Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Vista panorâmica de São Paulo. Foto Abilio Guerra

abstracts

português
Entre pausas nas sessões do congresso, Silvia Zakia faz ligeiros passeios por Paris


how to quote

ZAKIA, Silvia Palazzi. Hiatos de um congresso em Paris. Arquiteturismo, São Paulo, ano 06, n. 068.05, Vitruvius, out. 2012 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/06.068/4546>.


No começo de julho aconteceu em Paris o 4th International Congress on Construction History. Durante cinco dias, entre 3 e 7 de julho, cerca de 250 comunicações foram realizadas. Uma diversidade de sotaques inundou as salas das escolas de arquitetura Paris-Malaquais, La Villette e Versailles. Um microcosmo cosmopolita que refletia a própria Paris. Entre as comunicações apresentadas, seis eram do Brasil, espelhando a qualidade de nossas pesquisas. Não posso deixar de citar a presença da querida professora Margareth, integrante da comissão científica, que conciliou seu tempo para também nos prestigiar. Prescindível comentar a importância das reuniões científicas que proporcionam o intercâmbio necessário ao aperfeiçoamento das pesquisas acadêmicas. Impossível relatar, ainda que sinteticamente, o conteúdo dos trabalhos e palestras. Os anais impressos conformando três volumes nos foram entregues já no cadastramento de chegada e são testemunhos da magnitude do evento.

Confesso que por mais que os trabalhos despertem interesse é para mim impossível acompanhar às muitas sessões sem pausas desconectadas dos temas em pauta. Pequenos hiatos são muito bem-vindos. Resolvi intercalar, entre uma sessão e outra, ligeiros passeios pelas redondezas do 6ème Arrondissement, Saint-Germain-de-Prés. Vamos então, aos hiatos.

Lei de 29 de julho, Paris
Foto Silvia Zakia

Qualquer passeio pelas redondezas da escola de Belas Artes é gratificante, segui despreocupadamente pelo Boulevard Saint Germain e descobri uma entrada que conduzia ao pequeno museu, Musée des lettres et manuscrits. A surpresa agradável foi estendida pela visita à exposição gratuita Sur la route de Jack Kerouac: L'épopée, de l'écrit à l'écran.  Em uma sala de dimensões reduzidas estava disposto numa vitrine de 9 metros o rolo de papel telex, versão original do mítico romance On the road, escrito em 1951 e publicado em 1957 por Jack Kerouac. A pequena mostra contava com imagens e informações sobre o best-seller inspirador da geração beat e sobre o filme, Na estrada, dirigido por Walter Salles cotejando paisagens, personagens e depoimentos. No piso, uma pintura simulava a sinalização da estrada. – simpática idéia. Apreciei, sobretudo, o reconhecimento de mais um belo trabalho do cineasta brasileiro, cujo filme, ainda não vi. O bom de visitar exposições é que elas nos motivam, despertando o interesse por novos temas. Essa abriu meu apetite para a leitura do clássico, que conta as histórias de viagem de Sal Paradise, um escritor nova-iorquino, que cai na estrada para o reencontro com o mundo.

De volta à rua e ao meu caminho, continuei meu percurso e poucos metros adiante, do outro lado do boulevard, deparei-me com a exposição também gratuita, situada na Maison de l’Amerique Latine, da obra de Maria Bonomi. Trabalho que me impressiona pela fusão de vigor e delicadeza. Fantástico! Nada a acrescer.

No dia seguinte, nova pausa entre as sessões do congresso, aliás, algumas são tediosas, mesmo quando o tema é instigante. Não pretendo discutir a estrutura dos eventos acadêmicos. Durante o horário do almoço fui até o Jardin du Luxembourg. O colorido e o perfume das flores são um verdadeiro refresco pr’alma. Os canteiros são meticulosamente organizados, afinal é um jardim francês. Lembrei-me que no verão do ano anterior, o perfume de petúnias era mais intenso e o colorido dos canteiros mais variado, mesclando tons de azul, amarelo e laranja em combinações que se repetiam seqüencialmente. Imagino que o planejamento dos parques de Paris deva ser diverso a cada ano, uma vez mais perfumado, outra, mais colorido. Uma surpresa por ano.

Comparei, por instantes, com nossas praças e pequenos jardins. Temos uma escola de paisagismo mundialmente reconhecida e que nos orgulha, e cuja base é a obra de Burle Marx. No entanto, muitas das praças de nossas cidades oferecem um paisagismo sofrível que por incapacidade das administrações municipais é patrocinado pelo setor privado, como se a verba pública fosse escassa até para as pequenas questões.

Milfolhas, Paris
Foto Silvia Zakia

Mas, ainda em Paris, com o colorido das flores em mente, saí do parque. Parada no sinal de pedestres vi defronte um posto policial, em cuja parede podia se ler: proibido colar cartazes, lei de 29 julho de 1881. Civilidade, tão simples. Voltei ao congresso pensando que o artigo que iria apresentar versava curiosamente sobre o primeiro código de construções de Campinas, de 1934. Outros códigos se seguiram, mas até hoje, não conseguimos tornar nossas cidades agradáveis, apesar de boas tentativas implementadas ao longo dos anos.

E pra fechar esse passeio com chave de ouro saboreei um delicioso milfolhas de mil calorias.

Ainda queria comentar que a possibilidade de realizar esses suspiros no mundo exterior, entre mergulhos acadêmicos, é facilitada pela inserção da escola no tecido urbano. A vida real das ruas e praças permeia entre salas de aulas e corredores. Constatação que só aumenta meu pesar pela transferência da faculdade de direito da Puc de Campinas, do casarão do Barão de Itapura, situado no centro da cidade, para o campus. O antigo casarão, lócus da gênese da fundação da instituição, será transformado em museu. Do que?...

A dupla – patrimônio arquitetônico e museu – parece ser, no Brasil, um único e perfeito casamento apropriado à preservação cultural. Falsa idéia. Espero que o prédio da Puc Central, como é conhecido, não se transforme num grande túmulo vazio no coração da cidade.

Enfim, o resumo do congresso: muitas sessões, trabalhos interessantes, novos contatos e, os hiatos - prazerosas pausas em Paris.

PS: A organização do congresso foi irrepreensível, preparou inclusive uma série de passeios temáticos: a visita ao acervo do Musée des Arts et Métiers de Paris, um verdadeiro mergulho nas entranhas de engenhos e máquinas, quase como numa fábula, e ainda uma seleção de catorze opções de visitação. Difícil foi escolher.

Locais: École nationale supérieure d’architecture Paris-Malaquais, La Villette e Versailles, Beaux-arts de Paris, Musée des lettres et manuscrits, Jardin du Luxembourg, Maison de l’Amerique Latine, Musée des Arts et Métiers.

sobre a autora

Silvia Palazzi Zakia é arquiteta pela PUC-Campinas e doutora pela FAU-USP.

comments

068.05 viagem de estudo
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

068

068.01 editorial

Move Cine Arte

Caio Guerra and Helena Guerra

068.02 ensaio fotográfico

Salvador, Brasil: secular e sincrética

Fabio Jose Martins de Lima

068.03 arquiteturismo em questão

Liverpool sagrada

Ana Paula Spolon and Aguinaldo César Fratucci

068.04 paisagem construída

Uma brasileira em Paris

Hugo Oliveira

068.06 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte...

Victor Hugo Mori

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided