Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Uma proposta de contextualização e análise crítica da escultura intangível Io sono, obra do artista italiano Salvatore Garau que foi leiloada em maio de 2021 na Itália.

how to quote

CASTRO, Ulisses. Para uma arte intangível. Drops, São Paulo, ano 21, n. 168.07, Vitruvius, set. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.168/8280>.


Merda D'artista (1961), de Piero Manzoni
Foto Jens Cederskjold, CC BY 3.0


Há algumas semanas as redes sociais ficaram agitadas com a notícia da venda de uma obra de arte imaginária. Trata-se da escultura imaterial Io sono, do artista italiano Salvatore Garau (1953-), vendida em leilão por quase 15 mil euros. A escultura não existe fisicamente, mas apenas na imaginação do artista, ou seja, a pessoa que arrematou o lote levou para casa apenas um certificado de autenticidade. Imediatamente o assunto virou piada diante do absurdo da situação e levantou uma série de questionamentos vindos principalmente de fora do mundo da arte: como alguém se propõe a vender algo que não existe? Como alguém se propõe a comprar algo que não existe? E se isso virar moda? – além, é claro, do clássico isso é arte? Caso você também tenha se feito alguma dessas perguntas, calma. Parece ridículo mesmo, piada pronta, diriam alguns. Mas nada é tão simples assim e é preciso dedicar algum tempo para entender como chegamos ao ponto em que uma obra desse tipo se torna possível.

Antes de mais nada, é importante saber que ao analisar uma obra, é fundamental encará-la primeiramente sob o ponto de vista da história da arte, e isso acontece em duas frentes paralelas. A primeira visa compreender como a obra se posiciona diante da história, quais referências ela busca, sobre o que está assentada – é o que chamamos de lastro histórico. A segunda frente tenta enxergar de que maneiras aquela obra específica contribui para a história, ou seja, como ela adiciona informação e supera o que já foi feito anteriormente, ou até, como ele altera os rumos da história, caso tenha força suficiente para isso. Essa metodologia, apesar de bastante tradicional, tende a reforçar a visão eurocêntrica da arte. Mas como se trata de um artista italiano, fica fácil relevar essa questão por hora.

O fato é que é possível encontrar lastro histórico para Io sono. Ainda na segunda década do século 20, Marcel Duchamp (1887-1968) e seus companheiros do movimento dadá abriram caminho para que artistas reivindicassem para si a prerrogativa de decidir sobre o que é ou não arte. Com isso, o dadaísmo contesta a própria ideia de arte e a sua institucionalização (ou seja, todo o sistema da arte no qual as instituições – na época, os museus e as galerias – detinham o poder exclusivo de julgar a arte). O dadá faz uso do nonsense e da ironia para criticar esse modelo, e o mais conhecido símbolo disso é a obra Fountain (1917), de Marcel Duchamp, que nada mais é que um mictório posicionado de cabeça para baixo sobre um pedestal. Ao garantir que aquele se tratava de um objeto de arte e ao colocá-lo em exposição dentro de uma galeria, Duchamp dissocia definitivamente os conceitos de arte e beleza, entrega aos artistas o direito de decidir sobre o que é arte e ainda muda o que se entende por arte. A partir de agora o conceito da obra pode ser mais importante que o objeto artístico em si.

As implicações inauguradas por Duchamp e pelo dadá são sem dúvida maiores que as descritas aqui, mas não será necessário ir além para a construção deste argumento. O legado do movimento será resgatado em diversos momentos ao longo do século 20, notadamente após a Segunda Guerra. Seria possível citar as repercussões do dadaísmo na conceptual art, na pop art, na body art, no minimalismo, na land art e em diversas outras manifestações do pós-guerra. O dadaísmo abriu diversas possibilidades e cada um desses movimentos possui algum tipo de débito junto ao dadá. Assim como eles, Salvatore Garau também se posiciona na mira do dadaísmo, mas entre ambos existe a figura imponente da conceptual art dos anos 1960. Seria possível traçar uma linha ligando esses três pontos: dadá, arte conceitual e Salvatore Garau.

Como não se lembrar, por exemplo, do também italiano Piero Manzoni (1933-1963)? Nos anos 1960 ele produz latas com conteúdos no mínimo extravagantes, como “corda de comprimento infinito” ou “merda de artista”. Arte conceitual pura – lata e conteúdo não apresentam qualquer valor financeiro ou estético per se; a ideia, por outro lado, é portadora de força própria e questiona: o que é a arte? Afinal, qual seria a possibilidade de existir dentro daquela lata uma corda de comprimento infinito? Ou pior, como passar merda por arte?

É esse o cenário que torna a escultura imaterial de Garau uma obra possível – o artista não estava propondo uma obra imaginária, mas sim uma ideia. Ela poderia facilmente ter sido embarcada nesse histórico potente e contestador que a antecedeu, mas foi barrada por carregar consigo ao menos dois problemas. O primeiro é que a obra já chega com cheiro de mofo. Io sono parece ter nascido com 60 anos de idade. Ela te faz pensar: alguém já não fez isso antes? O segundo problema é que o próprio artista renega expressamente as referências históricas vindas do dadaísmo e da arte conceitual dos anos 1960 e tenta inaugurar outro discurso, misturando uma metafísica superficial com questões da física quântica, disciplina da qual ele demonstra ter conhecimento bastante raso. É provável que essa tentativa de um novo discurso tenha sido estratégica. Afinal, seria no mínimo hipócrita questionar os cânones e sistemas artísticos (como fizeram o dadaísmo e a arte conceitual) enquanto se faz uso de um dos maiores símbolos da institucionalização da arte na atualidade – o leilão de primeiro mercado.

Io sono possui, sim, lastro histórico. Entretanto, ela acrescenta pouco ou nada à história da arte – e isso acontece em grande medida por deliberação do próprio Salvatore Garau. Não à toa foi recebida com tanto ceticismo e tão pouco entusiasmo pelo mundo da arte – o alvoroço que ela causou fora, não encontrou correspondência em seu interior. É pouco provável, portanto, que a arte intangível vire moda, assim como também não viraram os mictórios – ainda que por razões diferentes.

sobre o autor

Ulisses Castro é arquiteto (UFMG/2006) e pós-graduando em Fotografia, Arte e Mediações no Instituto de Artes da Unicamp.

Foutain, de Marcel Duchamp, em exposição na galeria de arte 291 (Nova York) durante a mostra da Sociedade de Artistas Independentes de 1917, com a etiqueta de inscrição ainda visível
Foto Alfred Stieglitz, 1917

 

comments

168.07 artes plásticas
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

168

168.01 política

Das fake news às verdades impunes

Carlos A. Ferreira Martins

168.02 direito à cidade

Carta por um encontro nacional pelo direito à cidade

Entidades na luta pelo direito à cidade

168.03 avaliação

Sistema de Avaliação da Capes

A quem interessa a paralisação?

Flávia Calé

168.04

Lygia Pape e Geraldo de Barros

Lourdes Caroline Ribeiro Sanches da Silva and Vanessa Rosa Machado

168.05 patrimônio

Destombamento

A distopia do patrimônio cultural edificado

Jéssica Rossone

168.06 responsividade urbana

Hoje e amanhã da responsividade urbana

Luciana Fonseca and Lucas Obino

168.08 ensino

O novo ensino de arquitetura

Alberto Collet and Felipe Sanquetta

168.09 política

O bode e as joias da coroa

Carlos A. Ferreira Martins

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided