Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
A arquiteta Sonia Manski fala sobre o bar Balcão, espaço que favorece a interação entre as pessoas, exemplo de como um bom desenho conduz a ocupação do espaço de maneira muito especial

english
The architect Sonia Manski talks about the bar Balcão in Sao Paulo, a space that encourages interaction between people, example of how a good design leads to the use of space in a special way

español
La arquitecta Sonia Manski habla sobre el bar Balcão, espacio que favorece la interacción entre las personas, ejemplo de como un buen diseño conduce a la ocupación del espacio de manera muy especial

how to quote

MANSKI, Sonia. Arquitetura favorece encontro. Bar Balcão e a releitura do tradicional bar de esquina. Drops, São Paulo, ano 06, n. 013.08, Vitruvius, dez. 2005 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/06.013/1672>.


Bar Balcão, rua Dr. Melo Alves, 150, São Paulo
Fotos Armando Prado


Espairecer ao final de um dia cansativo? Vá ao bar em que o imprevisto sempre aparece; muito provável que você termine o dia numa freqüência diferente.

Ir a um lançamento de livro num bar e ainda por cima, sem conhecer ninguém fora o autor? Sim, aposte as fichas. Mas só se for naquele onde sempre se encontra alguém. Um conhecido. Um amigo do conhecido. Ou mesmo um amigo da filha.

Primeira vez que sai com alguém e não quer arriscar tudo no tête-à-tête? Facilite as coisas: aproveite a sombra do espaço familiar.

Já adivinhou? Não? Última dica...

Imagine um grande balcão em que as pessoas se sentem ao lado ou na frente das outras, conhecidas ou não. Sem constrangimento, bem entendido. E se sintam tão à vontade que possam pedir um cigarro ou mesmo puxar conversa umas com as outras. Mais do que isso, que possam ir sozinhas, se quiserem; em busca de companhia ou não.

Este é o bar Balcão. Um espaço que favorece a interação entre as pessoas.

Que ninguém pense que o local faz uso de alguma poção milagrosa na confecção de seus sanduíches ou drinques. Muito menos que algum fluido misterioso da família do ópio é misturado ao ar.

Mágica? Não. Apenas a velha e boa arquitetura se valendo – de caso pensado ou não – de ensinamentos básicos da psicologia do espaço. Não esquecer o toque final que o uso se encarregou de conferir ao projeto; mesmo que não planejado com antecedência. (Sabe-se que não fez parte do projeto que os clientes se sentassem dos dois lados do balcão. Diz a lenda que a boa idéia surgiu num dia de lotação esgotada).

Muito embora longe o tempo em que alunos da FAU (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo) acreditavam na arquitetura como agente transformador do mundo, gostoso observar que um milagre menor é possível. Esse, um belo exemplo de como um bom desenho conduz a ocupação do espaço de maneira muito especial. Nos dias de hoje, fazer com que as pessoas se aproximem e troquem entre si não é pouca coisa. Existe jeito melhor de se enriquecer?

Constituído à semelhança do tradicional bar de esquina, fórmula muito conhecida dos portugueses, da mesma forma aproveita a grande extensão de alinhamento voltada para a via pública como acesso. Dentro e fora se misturam; transpor o umbral de entrada é quase natural.

Provavel que nenhum dos inúmeros fatores que compõem o produto final tenham sido programados. Também possivel que sequer sejam percebidos conscientemente pelos usuários. Nem por isso têm seu efeito diminuído. Inegável é sua influência na criação da atmosfera.

Por exemplo, em que outro lugar você pode entrar e sair sem ser foco do olhar de todos? Mas não se preocupe se o objetivo é ser visto. Uma vez lá dentro, alternativas se oferecem a quem não quer passar despercebido. Basta uma ida ao banheiro ou uma volta pelo salão.

Mais um detalhe que colabora para o ambiente agradável é a inexistência de hierarquia entre os assentos. Sem lugares melhores ou piores e sem cabeceiras com privilégio de visibilidade, a grande e contínua bancada funciona como uma grande mesa redonda, em que os convivas participam em pé de igualdade.

Outro pormenor característico do balcão: ninguém é visto por inteiro quando sentado em um; metade fica resguardada dos olhares.

Portanto, quem estiver em busca de uma experiência nova (inclusive estética) e está aberto a novidades, visite esta casa que tem janela aberta para o mundo.

Parabéns ao Nando Millan e ao Paulo Fecarotta (Fino) pela bela obra, cuja duração é a prova do sucesso. São Paulo agradece.

cotas

[publicação: fevereiro 2006]

sobre o autor

Sonia Manski é arquiteta formada pela FAU USP e trabalha no CONDEPHAAT.

Sonia Manski, São Paulo SP Brasil

Bar Balcão, balcão contínuo com espaço sendo acessado por 3 entradas

Bar Balcão, pia e balcão de manuseio central, hoje transformados em mesa de apoio

Bar Balcão, ao fundo, escada caracol com dois eixos, projeto dos arquitetos Filo Russo, Agnaldo Amaral, Sergio Coelho, Carlos Medina e Mauro Motoda para restaurante Funilaria e Pintura, depois Arlecchino, que funcionaram anteriormente no imóvel

Bar Balcão, desenho do balcão original, que previa clientes apenas em um dos lados. Projeto de Fernando Millan e Paulo Fecarotta

 

comments

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided