Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Varenna, Itália. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Sétimo texto da série Homens Provisórios, “O marceneiro Messias” é um breve texto ficcional de Luís Antônio Jorge sobre um homem acostumado a zelar pelas coisas abandonadas, mas que perde a casa e suas ferramentas.


how to quote

JORGE, Luís Antônio. O marceneiro Messias. Homens provisórios 7. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 127.03, Vitruvius, out. 2017 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.127/6725>.


Serrotes, desenho de Tomás Millan

“concluí que fazendeiro-mór é sujeito da terra definitivo, mas que jagunço não passa de ser homem muito provisório”
Grande Sertão: veredas, João Guimarães Rosa

As coisas gastas sempre me pareceram mais importantes, como se o uso as enriquecesse, em vez de consumi-las. Já vim às lágrimas por uma poltrona que podia sobreviver. Escuto um gemido surdo dos objetos surrados, um pedido de sobrevida para salvar algum vestígio de história ou um resíduo de lembrança. Qualquer um que aprendeu a viver do cisco, da migalha, sabe encontrar proveito nas coisas abandonadas. Talvez elas tenham sido perdidas ou esquecidas. Imagino-me um restaurador de coisas importantes. Sou movido pelo que se entranha e oculta em tudo que se fora. Lembro de um verso em que o poeta mineiro dizia que de tudo, sempre fica um pouco. Aquilo me confirmava e encorajava a voltar a fazer coisas com estas mãos tão dormidas.

Principiaram a adormecer quando vendi minhas ferramentas ao entregarmos a casa. Retenho a imagem gelada da Gabi me implorando, com o olhar, para desacompanhá-la. Levava Bia, nossa flor, nosso riso e nossa vida, juntinhas, para a casa de uma tia. Bia abraçava a mãe e escondia o rosto. Fiquei sem despedida, sem Gabriela, sem Bia, sem casa e sem trabalho. Perder a casa não foi nada perto das ferramentas. Elas eram mais do que meu próprio corpo, eram o meu ofício, a minha identidade e o meu sossego. A plaina, o formão, os serrotes, as limas, os alicates, as chaves, as raspilhas, o graminho, o paquímetro, a suta, o macete e até as pedras de amolar que ganhei do pai. Penso em tudo que ficou naquelas ferramentas. Estavam nelas o que eu sabia fazer, o meu jeito de lidar com elas e com as madeiras. Meu modo de afiar, cultivado por tantos anos, de lapidá-las, como se elas fossem o espelho do melhor de mim. Com elas na mão acariciava o pensamento, descobria a arte do bem fazer. O que restou de mim em tudo que fora embora? O zelo de guardá-las ordenadas no fim do dia, o capricho nas marcações, o rigor nos encaixes, o suor impregnado nos cabos, o prazer do desbaste, as luzes refletidas no metal, os cheiros das madeiras, o som de um sorriso gravado na obra terminada. As ferramentas, as minhas meninas, a Gabi e a Bia, guardavam os meus rastros, levavam a leveza de um mundo sem dor. A solidão é ter as mãos tão dormidas.

nota

NE – Sétimo texto da série Homens Provisórios, que conta com os seguintes artigos publicados:

JORGE, Luís Antônio. O Papai Noel. Homens provisórios 1. Arquiteturismo, São Paulo, ano 10, n. 117.06, Vitruvius, dez. 2016 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/10.117/6337>.

JORGE, Luís Antônio. O vendedor de doçura. Homens provisórios 2. Arquiteturismo, São Paulo, ano 10, n. 118.04, Vitruvius, jan. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/10.118/6362>.

JORGE, Luís Antônio. O vigia acidental. Homens provisórios 3. Drops, São Paulo, ano 17, n. 112.05, Vitruvius, jan. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/17.112/6382>.

JORGE, Luís Antônio. Rosalina, a florista ambulante. Homens provisórios 4. Arquiteturismo, São Paulo, ano 10, n. 119.05, Vitruvius, fev. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/10.119/6414>.

JORGE, Luís Antônio. O poeta da Paulista. Homens provisórios 5. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 120.04, Vitruvius, mar. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.120/6451>.

JORGE, Luís Antônio. Cassandoca, a catadora da Mooca. Homens provisórios 6. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 122.02, Vitruvius, maio 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.122/6533>.

JORGE, Luís Antônio. O marceneiro Messias. Homens provisórios 7. Arquiteturismo, São Paulo, ano 11, n. 127.03, Vitruvius, out. 2017 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/11.127/6725>.

sobre o autor

Luís Antônio Jorge, homem que fez da fronteira seu lugar de residência – meio paulista, meio mineiro – gosta do Brasil, de arquitetura e de literatura.

comments

127.03 literatura
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

127

127.01 arquiteturismo em questão

Gaudí, a Sagrada Familia e o turismo

Celma Chaves

127.02 paisagem natural

Reflexões sobre o projeto de implantação do geoparque no Rio Grande do Norte

Simone da Silva Costa, Marcos Antônio Leite do Nascimento and Andrea Melo

127.04 viagem de estudos

A Igreja e as conchas de Guarapari

Simone Neiva

127.05 eu estive lá!

Velório de Oscar Niemeyer em Brasília

Jair Lúcio Prados Ribeiro

127.06 passeio cultural

Visões do MAR

Sandro Vimer Valentini Junior

127.07 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2017 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided