divulgação [Gerohabitación]

Os autores chamam de sócio-eficiência na arquitetura a contrapartida e complemento da eco-eficiência, e tem sido central em suas informações e publicações para a Consejería de Fomento de Vivienda em Andalucía, nas quais se faz ênfase na reciclagem e na gestão sustentável do parque edificado desde critérios de envelhecimento ativo, gênero e habitabilidade urbana.

Na publicação se expõe, de forma contundente, o problema que significa ter uma população envelhecida, mas que permanece em domicílios pensados para formas tradicionais de núcleos familiares, predominantes nos períodos do auge imobiliário desde o pós-guerra e instaladas como fórmulas derivadas do existenzminimum funcionalista. Para superar a obsolescência habitacional, com a qual todos os governos deverão lidar nas próximas décadas, se propõe três linhas de ação.

Casa de idosos em Azmoos, Suíça
Foto divulgação [Gerohabitación]

Em primeiro lugar, aprofundar o conhecimento dos modelos históricos da vivenda com serviços, adaptada, tutelada, assistida ou coletiva (cujos destaques dos autores se encarregam de esclarecer para cada um dos conceitos), sem tratar de inventar ou adivinhar o que, em muitos casos, tem uma história de mais de cem anos. A publicação Gerohabitacíon, Cohabitación y Emancipación apresenta, neste sentido, uma descrição útil e minuciosa destes modelos, desde os family hotel e os catering flats de Nova Iorque do final do século 19 – com jardins e de administração comum a todos os apartamentos –, até os edifícios de pequena escala ou condomínios horizontais dos new seniors, ou os baby boomers aposentados de “colarinho branco”, que guardaram para uma aposentadoria de luxo em condomínios próximos a clinicas e centros de atividades personalizadas segundo os hobbies e gostos de cada indivíduo. Por outro lado, aparecem os modelos de aposentadoria escandinava, que propuseram dar um caráter residencial que até então era um regime de vida hospitalar, sem renunciar a eleição de ficar no próprio domicilio, adaptado e posteriormente abandonado.

De Drie Hoven, Holanda, 1974, arquiteto Herman Hertzberger
Foto divulgação [Gerohabitación]

Sintetizando ao máximo o trabalho dos autores, pode-se dizer que, das outras linhas de ação que se desprendem, os autores fazem observações de casos de estudo de arquitetura para idosos que se baseiam em promover aqueles espaços intermediários dos edifícios, onde idosos podem passear sem a insegurança que é para eles a cidade. Assim por exemplo, corredores com luz natural e vistas, com salas de estar anexas, onde é possível ter encontros casuais – dentro de uma sociabilidade elegida e não imposta –, além de uma estimulação sensorial necessária para manter a vitalidade do corpo e a mente.

De Drie Hoven, Holanda, 1974, arquiteto Herman Hertzberger
Foto divulgação [Gerohabitación]

Finalmente, desde o título da obra há uma proposta radical para pensar uma arquitetura que fomente a convivência intergeracional e a cultura de compartilhar, onde os idosos encontram ajuda. Neste sentido, pode citar o exemplo de co-residência entre jovens e idosos, onde jovens podem ter acesso para sua emancipação, sentindo-se úteis durante um ciclo de vida quando eles ainda não formaram uma casa. O termo emancipação é a chave aqui, porque também é aplicável, porque não, aos idosos que conseguem permanecer em seu domicilio, graças à formulas de coabitação com jovens – uma solução que vem sendo incentivada na Alemanha através de subvenções. Assim, os autores vinculam, de uma forma interessante, a possibilidade de emancipação da coabitação e da gero-habitação. Este tipo de reflexão nos mostra que estamos diante de um trabalho que não se limita a ser um manual técnico de moradia adaptada – com requisitos pontuais que as legislações vão incorporando –, mas ele vai para as mesmas fontes dos parâmetros da gero-habitação: um gênero habitacional que, com certeza, nos preocupará e ocupará a todos em um breve futuro.

De Drie Hoven, Holanda, 1974, arquiteto Herman Hertzberger
Foto divulgação [Gerohabitación]

nota

NA - Tradução de Isadora Campos e Lorena Salvador

sobre os autores

Bruno Cruz Petit é graduado em Sociologia pela Universidad Autónoma de Barcelona, e realizou um máster no Institut de Sciences Politiques de París, uma maestria e doutorado Sociologia na Universidad Nacional Autónoma de México. Ele é autor dos livros “Breve história social del interior doméstico” (México, Ediciones Motolinía, 2011) e “Transformación en el espacio interior doméstico contemporâneo” (Ed. EAE, Espanha-Alemanha, 2011). Ele tem publicado diversos artículos em revista científicas de México, Venezuela, Espanha e Reino Unido (Home Cultures, 2015).

Alejandro Pérez-Duarte Fernández é doutor em arquitetura pela Universitat Politècnica de Catalunya (2005, Barcelona). Atualmente é professor e pesquisador na Universidade Fumec (Belo Horizonte, Brasil), nas áreas de teoria,  história e crítica de arquitetura, com foco na habitação coletiva. Desenvolve atualmente um trabalho de divulgação de habitação para idosos, a ser publicado em breve no blog GeroHabitacao.

comments

resenha do livro

Guía de estudios para la arquitectura de la gerohabitación, cohabitación y emancipación

Guía de estudios para la arquitectura de la gerohabitación, cohabitación y emancipación

Txatxo Sabater and Josep Maldonado

2009

182.04 livro
abstracts
how to quote

languages

original: português

others: español

share

182

182.01

Tratados brasileiros de arquitetura moderna

Aprendendo arquitetura com quem faz – parte 2

Paulo Yassuhide Fujioka

182.02

Estudos sobre habitação

Uma inovação

Ana Paula Koury

182.03

Cidade & alma, cidade & amor, alma & amor...

Ivan Fortunato

182.05

Humano e/ou natureza: mal estar?

Vera Luz

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided