Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
O escritor Ordep Serra comenta os assassinatos do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Phillips ocorrida no Vale do Javari, em região Amazônica cortada por conflitos entre indígenas e invasores de seu território.

how to quote

SERRA, Ordep. Amazônia sem lei. O verde da bandeira será vermelho, de sangue. Drops, São Paulo, ano 22, n. 177.04, Vitruvius, jun. 2022 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/22.177/8516>.


Balsa da base flutuante da Funai na Terra Indígena Vale do Javari, Atalaia do Norte, fronteira do Amazonas com o Peru, 2018
Foto Bruno Kelly/Amazônia Real [Wikimedia Commons]


É preciso ser muito inescrupuloso, estúpido e covarde para responsabilizar as vítimas de um crime hediondo pela violência bestial que os aniquilou. Essa tentativa mesquinha encobre uma tenebrosa e involuntária confissão: mostra a profunda simpatia de quem a faz pelos criminosos. Reflete o amor incontido à brutalidade, o gosto pelo nefando, muito natural em quem aplaude a tortura e zomba do sofrimento de agonizantes.

É também pura hipocrisia queixar-se, nesse momento, de prejuízos à imagem do Brasil. O Brasil de hoje tem a imagem que merece: um país entregue a criminosos, em que a fome prospera, a corrupção se agiganta e até se legaliza, em que o número de bilionários aumenta ao compasso do crescimento exponencial da miséria, em que o obscurantismo se adensa com sucessivos ataques à ciência e à cultura, em que governantes boçais dão tristes espetáculos de grosseria, indecência e desrespeito à lei.

Amazônia, tão importante para a sobrevivência da humanidade, vê-se hoje devastada pela ganância e entregue a bandidos de toda espécie. Os executores do assassinato de Bruno Pereira e Dom Philips não são os únicos responsáveis por sua morte, tão agradável aos grileiros, aos genocidas empenhados na invasão das terras indígenas, aos meliantes do garimpo ilegal, aos campeões do desmatamento.

A própria metodologia do assassinato e da ocultação dos cadáveres mostra sinais de um estilo miliciano. Tudo indica que se tratou de uma ação planejada, quiçá um projeto em que importantes figuras políticas se envolveram.

Mais terrível me parece a indiferença com que se assiste à maré montante de crimes dessa ordem. Nada mais estarrece, nada mais horroriza. Parece que o país perdeu a vergonha. Penso na dor que experimentam agora os familiares dos dois heróis. Sim, eles merecem o título de heróis do Brasil: tanto o nosso compatriota quanto o seu amigo inglês que sofreram morte cruel por sua generosidade, por seu empenho na defesa da Amazônia e dos direitos de nossos povos originários.

Choremos sua perda, comungando a dor de suas famílias. Choremos também pelo Brasil.

sobre a autor

Ordep Serra é antropólogo, escritor e presidente da Academia de Letras da Bahia – ALB.

 

comments

177.04 política
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

177

177.01 política

O exército, os empresários e o banqueiro soldado

Carlos A. Ferreira Martins

177.02 institucional

Sobre a Carta do Rio 2021

Paulo Bernardelli Massabki

177.03 cultura

Amazônia ou o fim dos tempos

Carlos A. Ferreira Martins

177.05 política

Mortes brancas, mortes negras

Carlos A. Ferreira Martins

177.06 laboratório

Comuns, imaginação e ação coletiva frente às incertezas

Memória da segunda edição do laboratório virtual comuns – desvendando processos na América Latina

Gabriela Loreti, Marcella Arruda, Mariana Montserrat and Marina Frúgoli

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided