Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Mar da Galiléia, Israel. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
Francisco Alves descreve seu roteiro de viagem pela Itália, que passou pela Sícilia, ao sul, e na Toscana, na região centro-norte do país


how to quote

ALVES, Francisco. Itália: norte e sul. Percepções arquiteturísticas entre Sicília e Toscana. Arquiteturismo, São Paulo, ano 05, n. 054.03, Vitruvius, ago. 2011 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/05.054/4018>.


No verão europeu de 2010, em busca de calor e sol, resolvi visitar duas regiões bem distintas na Itália: a Sicília, que fica ao sul, e a Toscana, localizada na porção centro-norte do país. O roteiro da viagem, num total de oito dias, começou pela cidade de Trapani, na Sicília.

Localizada na costa ocidental da ilha da Sicília, Trapani é uma cidade voltada para a indústria da pesca e que vê, no momento, um grande crescimento do setor do turismo. Esse crescimento é facilmente verificado pela enorme quantidade de bed & breakfasts, guest-houses, bares e restaurantes voltados principalmente aos turistas. O turismo na região também foi incrementado graças a presença de companhias aéreas low-cost, que fazem a interligação do pequeno aeroporto existente na cidade com Roma - a capital italiana - e outras metrópoles européias como Londres, Paris e Frankfurt.

Como toda a região da Sicília, Trapani sofreu forte influência árabe devido às invasões ocorridas no passado e que é principalmente notada na culinária local, uma mistura de iguarias mediterrâneas, peixes e frutos do mar com tradicionais ingredientes da cozinha árabe gerando, por exemplo, o famoso prato típico e símbolo da região: o couscous di pesce.

Muito pouco da presença árabe se percebe na arquitetura local. Praticamente não há resquícios da antiga cidade de Trapani e a maior parte dos edifícios históricos datam do período Barroco. A cidade, devido à sua localização, foi fortemente bombardeada durante a Segunda Guerra Mundial, o que contribuiu ainda mais para o desaparecimento da maior parte dos antigos edifícios e, consequentemente, deu lugar a uma grande renovação imobiliária.

Próximo de Trapani, encontra-se a cidadela de Erice, localizada no topo do monte de mesmo nome, a mais de 750 metros acima do nível do mar. Erice tem sua economia quase que totalmente voltada para o turismo, já que atrai milhares de turistas devido às espetaculares vistas aéreas que proporciona de outras áreas da Sicília, como a própria cidade de Trapani, a Reserva Natural de Monte Cofano e da costa marítima.

Erice serviu, no passado, como refúgio para a população de Trapani e cidades vizinhas durante o período das invasões. Estão ali localizados diversas igrejas, monastérios e castelos, de vários períodos históricos.

Palermo, a capital da Sicília, foi a próxima etapa do roteiro. A cidade, que no verão alcança facilmente os 35 graus, é bastante conhecida por sua arquitetura, gastronomia e história, sendo um importante destino turístico na Itália. Suas igrejas, palácios, museus, teatros, fontes e praças atraem turistas do mundo todo.

A Catedral de Palermo é um perfeito de exemplo da mistura de estilos e períodos pelos quais passou a cidade. A catedral começou a ser construída em 1185 e ainda no século 18 sofreu reformas e adições. Pode-se notar em suas fachadas elementos góticos, renascentistas, barrocos e uma forte influência muçulmana.

Muitos edifícios do centro de Palermo parecem estar abandonados ou ainda não foram reformados por seus proprietários, após os bombardeios da Segunda Guerra Mundial, o que dá um certo ar de decadência a esta årea da cidade. Muito interessante notar que praticamente todos os prédios possuem terraços em suas janelas, voltados para as ruas.

Outro edifîcio de interesse turístico é o Teatro Massimo, a maior casa de ópera da Itália e uma das melhores acústicas da Europa, que foi imortalizado na cena final do filme O Poderoso Chefão III, dirigido por Francis Ford Coppola em 1990.

Em determinados dias da semana as estreitas ruas de Palermo são tomadas por mercados, onde é possível encontrar desde equipamentos eletrônicos até iguarias gastronômicas. Nos mercados também podem ser encontrados os famosos cannoli (doce típico da região) e também vinhos de qualidade, como os da variedade catarrato, muito comum na Sicília.

Após cinco dias percorrendo as caóticas ruas sicilianas, chegou a hora de partir e desbravar as ruas da ensolarada Toscana. Com apenas três dias para percorrer a região, o roteiro teve que ser resumido em apenas 2 cidades: Florença e Pisa.

Capital da região da Toscana, Florença é sem dúvida a principal atração deste pedaço tão famoso da Itália. A primeira sensação, logo ao chegar, é de que o clima ao norte é muito mais ameno e agradável se comparado com a ilha siciliana. As ruas são mais largas, os edifícios possuem fachadas menos ornamentadas e mais bem preservadas e a cidade, em geral, é muito mais limpa e organizada, possivelmente devido a importância que o turismo tem para a cidade.

Berço da Renascença, poucas cidades oferecem tanto em termos de arte e arquitetura como Florença. Em seu perímetro central, é possível encontrar obras clássicas de grandes arquitetos e artistas, como a Catedral de Florença, conhecida como Duomo, obra de Brunelleschi e o Campanário de Giotto, além de obras de arte como o famoso Davi, de Michelangelo.

Florença, que foi declarada Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, é sede de grandes e importantes museus, como a Galeria Uffizi e a Galeria da Academia, onde estão expostas obras de Michelangelo, Botticelli, Leonardo da Vinci, Donatello e muitos outros grandes mestres.

A presença de turistas, provindos de todos os cantos do mundo, é tão grande que chega a incomodar um pouco. É difícil circular pelas ruas, os museus estão sempre lotados e as principais obras de arte parecem mais celebridades perseguidas por paparazzi. Alguns pontos mais turísticos da cidade, como a Ponte Vecchio e a Piazza Michelangelo, além da multidão de turistas ainda abrigam muitos vendedores ambulantes, que oferecem milhares de réplicas das obras encontradas nos museus e ruas de Florença.

A uma hora de trem de Florença, fica a cidade de Pisa, o último destino do roteiro a ser visitado.

Muito se fala em guias de viagem que a cidade nada mais tem a oferecer além da Leaning Tower – a torre torta de Pisa. Mas fato é que, enquanto os milhares de turistas estão ocupados fotografando a torre em poses engraçadas e se acumulando nos restaurantes ao redor da Piazza dei Miracoli, as estreitas e coloridas ruas de Pisa estão vazias e é exatamente nesses pedacinhos escondidos da cidade que se encontram os verdadeiros prazeres de Pisa: as tratorias e cantinas. Os restaurantes oferecem pratos tradicionais da cozinha toscana, feitos a partir de receitas de família, com séculos de história.

Ao contrário do que ocorre em Florença, em Pisa é possível apreciar com tranquilidade a arquitetura da cidade e o colorido das ruas da toscana. E por ser uma cidade relativamente pequena, é o destino ideal para finalizar uma viagem tão densa em informação como este roteiro entre o norte e o sul da Itália.

sobre o autor

Francisco Alves (São Paulo, 1979) possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Braz Cubas e pós-graduação em Sistemas de Informações Geográficas pelo Centro Universitário SENAC. Atuou como arquiteto e urbanista na EMURB e na Diagonal Urbana Consultoria. Atualmente vive em Londres, onde trabalhou em eventos como o London Festival of Architecture e o London Design Festival.

comments

054.03 roteiro de viagem
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

054

054.01 arquiteturismo em questão

Nova York é uma festa

Roberto Segre and José Barki

054.02 viagem cultural

Os concertos na Sé de Mariana

Eliane Lordello

054.04 viagem de estudo

Ensinando arquitetura em São Paulo

Juliano Carlos Cecílio Batista Oliveira

054.05 exposição

Panoramas

Carlos A. Ferreira Martins and Sergio Burgi

054.06 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

054.07 editorial

Hans Broos

Victor Hugo Mori

054.08 eu estive lá!

Memórias de um celular

Abilio Guerra and Helena Guerra

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided