Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O conjunto habitacional do Jardim Edite, prêmio "Urbanidade" da APCA, reafirma a tradição brasileira de que políticas públicas socialmente relevantes podem ser construídas com arquitetura de qualidade em localizações socialmente responsáveis.

how to quote

ANELLI, Renato. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Urbanidade”. Conjunto habitacional do Jardim Edite / MMBB Arquitetos, H+F Arquitetos. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.08, Vitruvius, fev. 2014 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5074>.



O conjunto habitacional do Jardim Edite (1) apresenta vários aspectos inovadores para a arquitetura de habitação social pública brasileira contemporânea nos campos do urbanismo, das políticas públicas e da forma arquitetônica.

O primeiro se refere à sua inserção urbana em uma das áreas mais valorizadas de São Paulo, decorrente de operação urbana realizada para a ampla reurbanização das margens do córrego Águas Espraiadas, em razão do que a favela existente no local foi removida.

O segundo destaca a composição do programa, onde as unidades habitacionais vêm acompanhadas por equipamentos de lazer de uso comum ao lado de equipamentos  sociais que servem ao conjunto e à vizinhança.

Por último, o caráter geométrico abstrato que organiza a constituição da volumetria, revelando de modo discreto nas suas faces o uso dos seus interiores.

Ainda que a reurbanização da várzea tenha tido como aspecto mais visível a estreita canalização do córrego para a construção da avenida Roberto Marinho, à qual veio a ser acrescentada a ponte monumental sobre o rio Pinheiros, o compromisso com a realocação dos antigos favelados na mesma vizinhança permaneceu. Recursos da própria operação urbana viabilizaram a construção, demonstrando a potencialidade de tais instrumentos no enfrentamento das pressões do mercado imobiliário sobre ocupações vulneráveis localizadas em regiões de alto valor do solo.

Seu programa combina edifícios de apartamentos com volumetrias verticais e horizontais, nos quais equipamentos sociais de uso público (Unidade Básica de Saúde, creche e restaurante escola) convivem com as unidades habitacionais. Além das facilidades que servem ao conjunto para lazer e convívio dos moradores, a presença dos três equipamentos são justificadas pelo perfil social da região, onde 17% da população ganha até dois salários mínimos (2). A tais potenciais usuários, soma-se a população flutuante de trabalhadores que podem se beneficiar da presença da UBS nas proximidades do seu emprego.

O projeto organiza as habitações em dois tipos de volumes, um alto e estreito e outro baixo e longo. A disposição desses volumes nas duas glebas longilíneas procura evitar as repetições infindáveis de uma única tipologia, característica de grandes conjuntos habitacionais. Os três edifícios altos delimitam os topos das glebas junto à avenida Berrini e à rua transversal, como que a proteger os dois edifícios baixos que se estendem junto a uma das faces dos terrenos para liberar as áreas de lazer e dos equipamentos sociais. Criam assim um sentido discreto de variação decorrente do tamanho das glebas e da alternância entre altura e posicionamento dos volumes.

Ao elevar a circulação entre os acessos dos apartamentos, o projeto separa os dois tipos de usuários, os moradores dos apartamentos e os que procuram os equipamentos sociais, localizados ao rés-do-chão, atendendo à necessidade de segregação dos usos especializados.

As configurações das faces dos volumes elevados tem forte presença no espaço urbano. O contraste entre as duas faces principais, uma com janelas corridas horizontais e outra com um padrão xadrez de aberturas e paredes opacas, gera curiosidade para se entender a relação entre as fachadas e a estrutura interna do volume.

Na face com as janelas corridas, a linearidade unifica as aberturas dos diferentes ambientes internos dos apartamentos (dormitórios, salas e banheiros). Na face oposta, o padrão xadrez das aberturas anima os corredores de circulação, concebidos de modo mais largo para permitir algum nível de convivência entre os moradores e de extensão do ambiente interno dos apartamentos.

O plano xadrez cobre apenas o setor dos corredores, liberando abertura plenas nas áreas de serviço das extremidades do volume. Nelas, os pertences dos moradores – roupas nos varais, vasos, bicicletas, baldes, vassouras – são expostos à cidade, explicitando, ainda que discretamente, o uso habitacional dos volumes geométrico-abstratos do conjunto em meio à paisagem corporativa da vizinhança.

No seu conjunto, o projeto reafirma a tradição brasileira de que políticas públicas socialmente relevantes podem ser construídas com arquitetura de qualidade em localizações socialmente responsáveis.

nota

NE
Este texto é desenvolvimento da justificativa de premiação presente na Ata de Premiação APCA 2013, assinada pelos críticos de arquitetura filiados à Associação Paulista de Críticos de Arte. Os prêmios outorgados nas sete categorias – Conjunto da obra; Melhor obra; Obra referencial; Registro de arquitetura; Fronteiras da arquitetura; Promoção à pesquisa; e Urbanidade – foram selecionados por unanimidade ou maioria a partir de critérios discutidos coletivamente. A responsabilidade de redação final coube a um determinado crítico, mas os argumentos foram discutidos coletivamente pelos críticos de arquitetura Abilio Guerra, Fernando Serapião, Guilherme Wisnik, Maria Isabel Villac, Mônica Junqueira de Camargo, Nadia Somekh e Renato Anelli. A relação dos artigos referentes aos sete prêmios da Arquitetura é a seguinte:

WISNIK, Guilherme. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Melhor obra”. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin / Eduardo de Almeida e Rodrigo Loeb. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.03, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5053>.

VILLAC, Maria Isabel. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Promoção à pesquisa”. Concurso Internacional Estação Antártica Comandante Ferraz. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.04, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5060>.

SOMEKH, Nadia. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Fronteiras da arquitetura”. Bom Retiro 958 metros / Guilherme Bonfanti (luz) e Carlos Teixeira (direção de arte). Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.05, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5062>.

CAMARGO, Mônica Junqueira de. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Melhor conjunto da obra”. Carlos Lemos. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.06, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5064>.

GUERRA, Abilio. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Registro de arquitetura”. Nelson Kon. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.07, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5072>.

ANELLI, Renato. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Urbanidade”. Conjunto habitacional do Jardim Edite / MMBB Arquitetos, H+F Arquitetos.Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.08, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5074>.

GUERRA, Abilio. Prêmio APCA 2013 – Categoria “Obra referencial”. Centro Paula Souza / Francisco Spadoni e Pedro Taddei. Drops, São Paulo, ano 14, n. 077.09, Vitruvius, fev. 2014 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.077/5076>.

1
Ver: PORTAL VITRUVIUS. Conjunto Habitacional do Jardim Edite. Projetos, São Paulo, ano 13, n. 152.04, Vitruvius, ago. 2013 <www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/13.152/4860>.

2
Cf. Website Comunidade de práticas <http://atencaobasica.org.br/relato/1532>.

ficha técnica

projeto
Conjunto residencial Jardim Edite

autoria
MMBB Arquitetos, H+F Arquitetos

arquitetos
Marta Moreira, Milton Braga e Fernando de Mello Franco (MMBB); Eduardo Ferroni e Pablo Hereñú (H+F Arquitetos)

colaboradores
Eduardo Martini, Marina Sabino, Giovanni Meirelles, Cecilia Góes, Gleuson Pinheiro Silva, Adriano Bergemann, André Rodrigues Costa, Maria João Figueiredo, Martin Benavidez, Naná Rocha, Tiago Girao, Guilherme Pianca, Giselle Mendonça, Eduardo Pompeo, Rafael Monteiro e Lucas Vieira (MMBB); Tammy Almeida, Joel Bages, Natália Tanaka, Diogo Pereira, Gabriel Rocchetti, Danilo Hideki, Thiago Benucci, Mariana Puglisi, Luca Mirandola, Thiago Moretti, Luisa Fecchio, Bruno Nicoliello, Renan Kadomoto e Carolina Domshcke (H+F Arquitetos)

sobre o autor

Renato Anelli é professor titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo em São Carlos e autor de diversos livros e artigos publicados no Brasil e no exterior.

Conjunto residencial Jardim, São Paulo, MMBB Arquitetos, H+F Arquitetos
Foto Nelson Kon

Conjunto residencial Jardim, São Paulo, MMBB Arquitetos, H+F Arquitetos
Foto Nelson Kon

 

comments

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided