Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Leia o artigo de Sérgio Magalhães a respeito de um outro pólo que tem reorientado o desenvolvimento do Rio de Janeiro: seu centro

how to quote

MAGALHÃES, Sérgio. O Rio se reencontra. Drops, São Paulo, ano 11, n. 039.06, Vitruvius, dez. 2010 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/11.039/3699>.


Maracanã, Rio de Janeiro
Foto Nelson Kon


Depois de quarenta anos de hegemonia do modelo de dispersão territorial e de valorização de centralidades novas a oeste, poderemos ter um outro pólo a reorientar a direção do desenvolvimento urbano: o centro do Rio. Sim, o velho centro, lugar histórico, lugar político, a fonte da cidade.

Os grandes eventos programados para os próximos anos poderão significar o reencontro da cidade com o seu centro.

São muitos os embates a que o centro tem enfrentado.

A ele se opõe, há décadas, a expansão em baixa densidade demográfica. O censo de 2010 daqui a poucas semanas confirmará o pouco crescimento da população do município, praticamente estável. Não obstante, se o censo também medisse a ocupação territorial, veríamos que a cidade se expandiu desproporcionalmente. É um espraiamento predatório, porque implica em gastos ambientais, sociais e econômicos insustentáveis.

Ao centro também se opôs, desde os anos sessenta, a idéia modernista de que a cidade precisava ser outra, que seria desejável promover-se uma nova centralidade metropolitana nos terrenos ociosos de Sernambetiba, onde se estabeleceu uma nova hegemonia imobiliária, e para onde, quiçá, se transferiria a capital do estado. Isto é, depois de deixar de ser capital federal, o velho Rio também perderia a condição de capital estadual...

Ainda durante a hegemonia funcionalista, pretendeu-se que o centro do Rio não poderia abrigar moradias –e lei proibiu aí novas habitações, sem considerar que a vitalidade dos tecidos centrais se dá também pela ocupação diuturna.

Nesse verdadeiro turbilhão, se consolida a praia como referência urbana, disputando com o centro o lugar privilegiado do convívio e da bem aventurança.

E, ainda nos anos sessenta, com a desestruturação dos transportes sobre trilhos (trens e bondes), em benefício de ônibus e automóveis, e com a abstenção de políticas metropolitanas, dificulta-se o acesso ao seu núcleo. A condição de melhor acesso, um dos primeiros atributos dos centros urbanos, se enfraquece.

Assim que políticas de preservação ambiental e patrimonial, embora fundamentais, não logram reverter as perdas estruturais. O centro do Rio, que já fora a principal centralidade nacional na representação política, social e financeira, pareceria estar condenado a ser um bairro qualquer –não fosse a sua derrota a própria ruína da cidade.

Se admitirmos que uma grande cidade, uma metrópole, precisa de um ambiente público que sintetize a identidade coletiva, que seja representativo das suas memórias e da sua história, que esse espaço seja indispensável para a coesão social, e que ele não seja meramente simbólico mas que seja permanentemente vivenciado e fortalecido no enriquecimento quotidiano do seu uso, então, o nosso Centro precisa ser cuidado e sua vitalidade precisa ser fortalecida.

É o Centro que nos dá essa resposta –e nenhum outro espaço, por mais privilegiado e bonito que possa ser-, porque é nele que se encontra o núcleo metropolitano, as melhores estruturas urbanas, os focos urbanos mais relevantes da história do país, o repertório arquitetônico mais rico e diversificado construído em quatro séculos, o maior patrimônio cultural brasileiro.

É nesse entendimento que, após um ano da vitória do Rio como sede olímpica, se vislumbram novas condições para a cidade. Os grandes eventos tem esse papel crucial: podem ser capazes de potencializar esforços e recompor realidades.

Nós continuamos a investir exageradamente na expansão, é verdade. Precisamos ter cuidado em não deixar prosperar novas ocupações junto ao Arco Metropolitano, bem como precisamos preservar a baixada de Guaratiba, evitando que a Transoeste seja um vetor predador.

Contudo, temos a comemorar, neste um ano, um novo fator potencialmente redirecionador do desenvolvimento urbano, que é o aproveitamento da área portuária.

Há poucos dias, o Prefeito do Rio anunciou concurso público de arquitetura e urbanismo para escolha de projetos que contemplem parte dos equipamentos olímpicos a serem construídos na região, inclusive instalações destinadas à mídia. Tornar-se a área portuária em Porto Olímpico é um passo essencial, político e simbólico, para o redirecionamento do desenvolvimento.

Com a Copa de 2014, a ser realizada no Maracanã, e há um ano da vitória do Rio como sede dos Jogos de 2016, é uma decisão estratégica de reorientação de investimentos. É uma garantia para o projeto Porto Maravilha como uma realidade transformadora.

Depois de quarenta anos de hegemonia do modelo de dispersão territorial e de valorização a oeste, teremos um contraponto estratégico, outro pólo a orientar o desenvolvimento. Ou seja, retornando às origens da cidade o dom de amalgamar a cidade metropolitana em torno de sua sede histórica.

A expansão desmedida passará a ter um contraponto. É o Rio que se reencontra (1).

nota1
Artigo publicado originalmente no jornal O Globo, 19 set. 2010.

sobre o autor

Sérgio Magalhães é arquiteto e atual presidente do Departamento do Rio de Janeiro do Instituto de Arquitetos do Brasil.

 

comments

039.06
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

039

039.01

Koolhaas Sejima Veneza

Rafael Urano

039.02

Materia esencial. Construcciones en adobe

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

039.03

Geotecnia brasileira vive a “ditadura da solução”

Álvaro Rodrigues dos Santos

039.04

Rambla de Manguinhos

Jorge Mario Jáuregui

039.05

Hablar de lo esencial

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

039.07

Sempre Veneza

A Bienal de Arquitetura e a cidade como suporte expositivo

Vittorio Corinaldi

039.08

A linguagem e a transgressão da veste

A evolução da roupa na cultura ocidental

Antônio Luiz M. de Andrade (Almandrade)

039.09

A reconfiguração urbana do Rio de Janeiro

Luiz Fernando Janot

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided