Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930


abstracts

português
Roney Cytrynowicz relata sua interação com a cidade de São Paulo desde a infância e como produziu uma coleção de guias para caminhadas de descobertas em bairros e no centro da capital e cidades próximas

english
Roney Cytrynowicz recounts his interaction with the city of São Paulo since childhood; he also talks about how he made a collection of guides to discover by foot districts near downtown and nearby cities

español
Roney Cytrynowicz relata su interacción con la ciudad de San Pablo desde la infancia y cómo produjo una colección de guías para hacer caminatas de descubrimiento en barrios en el centro de la capital y ciudades próximas


how to quote

CYTRYNOWICZ, Roney. O historiador e seus passeios a pé. Arquiteturismo, São Paulo, ano 03, n. 026.03, Vitruvius, abr. 2009 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/03.026/1511>.


Como um historiador voltou-se para guias turísticos?

Eu sempre gostei muito de passear e andar pela cidade, especialmente pelo centro, mas também por bairros mais antigos, imaginando localizar as referências dos 450 anos de história de São Paulo – vestígios da topografia, como no Pátio do Colégio, alguns traçados urbanos coloniais ou nomes e apelidos antigos e novos dos lugares. Caminhar pela arqueologia dos pequenos vestígios desta história constitui um prazer de exploração sem limites. Acho, por exemplo, que o percurso entre o Largo do Arouche até a Praça da Sé é um dos passeios e programas mais interessantes e emocionantes que se pode fazer. A diversidade humana e urbana que se encontra no caminho, a dinâmica da cidade, os usos do espaço público, a justaposição de diferentes períodos históricos, as paisagens de cima do Viaduto do Chá, a beleza e também a feiúra dos prédios, enfim... A cidade é um território infinito de invenções humanas, as piores e as melhores, por isso estamos sempre diante de impasses dramáticos. Mas nada disso se dá de cara ao visitante, daí a decepção na maioria dos casos e a comparação sempre desvantajosa com outros centros históricos bem conservados no mundo.

Como surgiu a idéia do guias turísticos a pé?

O turismo está associado em geral – e basta abrir os suplementos e revistas de turismo – a viajar para lugares exóticos e distantes ou viver aventuras distantes. E apesar do intenso fluxo de turismo em São Paulo, nossa cidade não é vista como um lugar para passear, para além das atrações de gastronomia, compras, shows, etc. Os próprios paulistanos passeiam pouco pela cidade. Assim, a coleção surgiu da idéia de pesquisar e editar um guia que apresentasse uma face menos visitada da cidade aos seus próprios moradores e turistas: a cidade cotidiana, suas camadas de história e principalmente uma metrópole para passear pelos espaços públicos, recuperando o prazer de andar, observar as paisagens e os detalhes, olhando de outra forma mesmo os lugares mais conhecidos do dia a dia. São Paulo tem excelentes guias de hotéis e de gastronomia, oferece ótimos roteiros de teatro, shows, compras, shopping-centers e assim por diante. Nós (com a Mônica Musatti Cytrynowicz, co-editora) quisemos editar guias para andar a pé, um outro compromisso de tempo e espaço e outra forma de estar na cidade.

Como foram escolhidos os autores dos roteiros?

Procuramos pessoas com quem compartilhávamos estas idéias e/ou que tivessem o conhecimento de uma região ou bairro específico da cidade e embarcassem nesta idéia de viajar pelo próprio quarteirão. Os passeios partem de uma base de pesquisa sólida. É preciso conhecer o território para propor esta forma de passear. A edição do guia respeitou sempre as diferentes modalidades de informação e diversidades de olhar de cada autor, desde um mais focado na arquitetura até outro mais ligado a um olhar literário, mas todos funcionando efetivamente como roteiros. Não foi simples compor o grupo de autores, muitos pesquisadores conhecem profundamente aspectos da cidade, mas não embarcaram na proposta do passeio.

Demora muito para fazer guias?

O prazo de um ano é razoável, entre a proposta e a edição final. Os cinco guias que editamos tiveram a parceria do PAC da Secretaria de Estado da Cultura.

Na verdade foi um prêmio concedido a dez projetos editoriais sobre a cultura da cidade, e que viabilizou economicamente o projeto, já que ele envolveu a pesquisa, redação, edição, impressão, fotografias, mapas e ilustrações de 50 roteiros. Além do guia de São Paulo, fizemos guias de Itu e região e de Santos e litoral, e dois guias para crianças.

Como foi a divulgação e a repercussão na imprensa?

A recepção dos guias foi a melhor possível, na imprensa e também dos leitores e livrarias. Até o Ignácio de Loyola Brandão fez uma crônica para o Estadão, republicada no Vitruvius! Superou qualquer expectativa que tínhamos. Existe uma razoável parcela de pessoas que acredita que reconquistar o espaço público é condição básica para uma cidade melhor e é claro que a ação do Estado é decisiva. Sou favorável a aumentar o número de parques e praças, fechar o máximo de avenidas e ruas ao trânsito de automóveis nos fins de semana, construir ciclovias, investir em calçadas e assim por diante. Aliás, por que a cidade não tem um plano de calçadas maiores e melhores?

Como nasceram os guias para crianças?

Os guias para crianças, dez passeios em São Paulo e dez passeios no interior e litoral, são pensados para adultos realizarem junto com as crianças. A idéia é a mesma, propondo às crianças um olhar lúdico sobre questões da história e da cidade, pensando que história, cidadania e passear pela cidade podem caminhar juntos. Os dois guias de crianças foram realizados por uma pequena equipe, na qual o trabalho da socióloga Iara Rolnik foi bem importante.

Como você organiza suas viagens, usando guias?

Costumo ler vários guias, incluindo os mais convencionais. Gosto de ter muita informação e opções pré-definidas, mas aprecio deixar amplo espaço para passear sem rumo e me perder. Temos uma inexplicável falta de guias no país, incluindo lugares tão aparentemente óbvios como Rio de Janeiro, Brasília e Ouro Preto. Em Ouro Preto, uso o guia do poeta Manuel Bandeira, editado nos anos 40 e com propostas de passeios a pé.

Quais os próximos guias?

Antes de tudo, os projetos de guias nascem do prazer de passear e pensar em novos temas. Eu gostaria de fazer cada vez mais guias sobre São Paulo, retornar aos mesmos lugares e propor novos recortes e conhecer outros bairros. Concretamente, estamos preparando um guia de passeios históricos a pé em São Paulo em inglês, para turistas estrangeiros, e uma guia de cemitérios e lugares da morte na cidade, este com a Editora Carbono 14 e co-editado pela historiadora Paula Janovitch. É impressionante como se pode conhecer a história de São Paulo, em todos os sentidos, a partir da visita aos cemitérios e lugares de morte na cidade.

Há outros planos correlatos?

Sim. Em parceria com o Arqbacana, do arquiteto Marcio Mazza, que já realiza diversos passeios em São Paulo, estamos começando a oferecer passeios guiados pela cidade, a começar pelos roteiros de Dez roteiros históricos a pé em São Paulo.

Quais foram suas viagens mais inusitadas?

Para citar uma, escolho Montevidéu. Foi uma viagem interessantíssima, uma volta aos anos 1950, preservados em todos os seus códigos e imagens e uma capital para andar a pé para todos os cantos. Vou citar também, no espírito dos guias, três lugares próximos a São Paulo. Primeiro, Paranapiacaba e Fazenda Ipanema (em Iperó, próximo a Sorocaba) são fascinantes e imperdíveis. Ainda me lembro da sensação de espanto ao visitá-las pela primeira vez e também da sensação de “descoberta”. Outra cidade à qual é sempre bom voltar é Santos. Já em São Paulo, a última “viagem” interessante, num domingo de manhã, foi à Penha, parece uma pequena cidade do interior, de passado colonial, com uma urbanização anterior à metrópole, ruas pouco alinhadas, barrancos em desnível e assim por diante, incluindo a visita a duas belas igrejas. São Paulo é cheia destas possibilidades, é só aventurar-se por ela.

sobre o entrevistado

Roney Cytrynowicz é historiador e diretor da Narrativa Um – Projetos e Pesquisas de História. Entre seus livros publicados estão "Guerra sem guerra. A mobilização e o cotidiano em São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial" (Edusp) e o infanto-juvenil "Quando vovó perdeu a memória" (Edições SM)

comments

026.03 Entrevista
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

026

026.01 Fotografia

Fotografar como caminhar

Cristiano Mascaro

026.02 Roteiro de viagem

Chandigarh, o moderno e o milenar

Julia Bussius and Nelson Barbieri

026.04 Visita arquitetônica

Primavera em Berlim

Haifa Yazigi Sabbag

026.05 Na estrada

Melbourne para todos

Sonia Manski

026.06 Arquitetura turística

Fundação Caixa Galícia em La Coruña

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

026.07 Exposição

Caminho de Santiago na Galícia

Paloma Varón

026.08 Editorial

Cidades (re)viradas

Abilio Guerra and Michel Gorski

026.09 Ministério do Arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided