Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Arruinado, o Teatro Nacional em Brasília de Niemeyer, que abriga esculturas de Alfredo Ceschiatti e Marianne Peretti, abriga hoje em seu foyer um involuntário paisagismo de Roberto Burle Marx, onde o abandono o transformou em jardim sem frutos proibidos.

how to quote

RODRIGUES, Felipe SS. Ruínas do Teatro Nacional. Um jardim sem frutos proibidos. Drops, São Paulo, ano 17, n. 110.03, Vitruvius, nov. 2016 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/17.110/6275>.



Fechado há quase três anos, em razão dos riscos que as instalações ofereciam ao público, o Teatro Nacional hoje, é apenas um presságio do que poderia vir a se tornar Brasília se deixasse de ser o Distrito Federal, como um dia ocorreu a cidade do Rio de Janeiro, após cerca de dois séculos como capital do país. O cenário de abandono, quase apocalíptico, na época, não coube bem à cidade maravilhosa, mas se harmoniza felizmente, com a cidade brasiliense, fruto maduro da utopia moderna.

Externamente, o teatro – um tronco de pirâmide de feição pré-colombiana – denuncia silencioso a inatividade interna. A pátina faz envelhecer sem deteriorar; os tapumes que selam as portas, deixam velada a resignação da obra. O único acesso – ocasionalmente, o principal – foi recentemente reaberto para servir como atalho exclusivo dos servidores da Secretaria de Cultura do DF, alocados no subsolo adjacente ao teatro; caso contrário, caminhariam metros mais sob o sol escaldante até a rodoviária central.

No acesso principal, a porta – uma folha de vidro simples, já sem maçaneta –, quando aberta, libera o ar úmido do foyer. O jardim de Roberto Burle Marx, sem a manutenção periódica, consolidou um ecossistema próprio. Sob o teto inclinado de cristal a transpiração das plantas reage à incidência direta do sol, e a umidade acelera o crescimento da vegetação, ao efeito de uma estufa; também convidativo para os répteis, anfíbios e aracnídeos que ao cruzarem uma das vidraças estilhaçadas, encontram abrigo à esterilidade do cerrado.

A escultura O Contorcionista, de Alfredo Ceschiatti, recebeu uma intricada teia de aranha no aro do bambolê, e O Pássaro, de Marianne Peretti, em bronze reluzente, replica o sol no meio ambiente incomum. As peças são testemunhas oculares das recepções formais nas noites de apresentação da orquestra sinfônica da casa, quando circulavam tacinhas de espumante ao som de bossa nova.

No jardim babilônico, espécies desconhecidas surgem em meio às implantadas originalmente; um cenário de passado pré-histórico concomitante ao presente alucinado, ao gosto de Steven Spielberg; ou de uma nova origem que desponta de um presente desobediente – o Jardim do Éden, já sem os frutos proibidos.

A perseverança do arquiteto brasileiro em integrar intuitivamente arquitetura e  paisagem desponta finalmente, e antes do que se imaginava, como fórmula incubadora  da vida. Sobrenatural – diziam alguns sobre os modernos brasileiros – sem argumentos que validassem o palpite. Não sabiam que de fato, aqueles desenhavam para o futuro e muniam sua obra de sobrevida – projetavam para o fim, e o recomeço.

sobre o autor

Felipe SS Rodrigues é arquiteto (FAU Mackenzie, 2014) e mestrando (FAU Mackenzie, 2016) com estudos complementares na New Jersey Institute of Technology (2012), e no Pratt Institute em Nova Iorque (2013). Colaborou com o arquiteto Isay Weinfeld (2011), e com Rem Koolhaas no OMA de Roterdão (2013).

 

comments

110.03 paisagismo
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

110

110.01 pesquisa

Carta ao Ministro Kassab

Em protesto à reforma do MCTIC

Fórum de Ciências Humanas, Sociais e Sociais Aplicadas

110.02 história

Carta para Oscar Niemeyer

Sobre o monumento em Monte Castelo em homenagem aos pracinhas

Francesco Arnoaldi Berti

110.04 política

A arte de acumular cargos no Reino da Bélgica

Adson Cristiano Bozzi Ramatis Lima

110.05 publicação

Jayme Campello Fonseca Rodrigues

Um livro que traz uma cápsula do tempo

Hugo Segawa

110.06 homenagem

Paulo Mendes da Rocha, arquiteto

Rafael Antonio Cunha Perrone

110.07 fotografia

Fábio Del Re, Série Morandi

Como transformar objetos em imagens distendidas no tempo

Luísa Kiefer

110.08 crítica

Cegueira e arte

Sobre olhares e escolhas

Carolina Nader

110.09 exposição

Cripta Djan, em nome do pixo

Sobre o pichador que virou artista

Gustavo Lassala

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided