Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

reviews online ISSN 2175-6694


abstracts

português
Se o Cinema busca fixar uma miragem como memória vigorosa, a Arquitetura busca a sublevação dos sentidos sobre o construído. Partindo desse revés de intimidade, esta resenha aborda os 80 minutos em que o filme Obra faz de refém a atenção de um arquiteto.

how to quote

RODRIGUES, Felipe SS. Obra. Um filme sob a ótica da arquitetura. Resenhas Online, São Paulo, ano 14, n. 165.04, Vitruvius, set. 2015 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/14.165/5696>.


Parece pouco usual um arquiteto fazer a resenha de um filme. Menos usual é um arquiteto não fazer resenha alguma. Há dois anos, o filme Flores raras, de Bruno Barreto, recebeu críticas de alguns arquitetos por ilustrar a Residência Edmundo Cavanelas (1954), de Oscar Niemeyer, e o Parque do Flamengo (1965), de Affonso Reidy, como obras de autoria da arquiteta Lota de Macedo Soares – protagonista da história – dentre outras quimeras, e com isso propagar certa incultura; um dos relatos “Fatos raros: quando a ficção não é melhor que a realidade” (1), de Kykah Bernardes, pode ser lido neste portal. Naquela ocasião, em artigo ao Jornal O Globo e posteriormente republicado no Vitruvius (2), o arquiteto Alfredo Britto lamentou que a produção cinematográfica do filme estimulasse a desinformação da platéia e faltasse com as devida consideração a seus parceiros culturais da arquitetura e urbanismo.

Fotograma de Obra, direção de Gregório Graziosi, 2014
Foto divulgação

Obra não parte de nenhuma idiossincrasia do tipo. Pelo contrário, não fosse a excessiva exposição publicitária nos ambientes da arquitetura, provavelmente não suscitaria nem mesmo esta menção. Contudo, esta mesma intenção de um público cativo é que admite sua ponderação com naturalidade. O critério para que o filme fosse amplamente divulgado no meio da arquitetura é seu título – Obra –, e a história do arquiteto taciturno, João Carlos.

Na verdade, a contribuição do filme para a arquitetura é avessa ao que sua produção pensa ter concebido. Embora repleto de marcos arquitetônicos – para o ânimo dos arquitetos devotos –, a fotografia do filme é tão original quanto a imagem em preto e branco de um mendigo dormindo numa calçada do centro de São Paulo. Sangue diluíndo-se numa bacia d’água, elevadores em ascensão, imagens de ressonância magnética, são os intervalos entre uma fachada e outra, e o desejo ao fotogênico, em detrimento da própria coesão da montagem – imagens que não complementam, mas são belas. Vazias, mas belas. Chavões, mas belas. Um belo ensaio fotográfico de São Paulo.

Fotograma de Obra, direção de Gregório Graziosi, 2014
Foto divulgação

A real contribuição é o personagem principal, um tipo típico no meio da arquitetura: um homem angustiado mas totalmente inativo frente aos problemas. Arquiteto, filho de arquiteto, neto de arquiteto. João Carlos, ao se deparar com uma ossada num antigo terreno de sua família,  busca todos os subterfúgios que não a solução. A soberba do arquiteto é gasta toda na primeira cena quando proclama um dos maiores bordões de Charles Jencks  sobre o fim do movimento moderno. A cena só perde em banalidade para quando a esposa inglesa balbucia a palavra sa-u-da-de deitada na cama.

Obra expõe a história de um homem na margem de nosso interesse, retrata um ser humano real que esperançosamente deveria ser fictício, pelo menos na cidade contempoânea. Resta a dúvida se a produção é consciente disso, ou se flerta com ele, sendo o próprio reflexo dessa circunstância enfadonhamente mimada do personagem.

Se fossemos classificar o filme dentro de um estilo arquitetônico, seria um exemplar neoclássico. A colagem de vontades fotográficas e narrativas – dor nas costas, mulher grávida, uma igreja em restauro, escolha do nome do bebê, avô a beira da morte –, não revelam a estrutura da história, nem a reforçam. As imagens-ornamento custam fazer superar sua construção técnica. De fato é um suspense; a audiência aguarda pelo momento em que o filme fará sentido, se condensará. E mesmo com o nascimento de um bebê no final da história, todos custam a deixar a sala de cinema. A um passo do Belas Artes, respira-se tranquilo – a São Paulo dinâmica.

Cartaz de Obra, direção de Gregório Graziosi, 2014
Foto divulgação

notas

NE – O presente texto é uma resenha do filme Obra, direção de Gregório Graziosi, ficção, pb, 80’, Brasil, 2014.

1
BERNARDES, Kykah. Fatos raros. Quando a ficção não é melhor que a realidade. Drops, São Paulo, ano 14, n. 073.01, Vitruvius, out. 2013 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.073/4891>.

2
BRITTO, Alfredo. Flores raras e equívocas. O Globo, Rio de Janeiro, 07 set. 2013. Republicação: BRITTO, Alfredo. Flores raras e equívocas. Drops, São Paulo, ano 14, n. 072.02, Vitruvius, set. 2013 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.072/4864>.

sobre o autor

Felipe SS Rodrigues é arquiteto e urbanista. Colaborou com Rem Koolhaas no OMA de Roterdão  (2013) e com o arquiteto Isay Weinfeld (2011). Fez intercâmbio na New Jersey Institute of Technology, em Nova Jersey (2012), e no Pratt Institute em Nova Iorque (2013). 

comments

165.04
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

165

165.01

João Batista Vilanova Artigas, Curitiba, 1915-2015

Exposição “Nos pormenores um universo" no Museu Oscar Niemeyer

Giceli Portela

165.02

Catálogo de nada

Ou o que acontece entre pessoas, carros, ônibus e pombos

Ricardo Luis Silva

165.03

A beleza salvará o mundo?

O capitalismo artista e as descrições de um mundo estético

Thiago Barros

165.05

A piscina e a laje

Sobre o filme Que horas ela volta?, de Anna Muylaert

Abilio Guerra

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided