Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Leia o artigo do crítico de arte Sergio Bruno Martins sobre a instalação de Ana Holck apresentada pela Zipper Galeria na SP-Arte 2011 no Pavilhão da Bienal em São Paulo

how to quote

MARTINS, Sergio Bruno. Desabitar-se. Sobre a instalação “Bastidor”, de Ana Holck. Drops, São Paulo, ano 11, n. 045.07, Vitruvius, jun. 2011 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/11.045/3933>.



“Só existo na vida com a condição de ver”, escreveu Le Corbusier. Daí que o arquiteto tomasse a janela horizontal como elemento estruturante de seus projetos, como limite que constitui o habitante, divorciando-o da natureza e submetendo-a ao enquadramento da visão. Habitar seria, portanto, assumir a posição de vidente.

Não é por menos, também, que um trabalho de Ana Holck, Fuga (2004), interferiu justamente sobre a janela de um dos principais monumentos da tradição corbusiana, o Palácio Gustavo Capanema, recobrindo-a com películas de filme de controle solar com diferentes graus de opacidade. Estão aí colocados os termos de uma gramática que articula o espaço em termos de encobrimento e desvelamento, acesso e obstrução.

Em Bastidor, Holck dá sequência a uma investigação sobre os desdobramentos escultóricos de um tipo recorrente da paisagem urbana, o calçamento hexagonal de concreto. Investigação que aqui extrapola a autonomia do objeto e retoma uma questão cara à artista: a ocupação do espaço arquitetônico como um todo, em diálogo com seus limites.

Pode-se pensar tal manobra em três tempos, a começar por um simples deslocamento: desenterrado, o bloco adquire massa e reafirma sua surpreendente presença física no peso e na opacidade do concreto. Termos imediatamente revertidos pela repetição de sua forma hexagonal, que mobiliza um material leve e translúcido, o policarbonato alveolar. É erguido um biombo, que vem pautar nossa trajetória pela sala, mas que é também trespassado por recortes – o hexágono agora inscrito como ausência.

Acentuam-se, desse modo, a discrepância entre acesso visual e obstrução corporal, e a entrada em cena, na própria trama formal do trabalho, do jogo de luz e sombra. Caminhamos escorados no fino limiar entre uma presença escultórica marcante e sua pulverização, adentrando um produtivo campo de incertezas no qual ver talvez seja menos habitar do que desabituar-se.

nota

NE
A instalação “Bastidor”, de Ana Holck, apresentada pela Zipper Galeria na SP-Arte 2011, Pavilhão da Bienal, Parque do Ibirapuera, de 12 e 15 de maio de 2011.

sobre o autor

Sergio Bruno Martins é crítico de arte.

 

comments

045.07
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

045

045.01

Arquitetura com qualidade

Luiz Fernando Janot

045.02

Amistades peligrosas

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

045.03

Minha casa, minha vida

Sérgio Magalhães

045.04

João Walter Toscano (1933–2011)

Arquiteto e urbanista

Valentina Moimas

045.05

A luta dos edifícios contra as águas

Gabriel Kogan

045.06

Mário Cravo

Um mito e um inventor

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided