Seu navegador está desatualizado.

Para experimentar uma navegação mais interessante, recomendamos que você o atualize clicando em um dos links ao lado.
Todos são gratuitos e fáceis de instalar.

 
  • em vitruvius
    • em revistas
    • em jornal
  • \/
  •  

pesquisa

revistas

projetos  


sinopses

como citar

VITRUVIUS, Portal. Concurso Bairro Novo. Projetos, São Paulo, ano 04, n. 044.02, Vitruvius, ago. 2004 <http://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/04.044/2398>.


Apresentação

O conjunto das características naturais e das estruturas urbanísticas que definem a região do Bairro Novo ultrapassa amplamente não só a Área Foco de Intervenção, mas também a Região de  Referência que é objeto da Operação Urbana Água Branca.

É importante considerar:

  • tanto a sua problemática quanto o seu potencial como próprios à toda a faixa de território situada entre o rio Tietê e a ferrovia;
  • sua extensão como reserva de área, para toda a metrópole. O seu equacionamento  representa hoje uma oportunidade única para uma intervenção em escala condizente com a da cidade.

A estratégia do projeto e o seu vetor físico

Propomos, em primeiro lugar, manter o traçado atual das grandes redes estruturais de comunicação (o sistema Tietê/ Marginais e a ferrovia) que cruzam a Área Foco por se tratarem de vias da rede maior da metrópole.

Entre a ferrovia e o rio Tietê, propomos a construção de Estruturas Urbanas de Conexão (EUC), a serem implementadas pelo poder público, para induzir e requalificar o desenvolvimento de toda esta faixa de território.

Para a implementação dessas estruturas, elegemos como focos as estações do sistema CPTM  e ou grandes equipamentos situados ao longo da linha férrea.

Estas estruturas de conexão, além de atuarem como elemento de articulação física entre o rio e a ferrovia, funcionarão como suporte público para atividades coletivas. Assim os objetivos dos seus programas serão legíveis e emblemáticos e a sua formulação exemplar para toda a cidade.

A EUC proposta para a Área Foco de Intervenção abrangerá um parque linear, vetor físico de ligação entre o alargamento do rio Tietê e uma grande praça esplanada, no entorno da via férrea.

O parque linear incluirá um canal. O passeio público, implantado nessa estrutura ao lado do canal, alimentará como uma artéria o fluxo para as ruas laterais, de ocupação mista.

O parque ainda abrigará um complexo de campos de futebol e áreas para práticas esportivas múltiplas, que se tornarão referência para toda a cidade e garantirão o fluxo e a ocupação intensa dessas áreas mesmo no período noturno.

O alargamento do rio significará a sua incorporação à cidade como novo elemento paisagístico e de redefinição da estrutura territorial, em consonância com sua topografia e características morfológicas.

A grande praça seca em esplanada, além de promover a circulação de pedestres entre o Bairro Novo e a região que está além da ferrovia, também incorporará o trem ao meio urbano, valorizando-o não só como meio de transporte de grande capacidade e fator do adensamento da região, mas também como evento urbano atraente cuja fisionomia, descortinada como estrutura linear, distinguirá a praça.

ficha técnica

Autores
Lua Nitsche, Pedro Nitsche, João Nitsche e Renata Cupini

Estagiária
Marianna Martignago

Consultores
Luiz Martins, Vinícius Andrade, Artur e Aluízio Leite (Quantum Consultoria – custos)

fonte
Equipe premiada
São Paulo SP Brasil

comentários

jornal


© 2000–2017 Vitruvius
Todos os direitos reservados

As informações são sempre responsabilidade da fonte citada