Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architectourism ISSN 1982-9930

Mar da Galiléia, Israel. Foto Victor Hugo Mori

abstracts

português
As imagens trêmulas e desfocadas do passado – produzidas por aparelhos toscos – nos apresentam uma surpreendente surpresa: a passagem inexorável do tempo...


how to quote

GUERRA, Abilio; GUERRA, Helena. Memórias de um celular. Arquiteturismo, São Paulo, ano 05, n. 054.08, Vitruvius, ago. 2011 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquiteturismo/05.054/4041>.


“O futuro não é um tempo longo, porque ele não existe: o futuro longo é apenas a longa expectação do futuro. Nem é longo o tempo passado porque não existe, mas o pretérito longo outra coisa não é senão a longa lembrança do passado”.
Santo Agostinho, “O tempo e o espírito”, Confissões XI

O presente é uma ilusão da consciência, que se ampara na tensão entre a prospecção do futuro e a memória do passado, nos ensina Santo Agostinho. Nos milênios onde a experiência humana era fundada na árdua vivência rotineira, as lembranças que se cristalizavam resultavam da fusão de fatos extraordinários excepcionais e ocorrências corriqueiras cotidianas registradas pela retina e retidas pela memória humana. A expectativa de futuro oriunda desta experiência de vida oscilava entre os extremos da angústia diante do tempo que consome todas as coisas e a esperança de um tempo paradisíaco onde a fruição do tempo estaria suspensa.

No mundo contemporâneo, a rarefação da experiência não nos permite mais distinguir com clareza entre a banalidade e a excepcionalidade, que se tornaram intercambiáveis. A multiplicidade infinita de imagens incessantemente produzidas por equipamentos digitais – máquinas fotográficas, câmeras de vídeos, celulares etc. –, ao não dependerem mais da capacidade humana de registrar e perpetuar, embotam a consciência e borram a fixação de uma memória estável do vivido. Se a montagem cinematográfica tradicional, com suas câmeras fixas a partir de pontos de vista transcendentes, obliterava o ato de filmar em prol de uma objetividade da evolução do enredo, a profusão contemporânea de imagens “amadoras” nos coloca de forma crua e cruel diante do sujeito – o “documentarista” – e do objeto – a fruição irrecorrível do tempo. Com isso, as imagens trêmulas e desfocadas do passado – produzidas por aparelhos toscos – nos apresentam uma surpreendente surpresa: ao invés de nos emocionarmos com imagens que fixaram as ricas experiências passadas, ficamos desamparados com o retorno de uma verdade recalcada: a passagem inexorável do tempo.

sobre a autora

Helena Guerra é estudante de cinema na FAAP.


comments

054.08 eu estive lá!
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

054

054.01 arquiteturismo em questão

Nova York é uma festa

Roberto Segre and José Barki

054.02 viagem cultural

Os concertos na Sé de Mariana

Eliane Lordello

054.03 roteiro de viagem

Itália: norte e sul

Francisco Alves

054.04 viagem de estudo

Ensinando arquitetura em São Paulo

Juliano Carlos Cecílio Batista Oliveira

054.05 exposição

Panoramas

Carlos A. Ferreira Martins and Sergio Burgi

054.06 ministério do arquiteturismo

Ministério do Arquiteturismo adverte

Michel Gorski

054.07 editorial

Hans Broos

Victor Hugo Mori

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided