Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O projeto Amnésias Topográficas, iniciado em 2003, é retomado e desta vez busca explorar a dificuldade de se fotografar uma palafita, estrutura de concreto jamais visitada por alguém

how to quote

TEIXEIRA, Carlos M. Amnésias Topográficas 4. Drops, São Paulo, ano 13, n. 059.06, Vitruvius, ago. 2012 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/13.059/4451>.



Amnésias Topográficas, um projeto multidisciplinar de ocupações efêmeras de vazios urbanos iniciado em 2003 (1) foi retomado este ano a partir de um convite para expô-lo como parte de “Segue-se Ver o que Quisesse”, uma exposição de fotografias. Mas invés de buscar uma terceira colaboração com mais um grupo de teatro, Amnésias Topográficas 4 explora a dificuldade de fotografar uma palafita. Pois nem todas as palafitas são abertas, daí a ideia de continuar este projeto com a visita a um vazio de uma escuridão absoluta e radicalmente apartado da cidade.

A palafita fechada é uma tipologia mais rara e ocorre porque certas construtoras decidiram por não expor estes vazios escancaradamente, selando a estrutura de concreto com alvenaria. Infelizmente, o resultado é ainda mais catastrófico que o das palafitas abertas; ambas sendo um ruído estrondoso que só provoca a indiferença de uma cidade surda.

Mas ao menos a palafita fechada encontra uma analogia na história da fotografia, cujos primórdios é a camera obscura usada como espaço hermético escuro onde era projetada uma imagem ótica. Antes do advento da fotografia, a camera obscura era um dispositivo usado por pintores e amadores como instrumento para registrar uma imagem de forma precisa. Enquanto a palafita aberta continua à espera de qualquer outra ativação como o foram AT 1 e AT 2, a condição de escuridão da palafita fechada parece estar à espera não de um evento, mas sim da revelação de um espaço em princípio não fotografável (já que por ser uma camera obscura ela é destituída de luz, matéria prima da foto(luz) -grafia(escrita)). É como se a da palafita fechada fosse uma arquitetura cuja ambição maior é jamais ser fotografada ou sequer visitada, uma tipologia que rechaça qualquer evento, um espaço construído com o propósito explícito de nunca ser ocupado ou fotografado e onde, precisamente por todas essas resistências, a ausência da energia da luz (fótons) talvez pudesse ser compensada com a revelação de qualquer surpresa.

Amnésias Topográficas 4
Foto Carlos Moreira Teixeira

Mas, além de se prestar como objeto dessa convergência forçada entre a tipologia da camera obscura e a arquitetura de arquitetos obtusos, será que a palafita fechada é lugar para se procurar capins – essas plantas indesejadas onipresentes nos vazios da cidade? Seria possível encontrar qualquer tipo de vegetação neste breu? Existe qualquer possibilidade de vida nestes que são os mais fantásticos e mais ignorados espaços de Belo Horizonte? Sabendo que capins crescem onde menos se espera, a exploração do negrume da palafita fechada passa pela esperança de lá encontrarmos qualquer mato que desafie a equação da fotossíntese, o que evidenciaria um lado surpreendente do aspecto fotofóbico daqueles espaços.

Foi então nesta estrutura de concreto jamais visitada por alguém – nem mesmo pelos moradores do prédio que sustenta – e onde nunca houve qualquer evento que o projeto Amnésias Topográficas (= eventos efêmeros, = artes cênicas) foi retomado. O resultado são as seis fotos em formato grande apresentadas em Segue-se ver o que Quisesse (2), exposição de fotografias com curadoria do fotógrafo suíço Joerg Bader da qual participaram 39 artistas e fotógrafos.

notas

1
Ver: TEIXEIRA, Carlos Moreira; GANZ, Louise Marie. Urbanismo efêmero em amnésias topográficas. Arquitextos, São Paulo, 03.036.05, Vitruvius, maio 2003 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/03.036/685 >; TEIXEIRA, Carlos Moreira; GANZ, Louise Marie. Amnésias Topográficas. Palafitas e pilotis de Belo Horizonte. Drops, São Paulo, 05.009.09, Vitruvius, nov. 2004 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/05.009/1637>.

2
Exposição Segue-se ver o que Quisesse. Palácio das Artes, Belo Horizonte, maio-julho de 2012.

sobre o autor

Carlos Moreira Teixeira é arquiteto pela EA-UFMG e mestre em urbanismo pela Architectural Association. Publicou os livros História do Vazio em BH (Cosac Naify), Espaços Colaterais (Instituto Cidades Criativas) e é sócio do escritório Vazio S/A.

 

comments

059.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

059

059.01

A arte de um mestre

Encanto e estranhamento das gravuras de Samico

Weydson Barros Leal

059.02

Eco-bricolagem arquitetônica

Cássia Mota, Amanda Costa, Fagner Marçal, Pedro Passos and César Jordão

059.03

El arrecife a la intemperie

Complejo Acuático para los Juegos Panamericanos 2010 (Medellín) de Paisajes Emergentes

Eva Álvarez

059.04

Reflexiones en voz alta

Arquitectura y autoconstrucción: una visión actual

Humberto González Ortiz

059.05

Inter Cities / Intra Cities

Ghostwriting the future

Christopher Law, Jonathan Pile, Desmond Hui, Sada Lam and Patrick Bruce

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided