Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Envolto em crise institucional e financeira, o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM-Rio pretende vender a obra de Jackson Pollock de seu acervo para financiar melhorias e pagar dívidas.

how to quote

CHIARELLI, Tadeu. O MAM-Rio e o descarte de uma obra de arte. Sobre a venda de obra de Jackson Pollock para pagar dívidas. Drops, São Paulo, ano 18, n. 126.04, Vitruvius, mar. 2018 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/18.126/6916>.


Jackson Pollock, pintura nº 16, 1950
Foto divulgação [MAM-Rio]


A decisão da Presidência do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – MAM-Rio em vender a obra de Jackson Pollock (1912-1956) continua inabalável. Pelo jeito, a proposta de repensar a venda da pintura (doada ao Museu por Nelson Rockefeller em 1954) levantada pelo Presidente do Ibram foi ignorada, ainda mais depois que o Ministério da Cultura (ao qual o Ibram é subordinado) o desautorizou, apoiando a proposta de venda pelo Museu. A imprensa aqui e ali comenta o caso. Ontem a Folha de S.Paulo publicou uma matéria sobre o assunto, hoje nada. O Estadão de hoje estampou uma matéria insossa sobre o assunto, matéria burocrática dando voz ao MAM-Rio, a um apoio explícito à decisão e ao lamento de um respeitável comerciante de arte que parece pressentir que Inês é morta.

A quem interessa a venda de um Pollock para sanar décadas de indigência administrativa? A quem interessa defender a venda dessa obra de Pollock, única em acervos brasileiros, desqualificando-a por ser uma peça "menor" do artista norte-americano? Um museu, antes de qualquer outra responsabilidade tem o dever de guardar obras de arte, preservá-las, estudá-las e divulgá-las. Não adianta vender obras de seu acervo para sanar questões administrativa, ou mesmo incrementar ações educativas. Ora, qualquer ação educativa dentro de um museu deve participar de ações que surjam de projetos que tenham como foco a disseminação das obras que guarda. Mas no Brasil parece de fato que muitos, muitos poucos estão preocupados com museus, ainda mais com museus de arte. Tem aqueles que preferem visitar os museus norte-americanos e europeus. Outros nem isso. Tem gente, por outro lado, que acredita que o museu deve ser um espaço de inclusão social e, dentro dessa perspectiva (louvável em muitos aspectos), deixam em segundo plano a vocação primordial dos museus de arte, apontada acima. Museus com acervos fracos ou sem acervos, podem ser qualquer outra coisa, menos museus. Daí a importância dada ao fortalecimento dos acervos.

Vender a obra de um acervo para, com a verba arrecadada, comprar mais obras que tornem ainda mais significativos certos núcleos desse mesmo acervo é a única justificativa para qualquer venda. No entanto, quando se lê a declaração do Presidente do MAM-Rio no Estadão de hoje, nota-se que esse objetivo é o último dos últimos. Vejamos:

“Este fundo [conseguido com a venda do Pollock] possibilitará uma autossustentabilidade por pelo menos por 30 anos, de modo a que o MAM poderá fazer planejamentos a curto, médio e longo prazo, fazer melhorias na infraestrutura, aumentar pessoal, e atualizar o acervo de arte brasileira, preenchendo as lacunas existentes, adquirindo obras de artistas contemporâneos” (1).

Como se vê, a ampliação do acervo é a última das prioridades do museu. E me pergunto: qual o sentido em vender uma obra do pós-guerra e já pertencente ao acervo, se o propósito do museu é aumentar o núcleo de arte contemporânea? Não passa pela cabeça dele que o Pollock já pertencente à coleção ajudaria a dar sentido às obras que eles pretendem um dia, talvez (quem sabe) comprar? Nunca ouviram que uma obra de arte pode ser o melhor contexto para a compreensão de outra?

É claro que isto que estou escrevendo não ajudará em nada para o debate que a proposta de venda daquela obra deveria gerar na sociedade brasileira. Isto tudo serve como um lamento que, no máximo, fará ecoar outros. Nada, parece, vai mudar a decisão do MAM-Rio ou, nem mesmo levá-lo a discutir com a sociedade sua decisão.

“Os cães ladram, mas a caravana passa”, devem dizer os interessados na venda do Pollock, que um dia foi doado ao Museu visando abrilhantar ainda mais seu acervo.

A caravana são eles, aqueles que sempre fizeram o que queriam com o patrimônio que é deles mas também de todos.

A nós, os cães à margem da estrada, só nos resta ladrar.

nota

NE – Texto publicado originalmente na página Facebook do autor.

1
PENNAFORT, Roberta. Museu no Rio vai vender obra de Jackson Pollock avaliada em US$ 25 milhões. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 20 mar. 2018 <http://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,museu-no-rio-vai-vender-obra-de-jackson-pollock-avaliada-em-us-25-milhoes,70002234915>.

sobre o autor

Tadeu Chiarelli é professor titular do Departamento de Artes Plásticas da ECA USP. Foi diretor geral da Pinacoteca de São Paulo e diretor executivo do MAC USP.

 

comments

126.04 museu em crise
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

126

126.01 educação

A teoria do capital humano, educação e ação comunitária cristã

Preservando o patrimônio escolar em áreas carentes

Simone da Silva Costa

126.02 homenagem

Marielle Franco

O assassinato de uma mulher corajosa e o impasse institucional brasileiro

Viviane Mosé

126.03 homenagem

Os olhos de Marielle Franco

Luiz Carlos Toledo

126.05 direito autoral

Arte urbana e direitos autorais

José Roberto Fernandes Castilho

126.06 crônica

Da cavalaria de hoje e de antigamente

Crônicas de andarilho 18

Abilio Guerra

126.07 desigualdade

Cada qual em seu local

Sobre a distribuição dos corpos no espaço social

Moacir dos Anjos

126.08 crônica

Andaimes de Mario Benedetti

Mauro Ferreira

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided