Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

my city ISSN 1982-9922

abstracts

português
O britânico William Curtis, crítico e historiador de arquitetura, relata a importância da sede do Ministério da Educação e Saúde como obra de arte e como símbolo do Brasil democrático.

english
The British William Curtis, critic and historian of architecture, reports the importance of the headquarters of the Ministry of Education and Health as a piece of art and as a symbol of a democratic society.

how to quote

CURTIS, William J. R.. A destruição da memória. Contra a privatização de um importante monumento histórico e cívico. Minha Cidade, São Paulo, ano 22, n. 253.07, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8220>.


Ministério da Educação e Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1936-1945. Arquitetos Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, Jorge Moreira, Carlos Leão e Ernani Vasconcellos
Foto/Photo Nelson Kon [SEGRE, Roberto. Ministério da Educação e Saúde. Romano Guerra, 2013]


O Ministério da Educação e Saúde (batizado de Palácio Gustavo Capanema em homenagem ao Ministro da época), projetado em 1936 e concluído em 1945 por Lúcio Costa e uma equipe que incluía Oscar Niemeyer e vários outros (tendo Le Corbusier como consultor), deve ser contabilizado como obra-prima do movimento moderno brasileiro em termos arquitetônicos: uma obra seminal que expressa as aspirações por uma sociedade mais igualitária e justa.

Embora as funções ministeriais tenham sido transferidas para Brasília, esta obra continua a desempenhar o papel de um monumento nacional e cívico, marcando uma época de progresso na história do Brasil. Com sua praça pública arejada, colunas monumentais que elevam a torre ao espaço, curvas sensuais, terraço cheio de plantas tropicais, vastas fachadas de vidro e grades incisivas de brise soleil, o edifício provoca um impacto direto no observador e marca uma área de importância cívica na paisagem urbana do Rio de Janeiro. Visível de longe, mesmo do mar, o prédio lembra as visões urbanas de Le Corbusier dos anos 1930, nas quais havia o anseio de harmonizar a industrialização com o mundo natural. Mais do que um edifício, o Ministério incorpora uma visão ética de melhoria social, uma espécie de utopia.

Getúlio Vargas e o ministro Gustavo Capanema (à sua esquerda) admiram a escultura “Mulher reclinada”, de Celso Antônio, durante a cerimônia de inauguração do prédio do Ministério da Educação e Saúde Pública, Rio de Janeiro, 3 de outubro de 1945 [Foto/Photo FGV CPDOC]

Este projeto surpreendente mostrou como o arranha-céu, como um tipo normalmente reservado para fins comerciais privados, pode ser modulado para lidar com o clima local e servir a uma função cívica, pública e simbólica. Combinando os talentos escultóricos de Costa e Niemeyer, as intervenções paisagísticas de Roberto Burle Marx e os mosaicos públicos de Cândido Portinari, o projeto foi concebido como uma síntese das artes que incorporam ideais nacionais ligados à abstração da natureza como chave da identidade nacional brasileira.

A ideia proposta de entregar esta obra-prima aos interesses imediatistas da propriedade privada constitui um ataque ideológico aos valores cívicos e à própria história da nação, mais um ataque deste regime contrário à esfera pública e aos valores progressistas em geral, seja na escala das florestas tropicais, seja no da saúde pública nacional. Tudo deve ser feito para proteger esta obra-prima universal de um ato de vandalismo que ignora os valores da memória de longo prazo na sociedade brasileira. O Ministério da Educação e Saúde – Palácio Gustavo Capanema – também constitui um importante acréscimo ao patrimônio arquitetônico universal e, como tal, merece proteção e preservação a longo prazo.

Ministério da Educação e Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1936-1945. Arquitetos Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, Jorge Moreira, Carlos Leão e Ernani Vasconcellos
Foto/Photo Nelson Kon [SEGRE, Roberto. Ministério da Educação e Saúde. Romano Guerra, 2013]

notas

NE 1 – o documento “Heritage under siege in Brazil – the Bolsonaro Government announced the auction sale of the Palácio Capanema in Rio, a modern architecture icon that was formerly the Ministry of Education building”, redigido pelo Docomomo Internacional e Brasil, pode ser lido e assinado no link <https://bit.ly/3D7bglQ>.

NE 2 – sobre o tema, veja a série de artigos:

CAU/BR, Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil; et. al. “O MEC não pode ser vendido!”. Manifesto contra ameaça de venda do Palácio Capanema. Drops, São Paulo, ano 21, n. 167.06, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.167/8203>.

COMAS, Carlos Eduardo. Equipamentos, documentos, monumentos, desgovernos. A desventura do Palácio Capanema. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.10, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8226>.

CURTIS, William J. R. A destruição da memória. Contra a privatização de um importante monumento histórico e cívico. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.07, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8220>.

DANOWSKI, Miriam. Memória ameaçada. Governo federal continua evasivo sobre o destino do Palácio Capanema. Minha Cidade, São Paulo, ano 22, n. 254.01, Vitruvius, set. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/22.254/8239>.

FRAMPTON, Kenneth. Carta de Kenneth Frampton a Ana Tostões e Renato Gama-Rosa Costa, presidentes do Docomomo International e Brasil. Palácio Capanema em risco. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.06, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8218>.

HATOUM, Milton. Palácio Capanema. O difícil processo de alfabetização. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.12, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8234>.

LIERNUR, Jorge Francisco. Lembrete para autoridades sem memória, e sem juízo. O Palácio Capanema não é mercadoria. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.08, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8223>.

MONTANER, Josep Maria. A venda do Palácio Capanema é um ultraje e uma insensatez. Carta aos arquitetos Carlos Eduardo Comas e Abilio Guerra. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.09, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8225>.

ROLNIK, Raquel. Feirão de um sonho de país. Palácio Capanema à venda. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.03, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8204>.

SCHLEE, Andrey Rosenthal. Oportunidade perdida (mais uma...). Ignorância e ignorância assolam o Palácio Capanema. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.11, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8235>.

TOSTÕES, Ana; COSTA, Renato da Gama-Rosa; INTERNATIONAL, Docomomo; BRASIL, Docomomo. Patrimônio sob cerco no Brasil. Palácio Capanema à venda. Minha Cidade, São Paulo, ano 21, n. 253.04, Vitruvius, ago. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/minhacidade/21.253/8216>.

sobre o autor

William J. R. Curtis é historiador e crítico de arquitetura, autor de Modern Architecture Since 1900 e Le Corbusier: Ideas and Forms.

comments

253.07 Rio de Janeiro
abstracts
how to quote

languages

original: português

outros: english

share

253

253.01 São Paulo

Anhangabaú

Uma praça nova assombrada pela velha pobreza

Celso Aparecido Sampaio

253.02 São Paulo

Cinemateca Brasileira

O fascínio do fracasso

Roberto Gervitz

253.03 Rio de Janeiro

MES à venda

Palácio Capanema à venda

Raquel Rolnik

253.04 Rio de Janeiro

Patrimônio sob cerco no Brasil

Palácio Capanema à venda

Ana Tostões, Renato da Gama-Rosa Costa, Docomomo International and Docomomo Brasil

253.05 São Paulo

Carta aberta sobre o Arquivo Histórico de São Paulo

Ana Maria de Almeida Camargo, Ana Célia Navarro de Andrade, Sonia Maria Troitiño Rodriguez and Marcelo Antônio Chaves

253.06 Rio de Janeiro

Carta de Kenneth Frampton a Ana Tostões e Renato Gama-Rosa Costa, presidentes do Docomomo International e Brasil

Palácio Capanema em risco

Kenneth Frampton

253.08 Rio de Janeiro

Lembrete para autoridades sem memória, e sem juízo

O Palácio Capanema não é mercadoria

Jorge Francisco Liernur

253.09 Rio de Janeiro

A venda do Palácio Capanema é um ultraje e uma insensatez

Carta aos arquitetos Carlos Eduardo Comas e Abilio Guerra

Josep Maria Montaner

253.10 Rio de Janeiro

Equipamentos, documentos, monumentos, desgovernos

A desventura do Palácio Capanema

Carlos Eduardo Comas

253.11 Rio de Janeiro

Oportunidade perdida (mais uma...)

Ignorância e ignorância assolam o Palácio Capanema

Andrey Rosenthal Schlee

253.12 Rio de Janeiro

Palácio Capanema

O difícil processo de alfabetização

Milton Hatoum

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided