Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A curadora da exposição “Minha terra é o mar” fala sobre o fotógrafo Roumen Koynov, sua obra, e suas fortes relações com o mar

how to quote

VANINI, Soraya. Minha terra é o mar. Drops, São Paulo, ano 12, n. 054.05, Vitruvius, mar. 2012 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/12.054/4283>.



“O mar, quando quebra na praia é bonito... é bonito...”
Dorival Caymmi

Roumen Koynov que fala essencialmente de lugares e povos onde o mar tangencia suas vidas, com suas cores, dores, luzes, sombras, caminhos, mistérios, amargura, esperança...

Roumen Koynov é um artista que nos remete a perceber uma interligação permanente entre povo e mar. Esse mundo nos é revelado sob a tessitura de um pacto, que nos permite ver ainda através de fragmentos; uma troca de pedaços de existência entre o viver entre a terra e o mar. Revela lugares onde se operam os ocultos e visíveis, luzes e sombras; de onde nascem lentamente cinzas, brancos e suavemente pretos. Espaços entre os humanos e o mar em suas múltiplas relações.

Uma obra que avança para tocar no mais íntimo do humano, seu cotidiano revelado em um tempo que não se faz pelas voltas de um ponteiro no relógio, mas que é determinado pelas marés, ventos, estações e pescarias onde o mundo do trabalho é regido pela imensidão da água, onde diariamente se requer desses homens e mulheres: esforço, sacrifício e talvez heroísmo, pois o mar os presenteia a vida em seus cardumes e frutos, mas também lhe tiram noites de sono, e lhes metem medo, o medo da rede vazia, da pobreza...

São essas as cores do viver à beira mar, baseadas fundamentalmente na pesca. Essas comunidades vivem a sorte de um mar cada vez mais degradado e ameaçado em sua integridade ecológica. Estas cores trágicas se misturam com um modo de vida também ameaçado pelo avanço do turismo de massa, onde lugares cotidianos ainda são construídos de humanos que se aventuram a comungar uns com os outros sem esquecer a beleza, a fruição e o lúdico, entre brincadeiras nas dunas, coqueirais, danças e estórias contadas e vividas.

nota

NE
Texto curatorial da exposição de fotografias Minha terra é o mar, de Roumen Koynov, curadoria de Soraya Vanini.  Caixa Cultural São Paulo, de 10 de março a 6 de maio de 2012.

sobre a autora

Soraya Vanini é curadora da exposição.

 

comments

054.05 exposição
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

054

054.01 prêmio

Wang Shu, prêmio Pritzker 2012

Trabalho de arquiteto chinês é colírio aos olhos ocidentais

Fernando Serapião

054.02 tipologia

História do corredor

Carlos M Teixeira

054.03 exposição

Um lugar só seu

Carolina Magano Prado

054.04 enchente

Sistemas de alerta pluviométrico

Abordagem preventiva substituída pela administração do risco

Álvaro Rodrigues dos Santos

054.06 urbanismo

O exemplo da Colômbia

Roberto Bottura

054.07 homenagem

Elegia a Lina Bo

Edite Galote Carranza

054.08 prêmio

Sou visto, logo existo

Arquitetura ganha prêmios da APCA

Nadia Somekh

054.09

A cidade se esvanece

Mesmo com 12 milhões de habitantes, o Rio de Janeiro não projeta o seu futuro

Sérgio Magalhães

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided