Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930


abstracts

português
Sonia Manski conta em Melbourne para todos como se sentiu uma turista-cidadã ao ser acolhida nas ruas e nos múltiplos espaços públicos de uma cidade inclusiva, franqueada para todas as idades e sem limitações para cadeiras de rodas e carrinhos de bebês

english
In this article, Sonia Manski tells us how she felt a citizen-tourist when she was accepted in the streets and in the many public spaces of an inclusive city; suitable for all ages and without wheelchair or stroller obstacles

español
En este artículo, Sonia Manski cuenta cómo se sintió una turista- ciudadana al ser acogida en las calles y en los múltiples espacios públicos de una ciudad inclusiva; apta para todas las edades y sin limitaciones para silla de ruedas y cochecitos de bebé


how to quote

MANSKI, Sonia. Melbourne para todos. Arquiteturismo, São Paulo, ano 03, n. 026.05, Vitruvius, abr. 2009 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/03.026/1513>.


Não sou do tipo que viaja muito. Pelo menos não no varejo. Nem por isso sou uma turista acidental do tipo que odeia estar em trânsito e, quando fora do habitat, arranja um jeito de ficar sempre no mesmo lugar. Muito pelo contrário.

Nas raras vezes em que viajo, costumo abrir os olhos. Por isso, durante uma estadia em Melbourne, difícil foi não me espantar com uma cidade tão acessível, tão aberta para os cidadãos. Uma cidade inclusiva, franqueada para a primeira, a segunda e a terceira idade. Uma cidade que acolhe portadores de necessidades especiais: cadeirantes e deficientes visuais. A tal ponto que as cadeiras rodantes chegam a atrair a atenção de um transeunte desavisado flanando pelas ruas num dia comum, eu.

A não ser que estatisticamente existam mais deficientes físicos lá do que aqui, não existe outra explicação para transitarem tão expressivamente pelas ruas do que a acessibilidade das vias urbanas. Sem falar nos semáforos adaptados para deficientes visuais. Para sua presença ser detectada, é emitido um som repetitivo característico; e a freqüência se acelera quando abre para os pedestres.

Claro que nada disso seria possível sem calçadas adequadas. Difícil acreditar, mas em algumas áreas do centro, não há diferença de nível entre o leito das ruas e o passeio público. Os pisos formam um todo contínuo e permitem um deslize confortável e sem qualquer transtorno para cadeiras de rodas. E para carrinhos de bebê também, claro. Com direito a uma pausa para o papai dar uma descansada básica, sentar-se e tomar tranquilo seu suquinho.

Dentro desse contexto, não surpreende que o acesso ao transporte público seja fácil e cômodo, sem necessidade de vencer nenhum degrau. Sendo que a cidade é servida por uma malha de trens e bondes. Herança dos ingleses. E por falar em bonde, a altura do seu piso é a mesma da calçada onde se dá o embarque.

Daí que o acesso ao comboio é possível tanto para um usuário de cadeira de rodas como para um carrinho de bebê. E por que não dois? Com folga, bem entendido. E não é dizer que isso aconteça em prejuízo dos espaços para que outros passageiros possam se sentar confortavelmente.

Sem cobradores, por favor. O pressuposto é que o bilhete será devidamente pago e validado no dispositivo específico para tal fim. Desnecessário mencionar que o horário de passagem – rigorosamente obedecido – consta em cartazes colocados no ponto.

Num dia de branco na folhinha, mesmo no centro da cidade, é possível parar num banco e ler um livro. Aliás, livro é objeto muito comum de se encontrar nas mãos das pessoas nos bondes, a caminho do trabalho ou na volta.

Fora o detalhe da possibilidade de fruição dos espaços públicos, que não são poucos. Jardins e parques não faltam. Melbourne se orgulha de ser tão bem provida de áreas verdes – que, enormes, se espalham pela área urbana – graças à visão de seus fundadores. Tanto que ir a um parque é programa comum, faz parte da cultura. Se for para encontrar amigos e fazer um tradicional pic nic, resta escolher um dos muitos. Todos dispões de instalações para churrasco. Basta levar os ingredientes.

Se for para assistir um show, concerto de música, cinema ao ar livre etc., basta acompanhar a programação. Dos eventos que já fazem parte do calendário de Melbourne, o festival de curta metragem é um dos mais tradicionais.

Neste dia, uma empresa aproveitou para fazer sua propaganda institucional. Inteligente é o projeto da cadeira com encosto, feita em papelão ondulado, especial para oferecer conforto a quem senta no chão. No final da apresentação, é só devolver o brinde. Para reciclagem, óbvio. Quem ousaria poluir o próprio local de moradia?

Parece que quando as facilidades públicas oferecidas apresentam qualidade tão elevada, os cidadãos se sentem impelidos a um comportamento igualmente pleno de urbanidade e civilidade.

Seja bem vindo a Melbourne!

sobre o autor

Sonia Manski é arquiteta formada pela FAU USP e trabalha no Condephaat

comments

026.05 Na estrada
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

026

026.01 Fotografia

Fotografar como caminhar

Cristiano Mascaro

026.02 Roteiro de viagem

Chandigarh, o moderno e o milenar

Julia Bussius and Nelson Barbieri

026.03 Entrevista

O historiador e seus passeios a pé

Roney Cytrynowicz

026.04 Visita arquitetônica

Primavera em Berlim

Haifa Yazigi Sabbag

026.06 Arquitetura turística

Fundação Caixa Galícia em La Coruña

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

026.07 Exposição

Caminho de Santiago na Galícia

Paloma Varón

026.08 Editorial

Cidades (re)viradas

Abilio Guerra and Michel Gorski

026.09 Ministério do Arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided