Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Segundo Álvaro Rodrigues dos Santos, é preocupante o fato de que a Geotecnia brasileira não está conseguindo atender a volumosa demanda de serviços a ela hoje colocada em um nível desejável de qualidade

how to quote

SANTOS, Álvaro Rodrigues dos. Geotecnia brasileira vive a “ditadura da solução”. Drops, São Paulo, ano 11, n. 039.03, Vitruvius, dez. 2010 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/11.039/3683>.


Grande escorregamento (ruptura profunda) destruindo por completo a pretensa “solução” com tela argamassada
Foto Álvaro Rodrigues dos Santos


"A formulação de um problema é, muitas vezes, mais importante que sua solução, a qual vai depender simplesmente de uma habilidade matemática ou experimental. Fazer novas perguntas e considerar novas possibilidades para enfocar velhos problemas através de um novo ângulo, isso sim exige imaginação criadora e indica o verdadeiro progresso da ciência".
Albert Einstein

Como muitas áreas da engenharia nacional, a Geotecnia (Engenharia Geotécnica e Geologia de Engenharia) está sendo surpreendida por um notável nível de demanda de trabalhos, decorrência direta do novo surto de desenvolvimento econômico que se consolida e movimenta o país em todos seus campos de atividade.

Parece ser unânime entre os mais destacados geotécnicos brasileiros a percepção prática de que a Geotecnia brasileira não está conseguindo atender a volumosa demanda de serviços a ela hoje colocada em um nível desejável de qualidade, fato que, como não poderia deixar de ser, preocupa a todos, consideradas suas graves conseqüências. Analisemos esse preocupante cenário mais detidamente.

Com a entrada em cena da recessão econômica que atingiu o país do final da década de 70 ao início da década de 90 do século 20, a conseqüente redução de investimentos públicos e privados, o enfraquecimento do setor empresarial de consultoria e projetos e, especialmente, com o fim das equipes técnicas permanentes das empresas públicas como decorrência de sua privatização, o ambiente de enorme efervescência de idéias que marcou virtuosamente a Geotecnia brasileira nas décadas de 60 e 70 foi progressivamente perdendo energia e consistência, dando lugar a um ambiente mais caracterizado pelo desalento e pela dispersão profissional. Como não poderia deixar de ser, esse novo cenário, frontalmente desestimulante de um criativo e desafiante exercício profissional, acaba também por contaminar e comprometer, em seus estratos discentes e docentes, o espaço acadêmico de formação dos novos geotécnicos brasileiros.

Nesse prolongado período, a Geotecnia brasileira, em que pesem elogiáveis esforços individuais, caminha à deriva, perde seu virtuoso viés teórico e crítico e se vulnerabiliza diante de modismos tecnológicos que se revezam no oferecimento de soluções milagrosas para toda a sorte de problemas.

Via de regra a decisão por uma determinada solução de engenharia já não advém mais da conclusão de um preciso diagnóstico do problema e dos fenômenos com que se está lidando. Já não é mais o problema que busca a solução, mas sim a solução prêt-à-porter (“pronta para usar”) que comercialmente busca problemas, sejam esses quais forem, para oferecer-se como desejada panacéia tecnológica. Como o caricato “médico de bula”, surge o “geotécnico de catálogo”.

Como sinal e sintoma dessa inversão de valores científicos, analisem-se os mais comuns e naturais patrocinadores dos eventos técnicos do campo da Geotecnia. Até o início dos anos 80 destacavam-se entre esses patrocinadores as empresas públicas e as empresas de consultoria e projetos. Hoje, esse importante papel é cumprido especialmente pelas mais diversas empresas produtoras de insumos e componentes de soluções geotécnicas. Lembremos algumas dessas numerosas e onipresentes ofertas tecnológicas: gabiões, tela argamassada, geotéxteis, geomembranas, solo grampeado, solos reforçados, jet-grounting, CCP, enfilagens especiais, micro-estacas, estacas-raiz, geogrelhas, blocos intertravados, malhas metálicas, etc., etc., etc.

Como um parêntesis, consideremos: sem dúvida, o aperfeiçoamento de nosso leque de soluções é necessário e bem-vindo, por disponibilizar continuamente novas e eficazes ferramentas para o trato de novos e velhos problemas geotécnicos, e as anteriormente mencionadas são todas boas ferramentas para suas específicas finalidades. A questão apontada não está na qualidade das soluções disponibilizadas, mas no risco em se abordar um problema geotécnico com a predisposição, ou com a pré-intenção, de utilizar-se essa ou aquela solução.

Enfim, a razão dessa disfunção metodológica está no descaso, ou na desimportância que se confere à necessidade de uma boa investigação fenomenológica. O resultado prático é a profusão de obras e serviços geotécnicos que pouco têm a ver com os reais fenômenos geológico-geotécnicos a que se reportam. Uma enganosa facilidade de momento que leva inexoravelmente a futuras complicações, a problemas que vão desde graves acidentes a enormes despesas com serviços de sobre-manutenção, sobre-conservação e recuperação. Como sempre, uma “esperta” economia em projeto e em consistentes estudos preliminares continua vitimando o orçamento de contratantes, impondo-lhes com freqüência graves problemas de ordem logística e jurídica. Como também colaborando para corroer sua imagem institucional.

A reversão dessa disfunção passa pela disposição de contratantes, projetistas, empreiteiras e academia em retornar à velha e sábia verdade de ordem metodológica: a execução de serviços geotécnicos, de qualquer natureza, inicia-se, indispensavelmente, pela exata compreensão qualitativa e quantitativa do fenômeno geológico-geotécnico que se está enfrentando. Somente essa compreensão, para a qual uma rica e colaborativa integração entre os conhecimentos geológicos e geotécnicos é essencial, permitirá a adoção de uma solução perfeitamente solidária e adequada ao fenômeno enfrentado. Adicionalmente, a segurança proveniente dessa compreensão libera o projetista para a adoção de Coeficientes de Segurança mais modestos e para uma maior ousadia na escolha da solução de engenharia. Do que decorrerão, em relação direta, obras mais econômicas e eficazes. Enfim, e resumindo, retornar ao primado da inteligência e do bom senso.

Nesse contexto, o recente Cobramseg 2010, realizado pela ABMS em Gramado RS, com seus mais de 1.300 inscritos e com o calor das boas discussões técnicas ocorridas, representa um salutar fator de otimismo, e pode estar marcando o início de uma nova era de criatividade e entusiasmo científico para a Geotecnia brasileira.

sobre o autor

Álvaro Rodrigues dos Santos, geólogo (USP, 1968), pesquisador V sênior pelo IPT, ex-Diretor de Planejamento e Gestão do IPT e ex-Diretor da Divisão de Geologia, autor dos livros “Geologia de Engenharia: Conceitos, Método e Prática”, “A Grande Barreira da Serra do Mar”, “Cubatão” e “Diálogos Geológicos”.

 

comments

039.03
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

039

039.01

Koolhaas Sejima Veneza

Rafael Urano

039.02

Materia esencial. Construcciones en adobe

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

039.04

Rambla de Manguinhos

Jorge Mario Jáuregui

039.05

Hablar de lo esencial

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

039.06

O Rio se reencontra

Sérgio Magalhães

039.07

Sempre Veneza

A Bienal de Arquitetura e a cidade como suporte expositivo

Vittorio Corinaldi

039.08

A linguagem e a transgressão da veste

A evolução da roupa na cultura ocidental

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

039.09

A reconfiguração urbana do Rio de Janeiro

Luiz Fernando Janot

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided