Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Ruth Verde Zein comenta exposição “Harpias XXI”, com obras de Fanny Feigenson e Maria Augusta Justi Pisani, e textos de Ruth Verde Zein e Ana Gabriela Godinho Lima, ocorrido no Centro Histórico Mackenzie.

how to quote

ZEIN, Ruth Verde. Harpias de Maria Augusta Justi Pisani. Drops, São Paulo, ano 19, n. 131.03, Vitruvius, ago. 2018 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/19.131/7087>.


Harpias celebram mitos. Os gregos as chamavam de Erínias, os romanos de Fúrias. Personificam a compensação necessária, o reequilíbrio das forças naturais desajustadas pela delinquência. Sendo essa sua missão, nem mesmo os deuses podiam obstar suas ações, terríveis e justas.

Alecto apavorava os sonhos dos que praticavam delitos morais como a ira, a cólera e a soberba. Megera gritava aos ouvidos dos que perpetravam delitos passionais como rancor, inveja, cobiça e ciúme. Tisífone enlouquecia os que perdiam a humanidade ao cometer crimes de morte.

Entidades ctônicas, viviam nas profundezas de sua mãe Gaia, mas eram representadas por mulheres aladas e de aspecto extraordinário. Ésquilo descreve seus santuários como “o lugar para onde todos voltam”, a meio caminho dos templos das graças, as deusas do perdão.

Harpias celebram a imaginação da artista. Não são pássaros ou mulheres. Personificam os conflitos que brotam da profundeza da alma humana. Formidáveis, desvelam sonhos, gritos  e loucuras, se manifestam em torvelinhos e tempestades. Revoltam o ar porque são instrumentos de limpeza: removem os males da terra espiritual interior, permitindo que a força e a graça da criação artística os possa quintessenciar. Renascem em grandiosidade, imponência e beleza.

Essas harpias viscerais e catárticas, terríveis e justas, desgarram-se e entranham-se em panos. Vão se tecendo sobre os tecidos, acumulam-se qual miríades de labirintos, superpondo-se em camadas de tintas e linhas, cores e traços, formas e contornos. Estando assim postas, finalmente se libertam. De quem as criou, de si mesmas, e de quem as observa. Reveladas à plena luz racional do dia, seguirão sendo enigmas.

notas

NE – texto curatorial da exposição As mãos que restauram o tempo: um olhar fotográfico, curadoria de Luiz Antonio Lopes de Souza. Fundação Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, 05 de julho a 06 de outubro de 2018. Visitação: terça a sexta, das 10h às 16h30; sábados, das 10h30 às 14h30. Informações: <http://bndigital.bn.gov.br/exposicoes/biblioteca-nacional-as-maos-que-restauram-o-tempo>.

sobre a autora

Ruth Verde Zein, arquiteta FAU USP, mestre e doutora, Propar UFRGS, professora na graduação e pós graduação em Arquitetura e Urbanismo na Universidade Presbiteriana Mackenzie. Foi membro do Comitê Organizador do X Seminário Docomomo Brasil, de 2013.

 

comments

131.03 exposição
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

131

131.01 literatura

Pai

Wagner Schwartz

131.02 exposição

O feminino sombrio nas Harpias do século 21

Sobre a exposição de Fanny Feigenson e Maria Augusta Justi Pisani

Ana Gabriela Godinho Lima

131.04 julgamento

Sobre concursos e premiações

Ethel Leon

131.05 exposição

Sertão expandido

Sobre a exposição do artista plástico goiano Kboco

Maria Hirzman

131.06 exposição

Kuno Dannien

"Tempos modernos" da arquitetura

Betânia Brendle

131.07 homenagem

Paulo Casé (1931-2018)

Luiz Fernando Janot

131.08 projeto

Trilogia do corte paulista e o corte livre

Sesc Paulista, Sesc 24 de Maio, Instituto Moreira Salles e o contraponto de Angelo Bucci

Felipe SS Rodrigues

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided