Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Exposição de 23 de março a 24 de julho de 2011. Uma coprodução Cité de l'Architecture & du Patrimoine, Institut Français d'Architecture et Museu de Arte Moderna de São Paulo

français
Exposition du 23 Mars au 24 Juillet 2011. Une coproduction Cité de l'Architecture & du Patrimoine, Institut Français d'Architecture et Museu de Arte Moderna de São Paulo

how to quote

CAVALCANTI, Lauro. Roberto Burle Marx. A permanência do instável. Drops, São Paulo, ano 11, n. 044.03, Vitruvius, maio 2011 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/11.044/3873>.



Com alegria realizamos em Paris a exposição de Roberto Burle Marx (1909-1994), anteriormente exibida no Rio, São Paulo e Berlim. É especial o vínculo entre França e Brasil, na área do paisagismo, desde a permanência, de 1858 a 1897, no Rio de Janeiro, do paisagista e botânico Auguste Glaziou (1833-1906). Além de projetar  importantes  jardins e parques públicos, o paisagista bretão introduziu, em pequena escala, o uso de árvores e flores nativas, preconizando o trabalho que Burle Marx viria a desenvolver, de modo monumental e sistemático,  três décadas depois.

Roberto Burle Marx foi um dos principais responsáveis pela criação de uma linguagem paisagista moderna.  E o fez a partir da valorização estética da flora nativa, resgatando-a da triste condição de “mato”, revelando-a para o mundo e para os próprios brasileiros.

Os domínios da pintura, arquitetura e paisagismo nunca estiveram tão bem integrados em uma só pessoa. Pretendendo ser uma obra de arte total, a arquitetura moderna propunha uma integração entre estrutura de sustentação e aparência visual, organização dos espaços internos, externos e o traçado urbano.  Nesse processo o jardim passou a se fundir ou, pelo menos, a se aproximar do prédio, assim como a arte abandonou a aplicação decorativa nas fachadas, passando a ter presença concreta escultural ou a servir de lógica de inspiração para a organização de jardins.

O mestre brasileiro foi um artista poliédrico: desenhista, gravador, escultor, ceramista, cenógrafo, músico, joalheiro e, sobretudo, paisagista e pintor.  Esta última condição possibilitou-lhe uma aplicação estrutural profunda de princípios pictóricos na paisagem.  O conhecimento botânico permitiu-lhe descobrir novas espécies, pensadas não apenas a partir de suas belezas individuais, mas, integradas em sistemas ecológicos, possibilitando uma escolha adequada de conjuntos saudáveis e harmônicos. Foi uma das primeiras e mais fortes vozes contra a destruição da natureza, lembrando que dela provém o equilíbrio e a sobrevivência da espécie humana. O domínio do espaço arquitetônico foi um aspecto essencial de seu trabalho, pois lhe permitiu estabelecer um diálogo de formas, espaços e volumes com as construções. Conversa que podia fazer o jardim ecoar, harmonizar, contrastar ou, no caso de uma obra não tão boa, sobrepor-se à arquitetura.

A importação de estilos europeus, usual na América do Sul, na virada do século XIX para o XX, mostrava-se especialmente inadequada no paisagismo porque as plantas importadas não se adaptavam bem ao clima brasileiro.  Um duplo movimento foi necessário: romper com os modelos rígidos vindos, sobretudo, da escola de belas artes, e, diminuir ou abolir as espécies exógenas.  O criador do Aterro do Flamengo, como tantos paisagistas de várias nacionalidades no século vinte, reabilitou as plantas nativas para uso nobre.  Soube fazê-lo, todavia, sem adotar um nacionalismo exacerbado.  Valeram a Burle Marx, para escapar dessa armadilha chauvinista, a sofisticação intelectual, o apreço ao universalismo propiciado pela abstração e, não menos importante, a ampliação do escopo de sua obra com as expedições de pesquisa botânica que realizava a todas as faixas do planeta situadas nas regiões tropicais e subtropicais.

O estudo aprofundado das plantas facultou a Burle Marx utilizá-las  corretamente, prevendo seus volumes, cores e texturas durante todo o ciclo de vida; no caso de exemplares mais frágeis e perecíveis  facilitou-lhe a previsão do momento de replantio.  O paisagista costumava dizer que lhe cabia apenas iniciar o trabalho nos jardins, pois “o tempo completa a ideia”.

Uma de suas contribuições foi o uso de manchas contínuas em substituição às miscelâneas de cor que povoavam os canteiros e jardins: “temos que ter a coragem de renunciar a elementos que parecem lindos mas que não trazem o resultado desejado quando associados a outros.”

Para o paisagista brasileiro o jardim não é espelho nem cópia da natureza posto que esta age de modo diverso e independente dos conceitos do homem.    A organização planejada dos elementos naturais devia, contudo,  ensejar  uma constante mediação com a paisagem,  de modo a estabelecer ecos, contrastes,  refúgios e microclimas dentro de uma cidade ou de um meio inóspito.  Apesar de grande inovador, rejeitava o julgamento de seu trabalho quando este valorizava, acima de tudo, a originalidade: “A minha conceituação filosófica de paisagem construída baseia-se na direção histórica de todas as épocas; a minha obra reflete a modernidade, a data em que se processa, porém, jamais perde de vista as razões da própria tradição, que são válidas e solicitadas”.

Burle Marx considerou o fato de que os jardins pertencem ao universo da fenomenologia, regidos por um conjunto de elementos e fenômenos que se definem em acordo com as leis que os ordenam e, também,  com as realidades que manifestam.  São espaços que mudam de acordo com o deslocamento rápido ou lento do usuário,  o tempo de sua permanência e as estações do ano. A fluidez se impõe ao estático e modular, ao integrar o tempo, a luz, a sombra, o vento, a chuva, o ruído e os pequenos animais como elementos do todo indivisível que criava.

Diferentemente de algumas contribuições magníficas, porém datadas, os belíssimos jardins de Burle Marx continuam atuais.  Convidamos o visitante a conhecer sua obra e mergulhar no adorável paradoxo de a instabilidade viva de seus elementos constituir flutuantes e, ainda assim, permanente obras primas que, sem luxo nem desperdício, atendem à  necessidade absoluta da vida humana.

sobre o autor

Lauro Cavalcanti é arquiteto, escritor e doutor em Antropologia Social. Entre suas principais obras os livros "When Brazil was Modern: a guide to architecture 1928-1960", "Encore Moderne? Architecture contémporaine au Brésil" e "Sergio Bernardes: o herói de uma tragédia moderna".

 

comments

044.03
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: français

share

044

044.01

Catástrofes e a engenharia das incertezas e não linearidades

José Roberto Castilho Piqueira

044.02

1908: Um Brasil em exposição

Margareth da Silva Pereira

044.04

El paraíso artificial

Fredy Massad and Alicia Guerrero Yeste

044.05

O Caminho Niemeyer hoje

Oscar Niemeyer

044.06

O problema das enchentes

Uma abordagem integrada

Gabriel Kogan

044.07

Jean Manzon, o fotógrafo francês que registrou o Brasil

Nada mudou, nenhum de nós partiu

Diógenes Moura

044.08

Áreas de risco, geologia e urbanismo

Álvaro Rodrigues dos Santos

044.09

A melhor resposta à dor

Os desastres “naturais” nas cidades serranas do Rio de Janeiro

Sérgio Magalhães

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided