Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Flávia Calé, presidenta da Associação Nacional de Pós-Graduandos, comenta o prejuízo causado às universidades e pesquisadores a judicialização da avaliação quadrienal da Capes.

how to quote

CALÉ, Flávia. Sistema de Avaliação da Capes. A quem interessa a paralisação? Drops, São Paulo, ano 21, n. 168.03, Vitruvius, set. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.168/8276>.


Sede da Capes, Brasília DF
Foto divulgação


“O mal das encrencas é que elas começam bem devagarinho”.
Millôr Fernandes, A bíblia do caos

Uma decisão liminar proferida por um juiz de primeira instância, da 32ª Vara da Justiça Federal do Rio de Janeiro, determinou a suspensão da avaliação quadrienal da Capes, paralisando um processo complexo do Sistema Nacional de Pós-Graduação, composto de mais de 4.600 (quatro mil e seiscentos) programas de mestrado e doutorado.

A avaliação dos programas de pós-graduação visa a buscar parâmetros que assegurem qualidade à produção científica brasileira e à formação de profissionais altamente capacitados em todas as áreas do conhecimento. A avaliação busca fundamentalmente vincular a produção acadêmica aos desafios do desenvolvimento brasileiro.

A suspensão desse processo gera um prejuízo difícil de mensurar, dado o tamanho das consequências negativas. Diria que a principal delas é a descontinuidade do aprimoramento qualitativo do processo de avaliação e o efeito colateral imediato pode ser a perda da credibilidade e reputação de todo o Sistema Nacional de Pós-graduação. A não realização da avaliação pode gerar também um apagão de dados sobre a produção científica brasileira.

É sabido que há fortes interesses de entes privados, que atuam na educação, na desregulamentação das diversas instâncias do ensino superior e da pesquisa. Seria essa a motivação oculta desta decisão judicial?

Têm sido desastrosas as intervenções do Judiciário nas questões estritamente relativas à dinâmica do desenvolvimento científico. Lembremos do emblemático caso da Universidade Federal de Santa Catarina, que levou ao suicídio do reitor Luis Carlos Cancelier de Olivo, em que, após a espetacularização da investigação, o processo foi encerrado sem qualquer vestígio de irregularidade.

O texto da liminar determina que a Capes emita em 30 dias, dentre outras coisas, as “notas de corte” que serão utilizadas na avaliação. Com segurança digo, àqueles que não conhecem o sistema de avaliação, não existe nota de corte. As áreas do conhecimento definem, após ampla consulta e participação da comunidade acadêmica, os seus “documentos orientadores” e os quesitos da ficha de avaliação. Cada programa apresenta um desenvolvimento forjado a partir dos seus planos de desenvolvimento institucionais e de suas vocações. Não há como comparar o planejamento de uma instituição com o de outra. Os objetivos podem ser completamente diferentes.

Mas o que se espera de todos? Qualidade na produção, impacto positivo na sociedade e em implementação de políticas públicas benéficas à comunidade, pesquisas referenciadas por pares em âmbito nacional e internacional, contribuição para o desenvolvimento científico, elevação cultural da nação.

A avaliação não é estática. Está em permanente debate entre os pares da comunidade científica e acadêmica. O Conselho Técnico-Científico está apoiado em pesquisadores altamente qualificados de 49 áreas do conhecimento. As inovações questionadas pela liminar, além de serem fruto de intenso debate nesta imensa comunidade de pesquisadores e pesquisadoras, ampliam o escopo da avaliação. Ou seja, passam a considerar novos elementos na avaliação, para além dos estabelecidos até 2017, como o impacto social das produções e a autoavaliação. Ampliam-se as possibilidades dos programas apresentarem bons desempenhos e não o contrário.

A questão em debate é que o Poder Judiciário não possui repertório para julgar a dinâmica acadêmica. O desenvolvimento da Ciência requer criatividade, liberdade e o mínimo de modulação; dificilmente se encaixa nos parâmetros herméticos da Justiça. Cada um tem sua atribuição, que cada uma delas seja cumprida sem sobreposições e com respeito.

Nesse sentido, é preciso que a avaliação quadrienal siga seu curso e seja retomada o quanto antes. Disso depende a autonomia tecnológica do Brasil e a formação de quadros técnicos voltados a esse objetivo, conforme preconiza a Constituição de 1988.

nota

NE – Publicação original: CALÉ, Flávia. A quem interessa a paralisação do Sistema de Avaliação da Capes? Jornal da USP, São Paulo, 05 out. 2021 <https://jornal.usp.br/?p=460454>.

sobre a autora

Flávia Calé é doutoranda da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP e presidenta da Associação Nacional de Pós-Graduandos – ANPG.

 

comments

168.03 avaliação
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

168

168.01 política

Das fake news às verdades impunes

Carlos A. Ferreira Martins

168.02 direito à cidade

Carta por um encontro nacional pelo direito à cidade

Entidades na luta pelo direito à cidade

168.04

Lygia Pape e Geraldo de Barros

Lourdes Caroline Ribeiro Sanches da Silva and Vanessa Rosa Machado

168.05 patrimônio

Destombamento

A distopia do patrimônio cultural edificado

Jéssica Rossone

168.06 responsividade urbana

Hoje e amanhã da responsividade urbana

Luciana Fonseca and Lucas Obino

168.07 artes plásticas

Para uma arte intangível

Ulisses Castro

168.08 ensino

O novo ensino de arquitetura

Alberto Collet and Felipe Sanquetta

168.09 política

O bode e as joias da coroa

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided